Manaus pode ganhar moderno sistema de transporte coletivo

segunda-feira, 25 de maio de 2009


Há uma semana do anúncio das cidades que serão escolhidas como sub-sedes da Copa de 2014 no Brasil, a população de Manaus vive a expectativa ver a cidade ganhar obras hoje vistas somente em países desenvolvidos. Dentre as mais ousadas e que deverá interferir diretamente no cotidiano dos manauaras está a construção de uma rede de transporte de monotrilhos, que interligará as zonas Norte e Sul da cidade e deve desafogar o sistema de transporte coletivo.De acordo com o projeto apresentado pelo governo do Estado à Confederação Brasileira de Futebol (CBF), o sistema monotrilho irá ampliar a área de cobertura da rede de transporte coletivo e diminuirá o tempo de viagem em até 50%. Inicialmente o sistema será divido em duas linhas. A primeira possuirá 13,5 quilômetros de extensão. A segunda prevê a construção de quatro quilômetros de trilhos elevados, que vão ligar um trecho da avenida Torquato Tapajós a um terminal na Colônia Santo Antônio, zona Norte da cidade.No eixo de maior trânsito em Manaus, as avenidas Constantino Nery e Torquato Tapajós, a novidade atenderá 50% das viagens, o equivalente a 20 mil passageiros no horário de pico.

Sistemas complementares

O subsecretário de Planejamento Econômico e Desenvolvimento, Marcelo Lima, explicou que o monotrilho não substituirá o sistema atual, e sim, deve complementar o modelo tradicional existente, que, segundo ele, deve passar por reformulações e receber investimentos.A construção de um sistema de transporte que interligue vários pontos da cidade é uma das exigências da CBF para escolher as sub-sedes da Copa de 2014. O sistema está previsto para ser inaugurado em 2010 e segundo, o estudo está orçado em US$ 270 Milhões.Segundo o subsecretário da Seplan, Marcelo Lima, o sistema de Monotrilho deve ser implantado independentemente de Manaus ser ou não escolhida como sub-sede da Copa de 2014.

Expresso

Em 2001, foi implantado em Manaus o “Sistema Expresso de Manaus”, que utilizava corredores exclusivos para ônibus. O projeto foi baseado em modelos de sucesso em outras capitais do Brasil, como em Curitiba, mas não atendeu as expectativas da população em Manaus. O Sistema teve investimentos estimando em R$ 120 milhões.O sistema implantou três novos terminas na cidade: T3-Cidade Nova (Zona Norte), T4-Jorge Teixeira (Zona Leste) e T5-São José (Zona Leste). No “Expresso”, as linhas de ônibus percorriam de ponta a ponta a cidade em uma única via. A idéia era reduzir em 40 minutos o tempo de trajeto que é hoje em uma hora, mas a idéia não vingou.Devido à má implantação dos corredores, o sistema foi extinto. Na época, em matéria publicada pelo Jornal Amazonas em Tempo, a Secretaria Municipal de Obras (Semosb), por meio da assessoria de imprensa, disse que a obra foi teve erro de projeto e que o dinheiro gasto não poderia mais ser resgatado. O sistema Expresso foi implantado em Manaus pelo atual Ministro dos Transportes, Alfredo Nascimento, que era prefeito da cidade na época.
Fonte: Andrezza Lifsitch, especial para o Portal Amazônia

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960