Cuiabá: Tarifa sobe para R$ 2,20

terça-feira, 2 de dezembro de 2008


O usuário do transporte coletivo intermunicipal entre Cuiabá e Várzea Grande terá de desembolsar mais 25 centavos para embarcar nos ônibus do sistema. Ontem, foi aprovado o reajuste de 12,82%, ou seja, a tarifa subiu para R$ 2,20, para vigorar dentro de uma semana. Segundo a Agência Estadual de Regulação dos Serviços Públicos de Mato Grosso (Ager), este é mais um dos aumentos anuais, devidos ao aumento nos custos de operação. A última majoração da tarifa foi de aproximadamente 11,4%, 20 centavos a mais na época, o que levou o valor ao atual de R$ 1,95. Márcia Vandoni, presidente da Ager, informa que, entre aumentos nos preços da mão-de-obra e dos insumos (como combustíveis), outro fator que influi na nova tarifa é o aumento detectado no número de usuários de transporte coletivo entre Cuiabá e Várzea Grande. Os estudos anuais para reajuste de tarifas são solicitados pelas próprias empresas de transporte à agência reguladora. Foi detectado que, entre os meses de janeiro de 2007 e de 2008, 130 mil novos usuários passaram a realizar o trajeto diariamente. Outra constatação da análise foi de que a velocidade média do trânsito na região – “caótico”, como diz Vandoni – diminuiu de 30 para 22 quilômetros por hora entre 2007 e 2008. A Ager pretende manter em 4 minutos o tempo de demora para que um ônibus passe por um ponto. Para atender à nova demanda, 10 novos ônibus devem ser integrados à rota pela empresa União Transportes, a única que opera no trajeto (são 45 concessionárias no Estado). A atual frota é de 82 ônibus, conforme Rômulo Botelho, presidente da empresa. Ele afirma que metade da frota é equipada com sistema de ar-condicionado e, assim como os novos ônibus a serem incorporados, 20% possuem todas as adaptações de acessibilidade a portadores de deficiências físicas. Para o trabalhador, o aumento da frota não justifica os 25 centavos a menos no bolso, como diz o pedreiro Anderson Nunes da Silva, de 24 anos. “É nóis que toma”, tira sarro, surpreendido com o aumento da tarifa que, curiosamente, nunca condiz com o que recebe o trabalhador.


Fonte: Diário de Cuiabá

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960