BH: Falta fiscalização no transporte coletivo

terça-feira, 2 de dezembro de 2008

A BHTrans garante que não vai dar trégua à empresa de ônibus que desrespeitar as novas regras do transporte público de Belo Horizonte, em vigor desde sábado, mas que na segunda-feira, no primeiro dia útil da portaria, foram descumpridas por várias linhas. A norma determina que, de segunda-feira a sábado, o tempo máximo de partida dos coletivos seja de 20 minutos no horário de pico e de meia hora fora dele. Aos domingos e feriados, máximo de meia hora. Segunda-feira, passageiros ficaram nos pontos por até mais de 60 minutos. Como reflexo, concessionárias desobedecem outra ordem: a que estipula o máximo de cinco passageiros em pé por metro quadrado. No Barreiro, veículos deixaram a estação Diamante abarrotados. O problema é que o sistema de fiscalização da BHTrans não é 100% confiável, segundo a própria empresa. De acordo com a BHTrans, as empresas infratoras serão multadas em até R$ 147,52. A fiscalização é feita por um equipamento acoplado ao tacógrafo do ônibus, que indica o tempo da partida. “O dado (hora da saída) não é manipulável. Não há como fraudá-lo. As concessionárias são obrigadas a cumprir os padrões de qualidade. Se não ocorrer, vamos punir”, garante Jussara Bellavinha, diretora de Desenvolvimento e Implantação de Projetos da autarquia.

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960