Maioria das ocorrências do Move BH envolve falhas mecânicas

quarta-feira, 23 de julho de 2014

Como todo novo sistema de transporte em implantação, o que requer ajustes, o Move tem apresentado problemas desde o início de operação, em 8 de março – na Estação São Gabriel. A maioria das ocorrências, entretanto, envolve falhas mecânicas de carroceria ou chassi dos ônibus, conforme levantamento elaborado pelo blog com o auxílio do colega Landercy Hemerson. O que confirma eficiência da BHTrans na implantação do transporte rápido por ônibus em fases, com o objetivo de reduzir o tempo de viagem em 50% entre a Região Norte e o Hipercentro, beneficiando cerca de 700 mil usuários. Não foram registradas ocorrências graves envolvendo a transição entre as antigas e novas linhas, situação diferente à implantação do Move metropolitano, marcada pela desorganização. A Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte tem, por outro lado, um grande desafio pela frente: reduzir os acidentes na região central por invasão da faixa exclusiva, o que já levou a pelo menos uma morte por atropelamento. 

As falhas na frota acendem o alerta para os fabricantes dos ônibus, em especial a Mercedes-Benz. O principal fornecedor dos quatro consórcios operadores do transporte coletivo de Belo Horizonte soma dois casos graves com o modelo articulado Mercedes-Benz O-500 MA: um incêndio e uma perda de freios, além de outras ocorrências. 

O O-500 MA é o mesmo modelo que levou à paralisação de parte da frota do Transoeste, no Rio de Janeiro, por superaquecimento na parte traseira. O episódio levou, inclusive, a um teste de refrigeração da Marcopolo para o Move, embora a Mercedes-Benz tenha alegado que as razões foram a contaminação do motor pelo corte da grama ao longo da pista exclusiva do Transoeste (corrigida com a aplicação de uma chapa lateral) e o compressor do ar-condicionado. 

Ônibus Marcopolo equipado com o chassi Mercedes-Benz O-500 MA 

Todos os fornecedores do BRT de BH tiveram prazo curto para iniciar a entrega da nova frota de 428 coletivos. O primeiro lote de ônibus, articulados (o que inclui o Move que pegou fogo na Pedro I), foi entregue em fevereiro, semanas antes do início da operação. Os consórcios só fecharam a encomenda dos ônibus no fim do ano passado, por incertezas com o prazo de conclusão dos corredores Cristiano Machado, Antônio Carlos/Pedro I/Vilarinho, adiado sucessivas vezes. 

Fotos: Marcos Michelin/EM/D.A Press 

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960