Faltam abrigos nas paradas de ônibus em Aracaju

segunda-feira, 13 de fevereiro de 2012

Passageiros que utilizam o transporte público da capital encontram dificuldades ao esperar pela condução. Como se não bastassem à superlotação e a demora dos ônibus, eles têm ainda que enfrentar a má conservação dos abrigos de ônibus espalhados pela cidade ou até mesmo a falta deles.
Apesar de alguns pontos não possuírem assentos, iluminação ou até mesmo cobertura para proteger os passageiros, o jeito é sentar na calçada ou meio fio e esperar à hora em que o coletivo vai passar.
Debaixo de chuva e sol, usuários não encontram outro meio para que o transtorno gerado durante a espera seja minimizado. Apesar da Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT), já ter dado início a troca de alguns abrigos localizados em diversos pontos da Capital, muitas são as reclamações por parte dos moradores.
Em menos de quinze dias, o Portal Infonet noticiou a queda de duas coberturas de pontos em bairros distintos da capital, que por pouco, não acabou em uma tragédia. O primeiro ocorreu no dia 21 de outubro do ano passado, em um ponto turístico da Capital, na Praça Olimpio Campos, o outro, no dia 31 do mesmo mês em frente a um supermercado localizado na avenida Osvaldo Aranha.
Apesar do acontecido, a expectativa de muitos trabalhadores que utilizam o transporte público municipal era que após o incidente, os abrigos fossem recolocados ou substituídos pelos novos, mas isso não ocorreu.
A reportagem do Portal Infonet voltou aos mesmos locais em que houve a queda das coberturas para ver o que havia sido feito. O que se viu foram pontos de ônibus sem coberturas. No local, há apenas uma placa indicando que ali continua sendo parada de ônibus.
Com uma criança no colo e sentada no meio fio da calçada, a autônoma Denilza Mateus, espera com paciência a chegada do coletivo. “Está complicada a nossa situação e no período da manhã a coisa piora. Final de semana tem dias que espero 1h pelo transporte aqui. O jeito é sentar na calçada, no sol quente e esperar”, conta.
Quem também se disse indignado com a situação foi o ajudante de pintura, Josival Ezaltino dos Santos. “É precária a situação de quem depende do transporte público. É o dia inteiro nessa luta, no sol quente e muita espera. Se der um chuvisco, a situação se complica, já que não existe mais a cobertura. Pagamos uma tarifa cara, mas não somos atendidos como merecemos”, desabafa o passageiro.
Novos Abrigos
Questionado sobre como anda o processo licitatório para a realização da troca dos pontos de ônibus da Capital, o Diretor do Departamento de Planejamento e Sistemas (DPS) da Superintendência Municipal de Transporte e Trânsito (SMTT), Fernando Nunes, esclareceu que o processo está sendo realizado com a Caixa Econômica Federal. “Estamos com o projeto sendo avaliado por eles, para a construção de cerca de 680 abrigos, em um valor estimado de R$ 7 milhões. Alguns modelos de abrigos nós já colocamos na cidade como piloto, observando se há algum defeito, a demanda da população, para ver se esta está satisfeita com o abrigo. Agora estamos usando dois modelos como piloto, um instalado nos shoppings e outro implantado na Av. Rio de Janeiro, próximo ao Hiper Sales. Neste processo nós ouvimos a população e adequamos o projeto, até que ele seja totalmente ajustado”, diz.
Sobre os critérios utilizados pela SMTT para a instalação de um ponto de ônibus na cidade, o diretor Fernando Nunes esclareceu que o primeiro passo é o órgão ter a informação que uma nova linha ou roteiro de ônibus serão abertos. Faz-se a avaliação de onde há maior concentração de pedestres, geometria da calçada e providencia-se a parada. “E também tem a própria demanda da população, que solicita a implantação de novos pontos. A população identifica os locais onde o fluxo de pedestres é intenso e passa esta demanda para nós. Vamos ao local, fazemos o estudo do número de pessoas que aportam no local, das dimensões da calçada e implantamos esta parada”.
Para a recolocação dos pontos da Avenida Osvaldo Aranha (em frente ao Hiper Norte) que desabou dia 31 de outubro de 2011 e o da Praça Olímpio Campos que desabou dia 21 de outubro de 2011, o diretor informou que “Dependemos da verba da Caixa para a reinstalação e reforma dos pontos de ônibus da cidade. Estes dois pontos citados são pontos que estamos tendo uma atenção especial estamos tentado com a Prefeitura recursos para viabilizar a implantação destes dois abrigos e de alguns outros na 13 de Julho, na Atalaia e no Centro locais de grande demanda”, garante.

Por Aisla Vasconcelos
Portal Infonet



0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960