DF: Metrô tem poucos trens para atender a demanda de 160 mil usuários por dia

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Os problemas do sistema de transporte público no Distrito Federal não atingem somente quem anda de ônibus. Para as cerca de 160 mil pessoas que recorrem diariamente ao metrô, a situação é igualmente problemática. São apenas 25 trens para atender a demanda. Sete estão em fase de testes e a previsão é de que comecem a operar ainda este semestre. A peruana Marlene Soto, no Brasil há apenas três meses, assustou-se com a quantidade de gente na plataforma da Estação Central, localizada na Rodoviária do Plano Piloto. Com três filhos, ela quase desistiu de entrar em um dos vagões. “Tenho medo de não ter olhos para os três no meio desta multidão toda”, disse Marlene, que está no país à procura de trabalho.

Além da superlotação, muitos usuários, principalmente as mulheres, sofrem com a falta de educação. Na Estação Galeria, à espera da abertura de um dos vagões, na última quarta-feira, a vendedora Ângela Divana Dias, 36 anos, com estatura de apenas 1,52m, era espremida por cinco homens, que se recusavam a deixar que ela passasse à frente. Quando as portas do trem abriram, os cinco se apressaram e ocuparam os assentos, enquanto Ângela teve que se contentar em viajar mais uma vez em pé. “Já me acostumei com este bando de sem-educação”, desabafou.

Perto de Ângela estava o vigilante Carlos Romeiro de Matos, 58 anos, que, espremido no meio de tanta gente, mal conseguia carregar a mochila. “Não deveriam fazer isso com o ser humano. A gente se sujeita a esse tipo de situação pela necessidade de ir trabalhar, mas chega uma hora que dá vontade de largar tudo. Você sai do trabalho cansado e é obrigado a entrar numa lata de sardinha como essa”, revoltou-se.

Com os espaços tão concorridos, muitos optam por concluir o trajeto sentados no chão, como o estagiário Emanoel Fontenele, 29 anos, que usa o metrô há quatro anos. “Estudo e faço estágio. A volta para casa é sempre muito cansativa. Prefiro ir no chão para descansar um pouco, porque, na estação em que eu pego o metrô, ele já passa cheio”, disse.

A insegurança nos arredores das estações do metrô também é alvo de crítica. Em Samambaia, um bicicletário com mais de 30 vagas está abandonado. Como o local fica longe dos olhos dos seguranças da estação, as pessoas preferem deixar suas bicicletas acorrentadas em corrimões próximos à entrada do terminal. “Acontecia que o ciclista deixava a bicicleta, ia trabalhar e, quando voltava no fim do dia, ela não estava lá. Após tantos casos assim, todos passaram a colocar suas bicicletas próximo à entrada”, informou um servidor do metrô, que não quis se identificar.

Expansão
Recentemente empossado como diretor-presidente do Metrô-DF pelo governador Agnelo Queiroz (PT), David José de Mattos promete colocar em prática os projetos de expansão dos trilhos. De acordo com ele, a ideia é construir mais três estações em Ceilândia e duas em Samambaia, além de levar os trilhos até o Hospital Regional da Asa Norte (HRAN). “Os estudos já foram iniciados. A ideia é que essas obras comecem o mais breve possível, mas não posso estimar um prazo porque isso depende de licitação”, ressaltou David.

O diretor também aguarda um posicionamento da Justiça para saber se as obras do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) serão liberadas. O novo meio de transporte que cortaria toda a W3 Sul teve sua construção suspensa (veja Memória) várias vezes por determinação do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) e pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), sob o argumento de que o Metrô não havia apresentado os estudos de impacto da área e também por suspeita de fraude. Até hoje, as intervenções feitas no trânsito consumiram dos cofres públicos mais de R$ 20 milhões.

Já o diretor do Departamento de Estradas de Rodagens (DER), Fauzi Nacfur Júnior, diz que a primeira providência que tomou ao assumir o cargo foi determinar uma radiografia do órgão. A previsão feita pelo governo passado era investir R$ 147 milhões em obras. “Vamos fazer uma análise de tudo o que está previsto e saber se o que está no papel é prioridade. Só depois de feito esse trabalho poderemos anunciar quais os pontos vamos atacar”, ponderou Fauzi.

Memória
2008

20 de fevereiro
O GDF dá início à primeira etapa da licitação do VLT.

22 de fevereiro
A concorrência é interrompida pela Promotoria de Defesa do Patrimônio Público do MPDFT porque os estudos para a elaboração do edital foram considerados insuficientes.

2009

29 de julho
 A União impõe restrições à concessão de aval a um empréstimo de 134 milhões de euros da Agência Francesa de Desenvolvimento  para financiar o VLT.

5 de agosto
 O ministro Gilmar Mendes, então presidente do STF, suspende as restrições que impediram o GDF de obter o empréstimo.

7 de setembro
 As obras do VLT são lançadas.

20 de outubro
 O Ministério Público ajuíza ação civil pública pedindo, em caráter liminar, a suspensão do processo de empréstimo da Agência Francesa e das obras do VLT.

13 de dezembro
 Ocorrem as primeiras mudanças no trânsito no fim da W3 Sul em decorrência da construção do VLT. Uma semana depois, as obras são embargadas por questionamentos ambientais.

30 de dezembro
Acaba o embargo às obras.

2010

27 de janeiro
 A construção do VLT é interrompida pelo MP sob argumento de que o GDF teria aberto a concorrência para as obras antes de concluir o projeto básico.

7 de fevereiro
 O Tribunal de Justiça do DF derruba a liminar ajuizada pelo MP em outubro de 2009.

23 de abril
 O MPDFT deflagra a Operação Bagre para investigar possíveis fraudes na licitação de projetos básicos de engenharia da obra. O então governador do DF, Rogério Rosso, determina o afastamento de toda a direção do Metrô.

10 de junho
 A construção do VLT é embargada novamente pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). De acordo com a superintendente do Iphan, o Metrô-DF não entregara os projetos executivos do VLT solicitados.

Quatro
perguntas para

José Walter Vazquez Filho, secretário de Transportes do Distrito Federal

Os governos anteriores apostaram em grandes obras para melhorar o trânsito no DF. Essa continuará sendo a política adotada pelo novo governo, ou a intenção é investir mais em transporte público?
O compromisso do GDF é oferecer aos cidadãos um transporte público de qualidade. A visão de futuro do governo para o transporte público do DF é de modernidade. Esse conceito agrega conforto, tecnologia, agilidade, segurança, acessibilidade e baixo custo. E requer um conjunto de ações integradas e coesas, abrangendo adequação de infraestrutura viária e de apoio ao transporte público; modernização dos meios de transporte coletivo rodoviário e metroviário; fortalecimento institucional voltado aos processos de regulação, operação e gestão do sistema de transporte público.

Hoje, a principal reclamação do usuário é em relação ao tempo gasto para se chegar ao trabalho, o que poderia ser resolvido com um sistema de integração eficiente.
A integração do sistema do transporte coletivo é essencial ao modelo a ser implementado. É o grande objetivo do governo. Para assegurar uma integração eficiente, de forma simplificada, é fundamental dispor de infraestrutura viária e de apoio, meios de transporte modernos e tecnologia voltada à operação e à gestão do sistema.

Será aberta licitação para quebrar o monopólio das empresas que operam hoje no DF?
O GDF adotará todas as medidas cabíveis para assegurar a legalidade no tocante às concessões públicas relativas à operação do transporte público coletivo do DF.

Quais os projetos que o senhor pretende implantar para melhorar o transporte público?
O governo implementará um modelo de transporte público moderno, de forma que a capital seja um centro de referência na prestação do serviço.
 

READ MORE - DF: Metrô tem poucos trens para atender a demanda de 160 mil usuários por dia

Greve de ônibus ganha força em Belo Horizonte

Representantes da BHTrans e da Polícia Militar se reuniram na tarde desta segunda-feira para elaborar medidas de segurança para o transporte coletivo da capital. Durante a manhã, os rodoviários de Belo Horizonte decidiram, em assembleia, manter a greve que parou a Estação Diamante, na Região do Barreiro.

Em nota, a BHTrans informou que o Setra foi notificado para manter uma reserva de ônibus para atender a demanda dos passageiros. Equipes da Unidade Integrada de Trânsito e da Polícia Militar vão percorrer as estações BHBus e os principais corredores da capital orientando os passageiros sobre as opções de deslocamento e garantindo condições de trabalho adequadas aos motoristas e cobradores que não aderiram à greve.

A empresa também posicionou reboques em vários pontos da cidade para remoção de veículos que podem dificultar o trânsito nas vias. Na terça-feira, a greve poderá afetar outros locais da capital, mas o indicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Belo Horizonte (STTRBH) não adiantam os pontos de paralisação.

Usuários das estações Barreiro e Venda Nova devem ficar atentos, pois informações anteriores dos sindicalistas indicam que o movimento pode afetar esses pontos de embarque e desembarque.

READ MORE - Greve de ônibus ganha força em Belo Horizonte

Construção de terminais para receber o sistema de ônibus de alta capacidade da Grande BH

O sistema de transporte em ônibus de alta capacidade será levado à Grande Belo Horizonte. Contagem, Santa Luzia, Sabará, Ribeirão das Neves e Vespasiano se juntarão à capital na lista dos municípios mineiros atendidos pelo BRT (sigla de Bus Rapid Transit). Pelo menos 100 mil pessoas serão transportadas, apenas no horário de pico da manhã, em 11 terminais de integração metropolitanos a serem implantados até a Copa das Confederações, em 2013.

Sete deles precisarão ser construídos do zero e outros quatro dependerão apenas de adaptações em terminais já existentes na capital.

A reportagem do Hoje em Dia teve acesso, com exclusividade, ao estudo de implantação do BRT elaborado pela Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas (Setop). Os endereços dos terminais de embarque e desembarque nos cinco municípios já foram pré-definidos, mas ajustes ainda poderão ocorrer, com base em pesquisa de origem-destino a ser realizada entre maio e o fim deste ano.

A Setop não informa a projeção dos investimentos necessários, pois a maioria dos projetos ainda não foi encaminhada à orçamentação. As medidas de ajuste fiscal anunciadas pela União na semana passada, com um corte de R$ 49 milhões no repasse de verbas para elaboração de projetos executivos na área do transporte em Minas, não deverão afetar a construção dos terminais. “Os recursos virão do tesouro estadual”, garantiu o subsecretário de Regulação de Transportes do Estado, Diogo Prosdocimi.

Os estudos da Setop não preveem adaptações viárias na área dos municípios atendidos. O BRT da Grande BH compartilhará a estrutura da capital nos três ramais em fase de implantação, nos eixos Cristiano Machado, Antônio Carlos-Pedro I e Pedro II-Carlos Luz. Segundo a BHTrans, os recursos, da ordem de R$ 1 bilhão, estão garantidos no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

As três vias terão pistas exclusivas para ônibus e estações de transferência (ou estações-tubo) instaladas no canteiro central para embarque e desembarque. O sistema, consagrado em Curitiba (PR) e em outras cidades do mundo, como Pequim (China), Bogotá (Colômbia) e Los Angeles (Estados Unidos), tem características similares às do metrô, porém com o custo de implantação entre 10% e 20% menor. O valor por quilômetro chega a R$ 20 milhões, contra R$ 200 milhões no metrô.

As vias do BRT são de trânsito rápido. O usuário paga a tarifa antes de entrar na estação-tubo, agilizando a saída e a entrada no veículo. Para viabilizar a cobrança da passagem em sistemas de bilhetagem distintos (gerenciados pela BHTrans e Departamento de Estradas de Rodagem, DER), as 60 estações de transferência serão divididas em duas, com catracas de acesso independentes.

Sistema é aposta para suprir falta de metrô

Com a ampliação do metrô descartada pelo menos até a Copa de 2014, o BRT é a aposta de Belo Horizonte e região para suprir a falta de um sistema de transporte de massa eficiente. Além de mais conforto que os ônibus convencionais, o sistema permite ao usuário realizar mais de uma viagem pagando apenas uma passagem, como ocorre em Curitiba.

Para o chefe do Departamento de Engenharia de Transporte e Geotecnia da UFMG, Nilson Nunes, qualquer ação que otimize a vida do passageiro é bem-vinda. Porém, ele não acredita que o BRT seja a solução definitiva para a mobilidade urbana.

De acordo com ele, o sistema modal tem uma capacidade aproximada de transportar, no máximo, cerca de 40 mil passageiros/hora por sentido da via. “Arrisco a dizer que já estamos perto disso na Avenida Antônio Carlos. Precisamos de um sistema de massa efetivo, como o metrô”, defende Nunes.

Com a inclusão dos ônibus metropolitanos nos ramais da capital, diz o especialista, a capacidade dos três ramais pode ficar comprometida.

O grupo de trabalho criado para a implantação do BRT metropolitano tem a participação de membros da BHTrans. Segundo o diretor de Planejamento da empresa, Célio Freitas, o projeto da capital levou em consideração o volume de ônibus da Grande BH. “Nós incentivamos a Setop. Está tudo dimensionado. Vamos implantar infraestrutura completa para o sistema metropolitano”, disse.



READ MORE - Construção de terminais para receber o sistema de ônibus de alta capacidade da Grande BH

BH: Paralisação dos rodoviários afeta apenas a Estação Diamante

O Batalhão de Polícia de Trânsito (BPTran) está monitorando o movimento dos ônibus na Estação Diamante, no barreiro, único ponto até o momento onde os rodoviários paralisaram suas atividades. Quatorze linhas de ônibus que circulam pela região estão paradas. A previsão, segundo motoristas e trocadores no local, é de que esta situação permanece por todo o dia de hoje.

Segundo o Sindicato dos Rodoviários, cerca de 2 mil pessoas foram afetadas diretamente pela greve na estação. Isso sem contar aquelas que passaram o início da manhã desta segunda-feira (14) aguardando os ônibus nos bairros. Ainda nesta manhã, às 9 horas, será realizada uma reunião na Superintendência Regional do Trabalho,a na Rua Tamoios, no Centro para decidir junto a diretoria das empresas a continuidade ou o término das paralisações.

Militares do 41º Batalhão da PM estão reforçando a vigilância no local, mas ainda não houve registro de agressões ou confusões significativas relacionadas a greve.

Em Venda Nova, a situação é tranquila e não houve registro de atrasos nas linhas que circulam pela região nem tumulto, segundo a Polícia Militar.

Os trabalhadores reivindicam 24% de aumento salarial, jornada de trabalho de seis horas diárias e o fim dos ônibus sem cobradores. O Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Belo Horizonte (Setra-BH) ofereceu, na última reunião, aumento de 8% no salário e benefícios, além de pagamento de R$ 300 como participação nos lucros para funcionários que ganham mais de R$ 1 mil, e de R$ 150 para quem ganha menos


READ MORE - BH: Paralisação dos rodoviários afeta apenas a Estação Diamante

Ônibus dos modelos B12M biarticulado, B12M articulado e B7R que circularão no BRT de Curitiba

A capital paranaense, Curitiba, receberá, ainda neste semestre, um lote de 393 chassis de ônibus produzidos pela Volvo, de acordo com a licitação vencida pela fabricante sueca no ano passado. Os veículos são dos modelos B12M biarticulado, B12M articulado e B7R e foram adquiridos pelos consórcios Pontual, Transbus e Pioneiro, que forma o RIT (Rede Integrada de Transporte – de Curitiba).

Segundo Luis Carlos Pimenta, presidente da Volvo Bus Latin America, essa será uma das maiores vendas já realizadas pela Volvo para a capital paranaense. “Curitiba detém um dos maiores, mais eficientes e mais avançados sistemas de transporte coletivo organizado da América Latina”, comenta Pimenta. O destaque mais expressivo dos chassis oferecidos pela Volvo é a maior capacidade para transportar passageiros e o menor custo operacional, já que os modelos são equipados com freios a disco, controle de tração, ABS e suspensão eletrônica.

Além disso, os veículos circularão nos BRT’s (Bus Rapid Transit) da capital, que são os corredores para trânsito exclusivo de ônibus. Para Euclides Castro, gerente de ônibus urbano da Volvo Bus Latin America, esse sistema beneficia significativamente os operadores de transporte. “A grande capacidade de transporte em um BRT se traduz em mais lucratividade para os operadores e custos mais baixos por passageiro transportado”, afirma Castro.


READ MORE - Ônibus dos modelos B12M biarticulado, B12M articulado e B7R que circularão no BRT de Curitiba

Rodoviários prometem paralisação para Belo Horizonte e parte da RMBH

Os rodoviários de Belo Horizonte, em estado de greve desde a última quinta-feira, prometem começar paralisação a partir de segunda-feira na capital e parte da região metropolitana. De acordo com o diretor de comunicação do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários de Belo Horizonte (STTRBH), Carlos Henrique Marcos, representantes do sindicato vão se reunir durante a madrugada de segunda-feira e definir onde serão feitas as paralisações.
De acordo com ele, podem ser paralisadas garagens, estações, corredores viários ou paralisações por regiões, mas o diretor não adiantou os locais onde serão feitas as intervenções. De acordo com ele, a região metropolitana também pode ter paralisações, com exceção de Brumadinho, Contagem e Betim, onde segundo o diretor de comunicação não há representação do sindicato.  
Os representantes exigem reajuste salarial de 16,5% mais a inflação mensal e o INPC, jornada diária de  6 horas, fim da dupla função para motoristas e da circulação de veículos sem cobrador.
Ao todo, segundo ele são 26 mil funcionários atuando na capital, entre motoristas e cobradores. A base salarial para motoristas é de R$ 1.258 e para cobradores é de R$ 629.  

Fonte: O Tempo

Share |
READ MORE - Rodoviários prometem paralisação para Belo Horizonte e parte da RMBH

Absurdo, Prefeitura de São Paulo não investirá em ciclovias

Ciclista Pedalando em avenida movimentada
O discurso já foi ouvido milhares de vezes: bicicleta é meio de transporte e São Paulo precisa de mais ciclovias e ciclofaixas para melhorar a mobilidade dos paulistanos. Mas se depender do planejamento da Prefeitura para 2011 as coisas não vão mudar tão fácil assim. Dos R$ 34,6 bilhões previstos no orçamento, apenas uma rubrica de R$ 1 milhão e outra de R$ 1 mil são para a infraestrutura cicloviária da cidade.

Essa é a primeira vez que existem dotações específicas para bicicletas no orçamento municipal. Mas os investimentos de R$ 1 milhão e R$ 1 mil correspondem somente a 0,09% do total a ser gasto pela Secretaria de Transportes (R$ 1.152.192. 088,00).

Segundo especialistas, o valor seria insuficiente até para realizar estudos e construir uma ciclovia de comprimento maior que 5 km, por exemplo.

Além disso, chama a atenção o fato de que R$ 1 milhão - ou seja, praticamente toda a verba - está previsto para ser utilizado pela Secretaria do Verde e do Meio Ambiente, que é responsável pela construção de ciclovias em parques e em áreas de lazer. Apenas um valor simbólico de R$ 1 mil está previsto para ser gasto com esses projetos na Secretaria de Transportes, responsável pelas obras em avenidas e ruas visando a melhorar a mobilidade urbana.

No ano passado, o Pró-Ciclista, grupo executivo da Prefeitura para estudar e promover melhoramentos cicloviários, havia sido transferido da Secretaria do Verde para a pasta de Transportes, justamente para simbolizar uma mudança no modo de ver a bicicleta na atual administração. "Com essa mudança, a Prefeitura reafirma sua postura de dar à bicicleta o tratamento de um meio de transporte tão importante quanto os demais", diz o texto publicado no site oficial da Prefeitura na época.

Descaso. O resultado do baixo investimento em obras para bicicletas é que, apesar de a capital ter apenas 37,5 km de ciclovias, grande parte das promessas já feitas pela Prefeitura está atrasada - algumas ainda não têm nem projeto, mesmo após ter sido anunciadas há anos.

Esse é o caso das ciclovias das Avenidas Eliseu de Almeida, no Butantã, e Vereador José Diniz, em Santo Amaro, por exemplo (ver box ao lado).

Para Thiago Benicchio, diretor-geral da Associação Ciclocidade, o estágio atual das discussões sobre a importância das bicicletas é bom, mas ainda está muito distante o dia em que as propostas se tornem concretas.

"As dotações ainda são muito genéricas, parecem mais indicativas de desejo do que projetos bem estudados. Temos hoje um discurso favorável à bicicleta, mas que não se traduz em planejamento sério nem obras voltadas aos ciclistas", afirma.

Agenda 2012. Em nota, a Secretaria Municipal de Transportes informou que trabalha com os objetivos da Agenda 2012, programa de metas da Prefeitura que prevê 100 km de ciclovias e ciclofaixas até 2012.

A pasta informou que inaugurou, em parceria com o governo do Estado, 13 km de ciclovia na várzea do Rio Tietê e que todos os novos terminais de ônibus projetados pela Prefeitura contemplam bicicletários.
A pasta não respondeu em qual obra será gasto o R$ 1 milhão orçado para 2011.


AS OBRAS
Ciclovia da Avenida Eliseu de Almeida - Butantã
Com 15 km, projeto ainda não está pronto e não há prazos
Ciclovia da Inajar de Souza - Freguesia do Ó
Ainda falta a sinalização. Está fechada ao público. Tem 7 km
Ciclovia da Vereador José Diniz - Santo Amaro
Projeto de via de 6 km ainda não está pronto e não há prazos
Sistema cicloviário dos bairros Jardim Helena, Jardim Brasil e Grajaú/Cocaia
Com 55 km, licitação está sendo preparada
Ciclovia da Guarapiranga Projeto prevê via de 12 km. Licitação para trecho foi iniciada em setembro

Fonte: Estadão

READ MORE - Absurdo, Prefeitura de São Paulo não investirá em ciclovias

Em 10 anos, frota de carros no DF cresceu cinco vezes mais que população

Em 10 anos, a frota de veículos do Distrito Federal cresceu cinco vezes mais que a população. São 1.233.000 veículos para um total de 2.469.489 habitantes, média de um carro para cada duas pessoas. A proporção é alta e rende ao DF o posto de unidade da Federação com uma das maiores taxas de motorização do país. Em 2002, no início da década, a média era de 3,4 por habitante. A frota estava em 585.424 carros para uma população de 2.051.146. Ao longo dos últimos 10 anos, o governo, a quem cabe estabelecer as políticas públicas de trânsito e transporte, se mostrou incapaz de executar ações na mesma velocidade em que surgiam os problemas. E as consequências estão cada vez mais presentes no dia a dia do brasiliense, tenha ele carro ou não. As mais evidentes são os congestionamentos e a falta de vagas.

Levantamento feito pelo Correio em 17 das 27 capitais revela que Brasília ocupa o nono lugar no ranking de motorização brasileiro (veja arte). A cidade já contabiliza pelo menos 14 pontos diários de congestionamentos das 7h às 8h40 e das 17h às 19h30. Os principais estão na Estrada Parque Núcleo Bandeirante (EPNB), no Eixo Monumental, entre o Balão do Torto e o do Colorado (BR-020), na Estrada Parque Indústria e Abastecimento (Epia) e no Eixo Rodoviário Norte, próximo à Ponte do Bragueto. Na manhã da última sexta-feira, quando a reportagem sobrevoou a cidade, a BR-070 (rodovia que liga Brasília a Corumbá) tinha 5km de engarrafamento, que ia da altura do cemitério de Taguatinga até o viaduto do Pistão Norte.

Os pontos de retenção ocorrem em condições normais. Sem chuva forte, obra ou acidentes, a lentidão se forma diariamente. Mas quando alguma dessas variáveis se faz presente, elas pioram a fluidez do trânsito. O exemplo mais recente ocorreu na última quarta-feira. Um engavetamento de três carros no Eixo W Sul, na altura da Quadra 116, parou três importantes vias de acesso à área central de Brasília. Com uma das pistas interrompidas para a realização da perícia, os motoristas que seguiam pela Estrada Parque Guará (EPGU) e pela Estrada Parque Indústria e Abastecimento (Epia) foram os primeiros a serem afetados. Para escapar do transtorno, alguns optaram pela Estrada Parque Taguatinga (EPTG). Com isso, o trânsito da via também foi afetado, com complicações desde a saída do Guará até a passarela da Octogonal. Quem passava por lá, levava, em média, uma hora e 20 minutos para percorrer o trecho.

A lentidão aumenta o tempo de viagem e a irritação do motorista. Quem depende do transporte público também é afetado porque, no Distrito Federal, não há políticas que privilegiem o transporte de massa em detrimento do individual. Não existe nem sequer faixa exclusiva para ônibus. A Linha Verde, construída exclusivamente para este fim ao longo da Epia, não tem previsão para começar a funcionar. Enquanto isso, os ônibus lotados e de péssima qualidade disputam lugar com carros ocupados, em sua maioria, somente pelo condutor.

Sem estacionamento
Vencida a maratona do deslocamento, começa outra: a de estacionar o carro. O deficit de vagas na área central de Brasília é de cerca de 30 mil lugares. Há quem se ache no direito de parar em fila dupla, sobre a calçada, em vagas reservadas a idosos e deficientes, em frente aos hidrantes ou sobre os gramados. Multados por estacionamento irregular, os condutores acusam o governo de promover a indústria da multa. As autoridades prometeram mais de uma vez, em diferentes governos, criar vagas nas regiões críticas. O último movimento começou em meados de 2008, com o anúncio de que seriam construídos estacionamentos subterrâneos e os espaços públicos de superfície

A inércia do poder público só agrava a situação. A principal aposta do governo para resolver o problema do trânsito é o Programa de Transporte Urbano do DF, o Brasília Integrada. O projeto é composto por ações em diversas frentes: a integração entre itinerários de ônibus e metrô, a ampliação das vias, a expansão do sistema metroviário e a construção do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT), além do incentivo aos meios de transporte alternativos, como bicicletas. Pouco ou quase nada, no entanto, saiu do papel.

A construção do VLT foi iniciada, mas, por recomendação do Ministério Público, as obras foram paralisadas. O MP investiga indícios de irregularidades na licitação do projeto. A ampliação da EPTG saiu do papel, ao menos parcialmente. A Linha Verde até hoje não funciona e não conta com a ciclovia prevista no projeto inicial. Já o programa cicloviário, que alardeava a construção de 500km de espaços reservados aos ciclistas no fim de 2010, não foi concluído. Atualmente, apenas 46km estão prontos e cerca de outros de 100km, em obra.
Promessa

O projeto de reforma da EPTG garantia que, com a construção da Linha Verde, a via dobraria de tamanho para comportar os 140 mil veículos que lá circulam todos os dias. Além de ganhar vias marginais nos dois sentidos, era previsto um corredor exclusivo para ônibus.

Foco no meio ambiente
Preocupada com a degradação do cerrado, a Arquidiocese de Brasília voltou o foco da Campanha da Fraternidade de 2011 para o aquecimento global e as mudanças climáticas, com o intuito proteger a vegetação nativa do Centro-Oeste e ajudar na conscientização para a redução de gases veiculares. O tema definitivo será decidido em um encontro, que será realizado no próximo dia 19, na Universidade Católica de Brasília, em Taguatinga Sul, das 8h30 às 17h.



READ MORE - Em 10 anos, frota de carros no DF cresceu cinco vezes mais que população

São Paulo: Nova Tarifa do Metrô, Trem e ônibus intermunicipais já estão em vigor

O preço da tarifa do Metrô de São Paulo e dos trens da CPTM (Companhia Paulista de Trens Metropolitanos) sobiram de R$ 2,65 para R$ 2,90 neste domingo (13). O preço da passagem unitária na cidade aumentou o dobro da inflação em 15 anos.

O bilhete unitário da Linha 5-Lilás (que opera atualmente entre Capão Redondo e Largo Treze, em Santo Amaro) passa a custar R$ 2,80. Já o bilhete Madrugador Exclusivo (válido das 4h40 às 6h15 no Metrô e das 4h às 5h35 na CPTM), que custava R$ 2,40, é comercializado agora a R$ 2,50. O Cartão Madrugador Integrado passa de R$ 4,11 (desde o aumento dos ônibus municipais da capital, em 5 de janeiro) para R$ 4,21.

O preço dos cartões Bilhete Único Integrado Comum e Vale-Transporte passa de R$ 4,29 para R$ 4,49.

Já o Cartão Lazer (BLA-M10), que custava R$ 22,30, é vendido a R$ 23,50. O Cartão Fidelidade M8 passa de R$ 20,30 para R$ 21,50; o M20, de R$ 48,70 para R$ 51,40; e o M50, de R$ 116,50 para R$ 123.

Ônibus intermunicipaisAs tarifas dos ônibus intermunicipais de São Paulo, Campinas e Baixada Santista também sofrem reajuste a partir deste domingo. A média de reajuste das tarifas das linhas intermunicipais do serviço comum na região metropolitana de São Paulo é de 7,66%; na região metropolitana da Baixada Santista, de 6,94%, e da região metropolitana de Campinas, de 6,23 %.
As 13 linhas do Corredor Metropolitano ABD (São Mateus – Jabaquara), operadas pela concessionária Metra, têm suas tarifas alteradas de R$ 2,65 para R$ 2,90. O ônibus executivo que liga o aeroporto internacional em Guarulhos a diversos pontos da capital sofre reajuste de 6,5% - de R$ 31 para R$ 33. A linha suburbana que interliga a estação Tatuapé do Metrô a Cumbica é reajustada em 6,06%, passando de R$ 3,80 para R$ 4,05.
A secretaria afirma que o cálculo das novas tarifas "levou em conta a evolução dos custos do setor de transporte coletivo nos últimos 12 meses, incluindo componentes específicos como material rodante (veículos), que aumentou 12,5%, e mão de obra, com variação de 6,7 %".

Fonte: R7.com

READ MORE - São Paulo: Nova Tarifa do Metrô, Trem e ônibus intermunicipais já estão em vigor

Ônibus com combustível menos poluente começam a circular em São Paulo

A frota de São Paulo agora tem 1.200 ônibus circulando com combustível menos poluente. Parte da frota da empresa irá circular com um combustível que tem 20% de biodiesel, o que gera uma emissão 22% menor de dióxido de carbono, um dos gases causadores do efeito estufa.
Por enquanto todos os ônibus que circulam com o combustível menos poluente terão selos identificando que é um veículo mais limpo. A empresa VIP tem uma frota de dois mil ônibus. Segundo a São Paulo Transporte (SPTrans), a empresa, que opera linhas nas zonas leste e sul, terá todos os ônibus circulando com 20% de biodiesel até o próximo mês.
Para maio de 2011, está previsto o início da operação de 50 ônibus movidos a etanol e novos testes com um veículo híbrido que funciona com baterias enquanto está parado nos pontos ou circulando a menos de 20 km/h.
Segundo a SPTrans, a chamada Ecofrota será implantada em todos os 15 mil ônibus que circulam pela cidade até 2018. Os veículos devem usar biodiesel ou etanol híbrido.

Fonte: Estadão

Share |
READ MORE - Ônibus com combustível menos poluente começam a circular em São Paulo

Mudança de linhas no transporte coletivo de Camaragibe

Moradores do Loteamento São João e São Paulo, no município de Camaragibe, na Região Metropolitana do Recife, terão que ficar atentos a uma mudança no sistema de transporte coletivo na área. É que, a partir deste sábado (12), a linha 487-Várzea Fria (Integração) deixará de atender ao Loteamento. No lugar dela, a linha 483-Loteamento São João e São Paulo (Integração) atenderá a população.

Os moradores das comunidades, assim como os potencias usuários da nova linha, estão sendo avisados da mudança no atendimento com cartazes nos veículos que fazem a linha 487-Várzea Fria (Integração).

A 487-Várzea Fria (Integração) será operada por dois ônibus, fazendo 44 viagens por dia e o seguinte roteiro: rua Duque de Caxias, passando pela rua São Bernardo, seguindo pela avenida Belmínio Correia até chegar ao Terminal Integrado (TI) de Camaragibe. Será cobrada a tarifa A, que custa R$2.

Pontos de embarque/desembarque -
Como se trata de um novo atendimento, a linha 483-Loteamento São João e São Paulo (Integração) irá compartilhar a parada já existente da linha 487-Várzea Fria (Integração), que fica localizada na plataforma B. Nenhuma das linhas que já operam no terminal sofrerá mudanças nas paradas.

Fonte: pe360graus.com

READ MORE - Mudança de linhas no transporte coletivo de Camaragibe

Rio terá segunda maior malha cicloviária da América Latina

Mais rápida, saudável, ecologicamente correta. É difícil encontrar uma contra-indicação para adotar a bicicleta como meio de transporte. Cientes disso, autoridades municipais e estaduais se uniram para inseri-la no cotidiano do Rio: até 2012, a cidade terá 300 quilômetros de ciclovias e vagões especiais para as magrelas no metrô. 
– Novas composições foram compradas para resolver o déficit de vagões do metrô – conta o subsecretário de Meio Ambiente, Altamirando Moraes. – Quando elas chegarem, teremos integração com bicicletas, e não só nos finais de semana. 
Considerada a melhor cidade do país para ciclistas, o Rio terá a segunda maior malha cicloviária da América Latina, perdendo apenas para Bogotá: a capital colombiana tem 350 quilômetros.


READ MORE - Rio terá segunda maior malha cicloviária da América Latina

Metrô de Sobral terá duas linhas e funcionará com Veículos Leves sobre Trilhos (VLTs)

Sobral terá o segundo metrô a ser operado no Interior com recursos do Estado. E a empresa responsável é a Engexata Engenharia que vai cobrar R$ 38,7 milhões para realizar as obras civis do empreendimento. A empresa foi anunciada como vencedora da licitação, na última semana, pela Procuradoria Geral do Estado (PGE) e, após a assinatura da ordem de serviço, terá um prazo de um ano e meio para concluir a obra - ou seja, ainda em 2012 começa a operar.

Como o metrô que opera entre Crato e Juazeiro do Norte, o de Sobral será um Veículo Leve sobre Trilho (VLT), mas, diferente daquele do Cariri, vai circular só no perímetro urbano, num trecho de 12,5 quilômetros. Serão duas linhas principais: a Norte, que vai ligar o Polo Industrial da Grendene, no bairro da Expectativa, ao bairro da Cohab 3, e a Sul que terá uma extensão de sete quilômetros, ligando o bairro da Cohab 2, na zona Leste, ao bairro do Sumaré, na zona Oeste.

O projeto usará a malha ferroviária subutilizada da cidade, promovendo menores investimentos de implantação. Terá 11 estações de passageiros. Na linha Sul, os usuários terão as estações Cohab 2 – Sinhá Sabóia, localizada no quilômetro 229 da linha férrea existente; Dom Expedito; Boulevard do Arco; Coração de Jesus; Paço Municipal; Dom José e Sumaré, no quilômetros 236 da linha férrea.

Na linha Norte a extensão é de quase quatro quilômetros. Naquela área fica o bairro mais populoso da cidade: o Dr. José Euclides, além da empresa Grendene, com um grande número de trabalhadores e o Centro de Convenções. Lá serão instaladas as estações Grendene, Coração de Jesus, Junco e José Euclides.
Metrofor
A operação e o gerenciamento do Metrô de Sobral serão de responsabilidade do Metrofor, assim como são do Metrô do Cariri. O Governo do Estado firmou um convênio com a Prefeitura de Sobral e cada parte assumiu algumas atribuições.

A Secretaria estadual da Infraestrutura se comprometeu, por exemplo, a fazer a remodelação da via permanente existente em Sobral, a construção de quase quatro quilômetros de via permanente que constituirá a Linha Norte do projeto e o fornecimento de material rodante: cinco veículos automotriz, do tipo VLT, com motorização diesel, tração hidráulica, movimentação bidirecional, duas cabines de comando, e ar condicionado com capacidade para 185 pessoas, entre outras.

Já a Prefeitura de Sobral vai ceder as áreas necessárias para instalações do Centro de Administração e Controle Operacional de Trens e da oficina e pátio de estacionamento de trens, além da edificação das estações, entre outras atribuições.


READ MORE - Metrô de Sobral terá duas linhas e funcionará com Veículos Leves sobre Trilhos (VLTs)

Linhas do transporte coletivo estão superlotadas em Maringá

Uma em cada dez linhas do transporte coletivo urbano de Maringá trafega com a lotação acima do ideal. Em alguns casos, os ônibus transportam mais passageiros do que a capacidade. A constatação é de uma pesquisa feita pela Secretaria de Transportes (Setran), como diagnóstico para a licitação do sistema.
São sete linhas, do total de 71, com índice superior a 95% de ocupação no horário de pico - entre 6h45 e 7h44. A linha mais crítica é a 021 - Avenida Tuiuti -, que chega a 101% da capacidade dos carros durante o período de maior demanda.
"Tem horas que você não consegue se mexer. Com a volta das aulas é pior ainda, porque fica cheio de mochilas", diz a zeladora Ivone Martins. Ela desce no último ponto da 021, no Conjunto Champagnat. De acordo com a própria Setran, o aceitável seria uma lotação de 95%.
As outras seis linhas que estão acima do que a Setran entende como ideal são: a 009 - Interbairros; 205 - Thermas; e a 323A - Jardim Bertioga, com 99% da capacidade. A 040 - AABB circula com 97%; enquanto que a 427 - Cerro Azul e a 137 - Hermann Moraes Barros trafegam com 96% da lotação indicada.
Os números da superlotação são de conhecimento dos técnicos da Setran ao menos desde junho do ano passado, data da realização do levantamento. Mas os dados só se tornaram públicos este mês, com a publicação do edital de licitação do transporte coletivo - eles ocupam duas, das 523 páginas do edital.
O diretor da Transporte Coletivo Cidade Canção, Roberto Jacomelli, lembra que a responsabilidade por estabelecer a prioridade e o destino das linhas é da Setran. "Se for constatada uma sobrecarga é a prefeitura quem determina o uso de mais carros", alega.
Apesar do estudo apontando a sobrecarga há oito meses, nada mudou até o início da noite de sexta-feira. O gerente de Transporte Coletivo da Setran, Mauro Menegazzo, comenta que a licitação, programada para março, visa a resolver o problema. Solução antes que uma nova empresa, ou a mesma, receba a concessão pelos próximos vinte anos é improvável. "É um quebra-cabeça a ser montado, porque temos que checar a frota disponível", diz.
Desinformação
Quem usa o terminal urbano com pouca frequência fica desorientado ao buscar informações sobre o itinerário e os horários dos coletivos. A saída é recorrer aos passageiros e motoristas para descobrir o destino das linhas que partem do Centro rumo aos bairros. As placas indicativas instaladas no local são confusas e falta um mapa ou outro elemento gráfico para mostrar os trajetos.
"Aqui você nem sabe que circular vai parar", diz a auxiliar de serviços gerais Fabiana Cristina, apontando para onde ficava a placa da 021, a linha mais sobrecarregada da cidade.
Fabiana diz que a placa foi removida no ano passado. A reportagem constatou que os parafusos que restaram no chão enferrujaram. A placa tinha os horários da 021, que passa longe de ser pontual.
O relógio marcava 18h09 e o ônibus, que devia chegar às 18 horas, estava atrasado. Apareceu 15 minutos após o horário. A prefeitura também espera resolver os problemas de pontualidade por meio da licitação.
A falta de entusiasmo da população com o transporte coletivo de Maringá não é novidade. Em fevereiro de 2007, um relatório enviado pela Prefeitura de Maringá ao Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) apontou que o índice de satisfação dos usuários era de 35%.
O relatório enviado à sede do BID, em Nova Iorque, foi elaborado para que o município conseguisse o empréstimo de US$ 13 milhões - aprovado ano passado - para as obras de melhorias no trânsito da cidade, como a criação de corredores preferenciais para ônibus e a construção de novos terminais. Soluções que, assim como a licitação do transporte, devem começar a aparecer neste ano, avalia o governo municipal.

Embarques
2.900.000 é a quantidade de passageiros transportados, por mês, pela TCCC, em Maringá
125.000 é o número de pessoas transportadas por dia útil, nas linhas da cidade
18.935 pessoas usam o serviço da TCCC no horário de pico, das 6h45 às 7h44


READ MORE - Linhas do transporte coletivo estão superlotadas em Maringá

DF: Via Interbairros está entre as prioridades

Entra governo e sai governo e o projeto da Via Interbairros ainda não começou a acontecer. A via será alternativa de infraestrutura para desafogar o trânsito, visto que interligará o Plano Piloto com diversas áreas, como Guará, Águas Claras, Park Way e Samambaia.
A obra é um compromisso do atual governo. Mas no momento, por determinação do governador Agnelo Queiroz, serão priorizadas as obras que já estão em andamento.

Invasões na vida
Outra pendência a ser resolvida em relação à Interbairros será a remoção de estabelecimentos comerciais que se encontram instalados na área planejada para receber a via, como é o caso da CTIS e da concessionária Saga que ocupam o terreno público na ligação entre a via e a Epia. Segundo a Secretaria, as empresas já foram notificadas para deixar a área, mas até agora os estabelecimentos não foram removidos.

Clique para ampliar
Túnel em Taguatinga
Um túnel será construído em Taguatinga a partir do viaduto central próximo à EPTG até as proximidades do Córrego do Cortado . O túnel passará por baixo da Praça do Relógio e, segundo a Secretaria de Obras, é prioridade do GDF. “Os recursos estão sendo reivindicados junto ao Ministério das Cidades e a orientação do governador é de que seja feito todo esforço para que esta obra seja realizada”, informou a assessoria.

Ceilândia - Samambaia
Mais uma obra que pode ajudar a desafogar o trânsito no DF é a ligação direta entre Ceilândia e Samambaia com a construção de via próxima à entrada do Setor P Sul. Trata-se da DF-459 que, segundo a Secretaria de Obras, teve a licitação para alargamento da ponte reprovada pelo Tribunal de Contas do DF, paralisando as obras. A Secretaria de Obras informou que já desenvolve um novo projeto de licitação para retomar e concluir a obra.

Rapidez no transporte
Um estudo do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) revelou que a frequência com que a população do Centro-Oeste (onde está inserida Brasília) enfrenta tráfegos intensos se equipara à situação das regiões Sul e Sudeste, esta última frequentemente destacada em noticiários nacionais. Denominado Sistema de Indicadores de Percepção Social (SIPS), a pesquisa é feita pelo método
de amostragem de cotas.

READ MORE - DF: Via Interbairros está entre as prioridades

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960