BRT Rio realiza testes com energia solar na estação Bosque da Barra

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

A matriz energética brasileira, baseada em hidreletricidade, é considerada uma das mais limpas do mundo, mas a falta de chuvas tem obrigado o país a fazer uso intensivo da energia gerada em usinas termelétricas que, além de mais cara, não é tão “verde”, pois depende da queima de combustíveis fósseis.

O BRT Rio começa a testar uma alternativa 100% limpa e abundante em todo o Brasil: a energia solar. Placas e equipamentos solares foram instalados na estação Bosque da Barra para verificar a viabilidade técnica e econômica de sua adoção em maior escala. Os equipamentos serão utilizados inicialmente para iluminação da estação, alimentação de catracas e portas automáticas.

Aberta por pelos menos 20h, uma estação do BRT possui muitos equipamentos que consomem energia. Além dos citados, câmeras, máquinas de autoatendimento, porta de aço e sistemas da bilheteria elevam a média de consumo mensal para 3.300 kWh. Com a geração solar, o BRT Rio espera obter uma redução de pelo menos 30% na energia comprada junto à distribuidora. 

Além de reduzir a conta de consumo, a energia solar pode melhorar a segurança energética do BRT contra falhas no sistema elétrico tradicional. Os equipamentos também estão sendo testados quanto à sua rapidez para restabelecimento de energia na estação, já que eles incorporam a função de no-break. O circuito criado pela empresa goiana Macena Tecnologia, desenvolvedora do sistema, já oferece a energiaem forma alternada na saída, dispensando o uso de inversores. O custo de implantação fica menor e o retorno do investimento se torna mais rápido.

Mais do que uma questão de custos, o uso da energia solar é entendido pelo BRT Rio como uma medida de sustentabilidade inerente ao seu modelo de serviço. Um ônibus convencional, por transportar mais pessoas em menos espaço, polui dez vezes menos que um automóvel e 16 vezes menos que uma moto, segundo estudo da Associação Nacional de Transportes Públicos. Com o BRT, o ganho ambiental é triplicado, pois um ônibus articulado substitui três convencionais, não só por sua capacidade, mas pelas características do sistema BRT, como pista livre de congestionamentos e ajuste da oferta à demanda em tempo real. 

Bosque da Barra
Localizada a 400 metros do Bosque da Barra, uma das áreas verdes mais visitadas da zona oeste, a escolha da estação homônima é simbólica. O BRT é o melhor caminho para acessar os 50 hectares da unidade de conservação ambiental. O bosque é composto por vegetação de restinga e um local ideal para observação de aves, borboletas, capivaras, saguis e do bicho preguiça, além de jacarés-de-papo-amarelo que podem ser vistos em seus lagos. Suas alamedas são utilizadas para corridas e caminhadas e os gramados para piqueniques e outras atividades recreativas.

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960