Goiás tem o 5º transporte mais caro do Brasil

quinta-feira, 25 de janeiro de 2018

Levantamento realizado pelo Diário do Estado, revela que Goiás está entre as cinco cidades com transporte coletivo mais caro do Brasil. Goiânia, perde apenas para Campinas (SP) R$4,50; Jundiaí (SP) R$ 4,40; Curitiba R$ 4,25; Porto Alegre R$ 4,05; e Brasília R$ 4,00.

“Piada. Quatro reais é uma piada com a nossa cara”, essa é a descrição do carpinteiro Waldir Ferreira, 61 anos, em relação ao reajuste de R$ 3,70 para R$ 4,00 no valor da tarifa do transporte coletivo em Goiânia e região metropolitana, que começa a ser cobrado hoje. “Caro, inseguro, desconfortável e desumano. Pelo jeito que somos transportados, a passagem não deveria passar de dois reais.”, desabafa Renato Santana, vendedor autônomo, que faz pelo menos, três viagens por dia.

As consequências de um sistema de transporte coletivo caro e de baixa qualidade, vão além da questão de mobilidade urbana. Acabam por prejudicar o bolso, o corpo, a educação e a cultura do cidadão que sofre na pele os efeitos do estresse e da má qualidade de vida. A exemplo do carpinteiro, Luiz Mendanha Silva, 55 anos, que vivenciou inúmeras situações de risco e desrespeito no dia-a-dia do passageiro. “Pego oito ônibus por dia para ir e voltar do trabalho. Já caí ao descer do ônibus, porque o motorista não espera. Já fui assaltado. Já briguei com tarado querendo abusar de mulheres. Já perdi cliente por causa da espera pelo coletivo e já usei até guarda-chuvas dentro do ônibus para não molhar”, relata Luiz.

“O transporte público aqui é traumático. Não vale quatro reais nunca! Todos os dias acontece alguma coisa “ruim”, especialmente com quem está de pé, que além de se equilibrar, tem que ficar protegendo a bolsa de “malas” e o corpo dos tarados que ficam esfregando na gente”, conta a moradora do Parque Oeste Industrial, Solange Martins, 57 anos, que aproveitou os 40 minutos de espera, em uma parada de ônibus (porque o ponto de ônibus foi retirado há mais de dois anos e não foi substituído)-, na Avenida 24 de Outubro, para relatar um pouco de suas experiências à reportagem do Diário do Estado.

Manifestação na Praça da Bíblia

Indignados como o reajuste injusto e injustificável do bilhete, um grupo de passageiros afirma que haverá protestos contra o aumento da passagem, na manhã desta quarta-feira no Terminal Praça da Bíblia, região leste da cidade. “Todo mundo que entra no Eixo está sendo convidado para uma manifestação no terminal da Praça da Bíblia. Não podemos nos calar diante de tanta falcatrua e imoralidade. Precisamos mostrar que não concordamos. Que estamos insatisfeitos. ”, disse um jovem passageiro que articulava a ação durante viagem no Eixo Anhanguera, e pediu para não ser identificado.

O prefeito de Hidrolândia Paulo Sérgio de Rezende, que é presidente da Associação Goiana dos Municípios (AGM), achou absurda que a CMTC alegue que os municípios tenham de instalar abrigos para os passageiros do transporte coletivo. “Os municípios estão penalizados todas as responsabilidades que as prefeituras têm. As colocações de abrigos têm de ser por parceria. A CMTC pode doar os abrigos e as prefeituras darem a manutenção. Não podemos assumir mais esta responsabilidade”.

Por Patrícia Santana
Informações: Diário do Estado

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960