Definido início da implantação do BRT em Belém

quinta-feira, 2 de junho de 2016

Já estão na estrada, a caminho da capital paraense, os primeiros ônibus do sistema BRT Belém. São 15 veículos que, até o final deste mês, começam a operar na primeira etapa da fase experimental, com integração total e gratuita com linhas que trafegam na área de Icoaraci e Augusto Montenegro.

Nesta primeira etapa, os ônibus BRT Belém circularão do Terminal Mangueirão à estação Antônio Baena, com retorno em São Brás, com uma velocidade média de 25 a 50km/h pela canaleta exclusiva, num percurso com extensão total de 9,4km e com paradas nas estações localizadas em frente ao Mangueirão e próximo à Rua da Marinha e Entroncamento, além das estações na Almirante Barroso próximo à avenida Júlio César e à Antônio Baena, todas em construção. O serviço funcionará inicialmente no horário de 6h às 20h, sendo que a frequência média dos veículos BRT Belém nos horários de pico será de cinco minutos e, fora de pico, de oito minutos.

No Terminal Mangueirão, os ônibus BRT Belém terão inicialmente integração com as linhas Jardim Sideral-Dom Pedro II, C. Maguari – Ver o Peso (A. Barroso), Icoaraci – A. Barroso, Cabanagem – Ver o Peso, Águas Negras – São Brás, Tapanã – Ver-o-Peso, Tapanã II – Ver-o-Peso, Tapanã-Felipe Patroni, Cordeiro de Farias – Ver-o-Peso, Cordeiro de Farias – Pte Vargas, Canarinho / Tapajós – Ver-o-Peso e Tenoné – Pátio Belém, totalizando uma frota de 58 veículos. Dessa relação, as linhas Icoaraci-Almirante Barroso e Canarinho/Tapajós – Ver-o-Peso serão apenas alimentadoras, indo até o Terminal Mangueirão para fazer a integração e depois retornando à origem. As demais serão no modelo expresso, ou seja, vão entrar no Terminal Mangueirão, fazer embarque e desembarque de passageiros lá e seguir viagem expressa, sem parada, pela canaleta do Mangueirão até São Brás, de onde seguem até seus respectivos destinos no centro de Belém.

‘Neste início de fase experimental não vamos tirar nada e sim somar, dando à população mais uma opção de viagem pagando apenas uma passagem. O usuário pode seguir de expresso do início ao fim do trajeto, pode fazer a integração com o BRT Belém e desembarcar em uma das estações da Augusto Montenegro e Almirante Barroso, pode fazer a integração entre ônibus alimentadores e entre expressos e alimentadores no Terminal Mangueirão ou mesmo optar por seguir viagem normalmente no ônibus parador, que é como chamamos aquele que vem do lado de fora da canaleta’, explica Gilberto Barbosa, diretor geral da Superintendência Executiva de Mobilidade Urbana de Belém, órgão que irá gerenciar o sistema.

Ao optar pelo BRT Belém, o usuário tem a vantagem, nesta primeira etapa, de fazer a viagem do Mangueirão até a Antônio Baena com conforto, pois os veículos têm 104 lugares, são refrigerados e possuem sistema Wi-Fi gratuito, além de ter um ganho no tempo de viagem, já que a logística do BRT faz o percurso em tempo reduzido. Se a escolha for por um dos expressos que fazem a integração no Terminal Mangueirão também há ganho de viagem, pois os ônibus que atualmente se tornam expresso apenas do Entroncamento até São Brás farão o percurso expresso desde o Mangueirão, com ganho de até 20 minutos. Isso tudo sem contar com o fato de que, uma vez dentro do Terminal Mangueirão, o usuário pode fazer a integração em qualquer uma das linhas que desejar.

‘O usuário pode vir num ônibus expresso e trocar por um BRT ou por outro expresso, ou até mesmo pode pegar um alimentador e retornar à origem, tudo com uma única passagem. Esse último caso vai beneficiar, por exemplo, quem está em um dos conjuntos, como Sideral, e quer ir para Icoaraci. Com uma passagem a pessoa pode sair do conjunto em um dos expressos, descer no Terminal e pegar um ônibus que esteja seguindo rumo a Icoaraci’, comemora Gilberto.

A passagem poderá ser paga nos ônibus expressos e alimentadores, em uma das estações ou dentro do Terminal Mangueirão. ‘O pagamento será feito na origem do usuário. Se ele iniciar a viagem em um ônibus comum pagará a passagem no ônibus. Se for na estação ou no terminal, o serviço será pré-pago na entrada, não haverá a figura do cobrador dentro do BRT Belém. Uma vez dentro do sistema ele pode circular de forma universal e gratuitamente fazendo os transbordos’, detalha. Em todos os casos o Vale Digital, o Passe Fácil Estudantil e as gratuidades previstas em lei serão preservadas e tanto o terminal quanto as estações terão acessibilidade para idosos e deficientes físicos (inclusive o embarque e desembarque do BRT Belém nas estações e terminal será em nível, sem degraus).  

Serviço experimental

O caráter experimental de um serviço BRT é uma prática adotada em todas as cidades onde o modelo é implantado. Serve, entre outros motivos, para que a população e os operadores do sistema se acostumem com o novo fluxo viário, correções estruturais sejam realizadas caso necessário, e o sistema vá sendo ampliado ao longo do tempo, com a inserção de novas linhas alimentadoras, aumento da quantidade de estações, etc.

‘A fase experimental é regra, porque não é possível que o sistema durma de um jeito e acorde de outro, ainda mais em Belém, onde vivemos um modelo de sistema em vigor há cerca de 40 anos e que agora vai começar a mudar. Isso tem que ser feito de forma responsável, por etapas’, justifica o diretor geral da Semob. 

Informações: ORM News

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960