Conheça 11 curiosidades sobre as linhas de ônibus de Manaus

domingo, 17 de janeiro de 2016

transporte público coletivo de Manaus tem inúmeras curiosidades e fatos que são desconhecidos pelos usuários. O Portal Amazônia pediu ajuda do idealizador do projeto "Na Parada Manaus – Guia do Transporte Coletivo", Diego Araújo, para organizar 10 curiosidade das linhas ônibus para você, confira. 
Manda Brasa?

Foto: Sandro Franco/Colaborador Na Parada


Muita gente já deve ter se perguntado o que seria: Manda Brasa. Esse destino consta no itinerário da Linha 111, pertencente ao bairro Santo Antônio. Seria uma rua? Um bairro? Na verdade, há muito tempo, os moradores dividiram o bairro em três etapas, dando nome a cada uma delas de acordo com suas características: o Santo Antônio Manda Brasa que era a parte do bairro próxima da antiga casa de show "Manda Brasa" , o "Santo Antônio Igreja" que é a área próxima a igreja de Santo Antônio e "Santo Antônio Areal" era em um local onde se tinha muita areia.
É tudo por zona!
Logo quando os coletivos passaram a ser conhecidos por numeração (ainda nos anos 90) pensou-se em uma categorização por tipos de linhas e zonas da cidade. Cada zona receberia um prefixo de numeração dos respectivos bairros e, ainda hoje, alguns mantém-se e outros foram adequados e começaram a fugir do padrão estipulado.
Linhas Circulares: 001-016
Linhas alimentadoras (levam do bairro até terminais do extinto Expresso): 028-095
Zona Oeste: Entre 100-200
Zona Centro-oeste: Entre 100-200
Zona Norte: Linhas Ente 300-400
Zonas Leste: Entre 500-600
Zona Centro-Sul: Grande maioria 500
Zona Sul: Entre 600-700
Aqui você entra de graça!

Foto: Sandro Franco/Colaborador Na Parada


Existem algumas linhas na cidade onde o usuário não precisa pagar a tarifa. São as chamadas de integração ou coletoras, ou seja, são responsáveis em transportar as pessoas a partir de locais próximos ou entre terminais de integração. São elas: Integração T1-T2, Integração Ufam e Coletora Parque Santa Etelvina.
Cadê o cobrador?
Tem aquelas linhas que não possuem cobradores, como e o caso da 003, 050, 402, 403 e 502. São linhas especiais que contam, na maioria das vezes, com baixa demanda de usuários e possibilita ao motorista assumir a dois papéis simultaneamente.
Diz que vai, mas não vai
E quando o itinerário diz que vai para um local e a linha não passa nem perto? Complicado né? Pois é, temos alguns casos pontuais:
No itinerário da Linha 010 conta como título ‘Norte Sul’, porém a mesma não passa em nenhum bairro localizado na zona Norte da capital, mas o nome se popularizou e permanece até os dias de hoje.
A linha 040 deixou a anos de atender ao núcleo 7 da Cidade Nova, mas mesmo assim até hoje ele consta como trajeto único e principal
A linha 519 não entra mais no Conjunto Acariquara (São José), mas será sempre a ‘’aquariquara’’, porém a linha não circula mais no conjunto há anos.

Foto: Sandro Franco/Colaborador Na Parada


Muita gente desconhece a ‘’Ponte da Bolívia’’, destino que consta na linha 305. Porém, o antigo balneário da cidade localizado antes da barreira no bairro Santa Etelvina hoje faz parte da comunidade União da Vitória.
Um vai e o outro vem!

Foto: Sandro Franco/Colaborador Na Parada


As linhas interbairros – 001 e 002 e as circulares 014 e 016 que são aquelas que operam em inúmeros bairros da cidade fazem trajetos opostos, ou seja, enquanto uma vai, a outra volta por praticamente o mesmo trajeto. Já pensou se elas fizessem o mesmo trajeto de ida e volta?
A e B?
Existem as linhas que recebem a mesma numeração mas possuem dois trajetos distintos em alguma parte de seu itinerário como é o caso por exemplo das Linhas 600 e 126. Esse tipo de linha recebe o subtítulo de Linha ‘A’ e Linha ‘B’
Ex: 600-A: T4/T5/ Aleixo/ Centro via Av. Major Gabriel
600-B: T4/T5/ Aleixo/ Centro via Av. Boulevard Álvaro Maia
Colônia Japonesa: Onde é?

Foto: Sandro Franco/Colaborador Na Parada


Muita gente não sabe onde está localizada a Colônia Japonesa – destino final da Linha 430. Na verdade trata-se de um antigo sítio localizado na AM-010. Porém, no bairro Coroado existe outra Colônia Japonesa por onde passam as Linhas 461 e 900, onde na verdade se chama originalmente como Colônia Cachoeira Grande.
Elas existem sim!

Foto: Sandro Franco/Colaborador Na Parada


Existem linhas que demoram tanto que os usuário passam a tê-las como lendas urbanas, são coletivos que operam apenas em horários de pico e contam com poucos carros de viagem. Como é o caso da Linha 900 que foi criada para atender aos trabalhadores da construção civil da área da Avenida das Torres e da 714 que atende a Vila da Felicidade (Mauazinho) e conta com apenas um coletivo e opera apenas em dias úteis.
Estação dentro do Shopping?
Na zona Norte de Manaus um shopping abriga nas dependências um terminal de ônibus, algo mais prático e seguro para os usuários. Linhas 034, 301, 355, 455 e 458.
Ué, voltaram?
E quando as linhas são extintas e voltam de novo com a mesma numeração e outra roupagem? É o caso por exemplo:
Linha 447 antiga Aliança com Deus e hoje Amazonino Mendes
Linha 036 antiga Manôae hoje Santo Agostinho
Linha 408 antiga Nossa Senhora de Fátima e hoje Areal do Mindu
Linha 041 antiga Oswaldo Frota e Hoje Viver Melhor
Linha 541 antiga Adrianópolis e hoje Ouro Verde
Linha 679 antiga Jorge Teixeira e hoje Cidade de Deus
Colaborou, Diego Araújo (Idealizador do Projeto Na Parada Manaus – Guia do Transporte Coletivo)
Diego Araújo, especial para o Portal Amazônia


Colabore com o Blog Clicando nos anúncios da página

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960