Empresas são escolhidas para atuar no transporte coletivo em Porto Velho

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Duas empresas foram escolhidas para atuar em um período emergencial no transporte coletivo de Porto Velho, já que a empresa Ocimar Transportes não cumpriu o prazo estabelecido no contrato. O novo contrato deve ser assinado nesta terça-feira (10), na prefeitura, e em um prazo de até 60 dias devem assumir o transporte coletivo da capital de Rondônia, com um total de 180 veículos.
Novas empresas terão prazos de 60 dias para apresentarem a nova frota em Porto Velho (Foto: Ísis Capistrano)
As empresas Ideal Transportes, de Porto Velho, e Amazon Tour, do Amapá, são as escolhidas, e segundo o secretário municipal de transportes e trânsito, Carlos Gutemberg, na tarde desta segunda-feira (9) foram homologados os contratos e revisados pela Procuradoria Geral do Município (PGM).

De acordo com um dos empresários, Adelio Barafaldi, cada empresa entrará com 50% da frota, que deve ser composta por dois ônibus articulados com capacidade para 160 pessoas com ar condicionado, sete micro-ônibus com ar condicionados que atuaram em rotas de curta distância, 10 ônibus executivos com ar condicionados que atuarão em rotas especiais (como shopping e universitário) e 159 ônibus convencionais, completando a frota de 180 veículos.

Ainda conforme o empresário, serão instalados mais dois terminais, um no centro e outro na Zona Leste da cidade, e algumas rotas serão adaptadas para os novos ônibus.
"Nossa intenção é trazer transporte de qualidade para a cidade. Outro diferencial são as rotas, que terão algumas alterações, para melhor atender a população. Uma das ideias é desafogar o centro retirando a passagem obrigatória dos ônibus da avenida Sete de Setembro, no centro da cidade, mas reuniões ainda serão realizadas para estes detalhes serem definidos", explicou Adélio.

O secretário Gutemberg afirmou que a cidade possui estrutura para os novos ônibus e que as rotas para os dois ônibus articulados estão pré-definidas. "Duas rotas foram bem desenhadas, onde esses ônibus passarão por avenidas como Calama, Farquar, Sete de Setembro e Nações Unidas. Os terminais, são propostas das empresas, mas acreditamos que só vale a pena serem implantados após os projetos serem reavaliados e no caso de uma concessão, onde as empresas deixarão de ser emergenciais", declarou.

Mão de obra
Os trabalhadores das empresas Três Marias e Rio Madeira passarão por uma seleção e exames médicos para serem qualificados dentro das novas empresas. De acordo com Adelio, a mão de obra será aproveitada. "Se tem mão-de-obra na cidade pra quê vamos trazer de fora? Vamos aproveitar  o máximo de trabalhadores, porque eles já estão acostumados e principalmente capacitados para o serviço", afirmou.

Propostas
Durante a negociação, uma terceira empresa fez propostas para participar do processo de contratação emergencial, porém, segundo Gutemberg, a proposta não atendia aos requisitos da prefeitura.
"Na primeira proposta a empresa pediu uma prorrogação do consórcio até 2019. Na segunda proposta, ele queria absorver todo o sistema atual, mas isso também não convém. Pedimos uma terceira proposta que até agora não nos foi apresentada, ou seja, ele se retirou e desistiu de participar do processo", contou.

O secretário disse ainda que o empresário entendeu que seria uma concessão, e não um processo emergencial. "Ora, posteriormente haverá um novo processo licitatório. Se ele quiser participar aí sim poderá fazer outros tipos de propostas que não cabem na contratação emergencial. Além de mais, depois descobrimos que esta mesma empresa já possui problema e dívida na Justiça. Não queremos isso", concluiu.

Por Mary Porfiro
Informações: G1 RO

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960