Em Curitiba, Rede metropolitana deixará de aceitar cartão transporte da Urbs

terça-feira, 21 de julho de 2015

O cartão-transporte confeccionado pela Urbs e aceito em todas as linhas de ônibus circulantes em Curitiba e Região Metropolitana está com os dias contados para os usuários das linhas metropolitanas. A partir do dia 5 de agosto, um novo sistema de bilhetagem eletrônica (Metrocard) será implementado na RMC e deve substituir tanto o vale-transporte de papel quanto o cartão hoje válido para o transporte coletivo municipal e metropolitano integrado. Como o sistema de transporte urbano de Curitiba foi desintegrado da rede metropolitana, quem utiliza ônibus das duas redes, terá de carregar dois cartões diferentes.
Gerson Klaina/Tribuna do Paraná
A mudança da bilhetagem eletrônica vai afetar 11 municípios da RMC (Almirante Tamandaré, Rio Branco do Sul, Araucária, Contenda, Campo Largo, Colombo, Fazenda Rio Grande, Mandirituba, Pinhais, Piraquara e São José dos Pinhais) e 137 linhas integradas.

Vale lembrar que as linhas metropolitanas não integradas já utilizam o Metrocard, porém, esse cartão antigo será aceito apenas nas linhas em que já opera, ou seja, usuários que utilizam ônibus da rede metropolitana integrada e da rede metropolitana não integrada também terão de carregar dois cartões diferentes. Pagamento em dinheiro continuará sendo aceito em todas as linhas.

A implantação do novo sistema cabe às operadoras do transporte público da RMC, que constituíram a Metrocard, associação representante das 17 empresas envolvidas na operação do sistema. Segundo a Metrocard, a nova bilhetagem eletrônica será custeada pelas concessionárias e não terá impacto sobre a planilha de custos da tarifa.

Vales de papel

Hoje, quem utiliza a rede metropolitana integrada de transporte coletivo paga pela viagem com o cartão-transporte da Urbs ou com o vale de papel. A comercialização do VT de papel será encerrada até o dia 6 de agosto. Mas, ao contrário do cartão da Urbs, cuja validade expira no início de agosto, os “passes” serão aceitos até o fim do ano (31 de dezembro). Vale lembrar que, após o período de transição, os vales de papel não poderão ser trocados por dinheiro.

E o cartão da Urbs?

Usuários que utilizam o sistema metropolitano com passagens compradas no cartão da Urbs não perderão os créditos. Os valores ainda poderão ser usados em estações, terminais e ônibus de Curitiba. De acordo com a Urbs, os créditos manterão o valor do dia da compra por cinco anos – isso significa que quando o cartão é passado no validador, é descontado o valor da passagem vigente no dia da compra e não o valor reajustado.

Informação

De acordo com a Metrocard, responsável pela operacionalização da bilhetagem eletrônica, entre as novidades que o novo sistema trará está a possibilidade de os passageiros acompanharem, em tempo real, a localização dos veículos, pontos de embarque e previsão de chegada do próximo ônibus. Todas essas informações serão disponibilizadas via aplicativo para celular que deverá ser lançado mais para frente.

Segurança

Em caso de roubo ou extravio do cartão, o usuário não perde os créditos. Basta solicitar o bloqueio do cartão para que o sistema recupere os créditos não utilizados. Passageiros beneficiários de gratuidades contarão com um sistema de biometria facial, para que se verifique se o cartão pertence mesmo ao usuário portador (apenas esses usuários terão de passar pela biometria).

Por Carolina Pompeo
Informações: Gazeta do Povo

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960