Usuários do BRT Transoeste sofrem com superlotação

quarta-feira, 18 de março de 2015

O trajeto do BRT entre o terminal da Alvorada, na Barra da Tijuca, e o bairro de Santa Cruz, vem sendo complicado para os passageiros, que já enfrentam dificuldades no início da manhã. Ônibus lotados, falta de ar condicionado e dificuldades para embarcar dão a tônica para os moradores da região, que enfrentam uma viagem de 1h10.

Alguns estudantes, por exemplo, ainda não receberam o Riocard, que dá gratuidade no transporte público. As aulas começaram no dia 8 de fevereiro.

A direção da escola onde estudam deu a eles uma declaração em papel atestando que os adolescentes estão matriculados. O documento deveria ser apresentado ao motorista e os estudantes liberados de pagar a pasagem. Mas, na pratica, isso nem sempre funciona. Mesmo após apresentarem a declaração, o grupo não conseguiu embarcar.
“A gente tem a declaração da escola e os onibus não aceitam. Segundo eles, a empresa falou que se pararem pro estudante vão perder a cesta basica. e o site sempre dá inválido”, afirmou Ana Julia Oliveira Nascimento, estudante.

Kaique Gonçalves conta que, para não perder aula,está pagando a pasagem normalmente. “Minha tia tá me ajudando. Há vezes que trabalho com minha tia so pra comprar passagem. Muitas vezes nem vou nas aulas”, contou.

Em nota, A Secretaria Municipal de Transportes reconhece que há um aumento da demanda e com isso determina constantes reajustes no sistema a fim de garantir mais conforto à população. As fiscalizações são constantes (somente em 2014 foram emitidas 326 multas ao BRT). No final do ano passado, a Prefeitura determinou a aquisição de 10 ônibus articulados, a fim de aumentar a capacidade de transporte e reduzir os intervalos no horário de pico. A aquisição foi cumprida.
O consórcio que opera o sistema tem de garantir intervalos curtos de forma a evitar a superlotação, sobretudo nos horários de maior frequência.

De acordo com a fiscalização, os intervalos regulares nesse sistema têm sido, em média, de seis (6) minutos. Quanto ao ar-condicionado das estações, elas foram projetadas para que os usuários ficassem poucos minutos dentro delas, portanto, não expostos ao calor em excesso. Além disso, elas foram projetas para garantir mais ventilação. Já os ônibus da frota do BRT todos possuem ar-condicionado.

Também em nota, o BRT diz que a estação Santa Cruz é a hoje a terceira de maior movimento no corredor Transoeste e, além de sua demanda natural, recebe também passageiros oriundos de trechos atendidos por outras estações que preferem embarcar no sentido contrário com destino a Santa Cruz de onde eles pretendem seguir viagem para Barra e Recreio. O BRT ressalta ainda que há pessoas que entram sem pagar invadindo as estações e sobrecarregando o sistema.

Informações: G1 Rio

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960