BRT de Sorocaba não saiu do papel, mas Urbes já pensa em ampliação

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Apesar do sistema Bus Rapid Transit (BRT) em Sorocaba ainda não ter saído do papel, a Urbes - Trânsito e Transporte já pensa na ampliação do sistema de corredores de ônibus rápidos que, segundo o diretor-presidente da entidade, Renato Gianolla, deve estar funcionando a partir de 2016. Gianolla está pleiteando uma verba de R$ 3 milhões para a realização de dois estudos: a ampliação do BRT e para a implantação do veículo leve sobre trilhos (VLT).

O diretor da Urbes espera que entre o final deste ano e o início de 2015 a verba seja liberada pelo Ministério das Cidades. Ele explica que os recursos pleiteados são do Plano de Aceleração do Crescimento (PAC) 50 que tem cerca de R$ 50 milhões para projetos de mobilidade. Apesar do BRT ainda não estar funcionando Gianolla acredita que o estudo de ampliação do sistema será aprovado. "Eles estão pedindo mais informações para a gente. É normal nessas questões de financiamento termos de esperar ainda mais que este é um ano eleitoral", argumenta. No estudo para a expansão do BRT a avenida Independência seria um dos corredores contemplados com os corredores de ônibus.

De acordo com os projetos de implantação do BRT serão cerca de 35 quilômetros de corredores de transporte coletivo, nos quais se incluem as paradas e os terminais urbanos. A linha norte/sul terá início nas avenidas Ipanema e Itavuvu e passará pelas ruas Comendador Hermelino Matarazzo, Comendador Oeterer, região central, Padre Luiz, Barão de Tatuí até a avenida Antonio Carlos Comitre. Já a leste/oeste será formada pela avenida São Paulo, Centro, General Carneiro e Armando Pannunzio. O investimento inicial previsto gira em torno dos R$ 190 milhões em infraestrutura, que se somará ao serviço de transporte coletivo já existente. O município já conta com financiamento aprovado pelo Governo Federal por meio do PAC-2 da Mobilidade para investimentos nessa modalidade de infraestrutura pública.

Veículo leve sobre trilhos

Parte do valor pleiteado pela Urbes para o Ministério das Cidades será usado no estudo de viabilidade de implantação do VLT em Sorocaba. Gianolla adianta que caso a concessionária América Latina Logística (ALL), que faz transporte ferroviário de cargas na região, faça o contorno ferroviário desviando a linha férrea da área urbana, Sorocaba vai requerer os trilhos que já estão instalados para realizar transporte em massa.

"O estudo é para a viabilidade do VLT no eixo ferroviário que sai de George Oeterer até Brigadeiro Tobias", adianta Gianolla. Segundo ele o estudo também vai analisar a viabilidade de interligar o VLT com o eixo norte e sul do BRT. Entre outras coisas também será avaliada a demanda dos passageiros que circulam pelos trechos atendidos pelos trilhos que atualmente são usados para transporte de carga. Gianolla compara o VLT a um metrô de superfície.

Por Carolina Santana

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960