Linha 4 do metrô do Rio inaugura estação interativa que mostra futuros terminais

segunda-feira, 4 de agosto de 2014

Uma estação interativa com recursos tecnológicos foi inaugurada nesta sexta-feiira (1º) pelo Consórcio Linha 4 do metrô, na Fundação Planetário, na Gávea, zona sul do Rio. O espaço permite ao visitante conhecer os futuros terminais de passageiros e túneis da Linha 4 do Metrô no trecho entre a Barra da Tijuca, na zona oeste, e a Gávea. A estação armazena imagens em 3D, maquete das obras, tela interativa, além de imagens que mostram cada etapa da obra. A visita é gratuita e pode ser feita de segunda a sexta-feira, das 7h30 às 17h30.

A estação virtual vai mostrar o método de escavação e cada etapa do processo construtivo entre a Barra e a Gávea, em uma linha de tempo feita com registros fotográficos de como ocorrem as detonações controladas em rocha para a abertura dos túneis; a construção das plataformas; acessos de passageiros; instalação dos trilhos. O projeto foi montado que o usuário possa entender e acompanhar as obras que acontecem em baixo da terra.

De acordo com o secretário de Estado da Casa Civil, Leonardo Espíndola, essa aproximação com a população também é importante para prestar contas sobre os recursos que estão sendo usados na obra. "A estação interativa serve também para que a população tenha conhecimento sobre a tecnologia que está sendo empregada, os recursos que estão sendo empregados e a seriedade com que a obra está sendo feita", disse, acrescentando que o projeto de levar o metrô até a Barra da Tijuca era um sonho antigo da população e é um projeto que saiu do papel e está evoluindo.

Espíndola disse ainda que "a obra ficará pronta até o primeiro semestre de 2016, cumprindo um compromisso do governo do Estado do Rio de Janeiro com os jogos Olímpicos".

O subsecretário de projetos especiais da Casa Civil, Rodrigo Vieira, disse que falta apenas 1,5 quilômetro (km) para finalizar a etapa em rocha. "Já fizemos 9,5 km de túnel escavado e estamos muito focados em entregar essa obra para operação da cidade toda. Isso vai mudar a mobilidade da cidade do Rio de Janeiro, vai unir a zona oeste à zona sul e vai mudar o padrão de deslocamento. A gente sabe que vai mudar também o padrão de qualidade de vida da população", explicou.

Em maio deste ano, houve um acidente na obra da construção da Linha 4 que provocou um assentamento de solo e a abertura de duas crateras entre as ruas Teixeira de Melo e Farme de Amoedo. Segundo o consórcio, "em nenhum momento a população ou as edificações estiveram em risco. A situação está normalizada e o serviço de tratamento do solo está sendo feito para devolver a compressão ao subsolo das ruas afetadas".

Na última segunda-feira (29) o promotor do Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ), José Alexandre Maximino Mota, participou de um debate na Sociedade dos Engenheiros e Arquitetos do Estado do Rio de Janeiro (Seaerj), sobre os impactos causados pela obra nos imóveis na zona sul do Rio de Janeiro devido ao acidente nas obras da Linha 4 do metrô.

Informações: DCI

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960