BRT Salvador leva da Lapa ao Iguatemi em 16 minutos

domingo, 1 de junho de 2014

Dezesseis minutos é o tempo estimado de percurso que o Bus Rapid Transit (BRT) vai fazer do Iguatemi até a Estação da Lapa, segundo o Coordenador do Projeto, Roberto Mousalas.
Foto: Orkut
Os dados foram apresentados nessa sexta-feira (30/5) em audiência pública. O Estudo de Impacto Ambiental (EIA) e o Relatório de Impacto Ambiental (RIMA) do projeto Corredores do Transporte Público Integrado (BRT) Lapa-Iguatemi mostraram esboços que levantaram os aspectos ambientais, de vegetação, fauna, ocupação humana e socioeconômica da área a ser percorrida pelo sistema de transporte rápido.  

O secretário municipal de Urbanismo e Transporte, Fabio Motta, explicou como funcionará o projeto. “Nós vamos ter uma ligação direta, saindo da Lapa e indo ao Iguatemi, pelo BRT, que são ônibus compactos, climatizados. Teremos viadutos no Lucaia, no Iguatemi, no Parque da Cidade com uma perna que sai na Tancredo Neves. A população que usa o carro particular vai poder sair da Garibaldi para o Iguatemi, sem pegar uma sinaleira. E a população que usa o transporte público vai poder sair da Lapa até o Iguatemi, em 16 minutos. Com todo conforto, padrão de excelência.”

A implantação do projeto vai permitir que os 8,6 km que ligam as avenidas sejam percorridos em um tempo mínimo. Além disso, o sistema BRT será integrado com mais dois corredores que ligam a Pituba a Orla e outro do Comércio a Pituba.

O BRT é um dos projetos feitos para resolver o problema de mobilidade urbana da cidade. O investimento de R$ 800 milhões já tem previsão para ser concluído, conforme Motta. “A Caixa Econômica Federal já recebeu as autorizações do Ministério das Cidades. Nós esperamos no segundo semestre, abrir a licitação da construção da obra. A média é de 60 meses para a implantação de todo o projeto, começando com os viadutos, e em no máximo dois anos começar a implantar o sistema BRT em Salvador”, relatou.

A estimativa é de que 35 mil pessoas por hora utilizem o corredor exclusivo do transporte rápido. Apesar disso, os impactos ambientais preocupam estudiosos.

O diretor ambiental, da SEMUT, Emanuel Mendonça, falou sobre o assunto. “Os impactos ambientas, são totalmente mitigáveis. Claro que sempre existem impactos, mas acreditamos que o projeto terá toda a condição de ter o seu licenciamento, seguindo o fluxo normal conforme previsto na legislação federal, estadual e municipal.”

Estações
O projeto prevê a criação de nove estações. Quatro delas referentes às regiões do Dique, HGE, Ogunjá e Rio Vermelho, estarão localizadas na Avenida Vasco da Gama. As outras cinco estarão na Lucaia, Ceasa, ACM, Hiper e Iguatemi.

Além de viadutos na Garibaldi, Parque da Cidade e no Iguatemi, que integrarão outros corredores, o projeto ainda vai contemplar ciclovias e áreas verdes.

Pelo BRT  o fluxo será contínuo, com ausência de cruzamento e de semáforos.

por Cheyenne Guerreiro

3 comentários:

jsilva disse...

Por que este trajeto final igual ao Metrô (Lapa/Iguatemi)?
Por que eles simplesmente não complementam as principais estações do Metrô, como por exemplo, um BRT da estação do Metrô Iguatemi até a Pituba via ACM/Itaigara ou Magalhães Neto, e uma da estação Metrô Lapa para o Rio Vermelho via Vasco da Gama ou Garibaldi?

jsilva disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Jorge Carvalho disse...

Eu também não sei pra quê isso. O mesmo percurso, em que o metrô faz ainda mais rápido (14 min).

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960