BHTrans quer triplicar pistas exclusivas e preferenciais de coletivos até 2020

terça-feira, 30 de janeiro de 2018

Grandes vias de Belo Horizonte vão receber pistas exclusivas e preferenciais para ônibus nos próximos dois anos. A meta é criar 87,5 quilômetros de faixas para reduzir o tempo de deslocamento. O número é quase o triplo dos atuais 32 quilômetros. Hoje, 40% dos moradores das capitais do Sudeste, incluindo os da mineira, dizem ficar mais de duas horas no trânsito todos os dias. 
Imagem: Pedro Gontijo

Para a diretora de planejamento e informação da BHTrans, Elizabeth Gomes, o tempo de deslocamento está diretamente relacionado ao aumento de veículos na cidade. Por isso, a principal estratégia para reverter o quadro é o estímulo ao uso do transporte coletivo, bicicletas e até caminhadas para percursos mais próximos.

O esperado pela BHTrans é que o aumento da velocidade dos coletivos estimule as pessoas a deixar carros na garagem, reduzindo os congestionamentos. Dentre as avenidas que terão as mudanças, a Amazonas (entre a Praça Raul Soares e o Anel Rodoviário) é a que está com os trâmites mais avançados, segundo Elizabeth Gomes. 

Lá, já existem estudos de viabilidade técnica e o planejamento dos pontos onde serão necessárias obras e reformulação do tráfego, como impedimento de conversões à direita. As intervenções nos 7,5 quilômetros ainda estão pendentes de financiamento para bancar os R$ 20 milhões necessários. 

Para fazer o projeto dos outros 80 quilômetros serão necessários mais R$ 8 milhões. O valor das obras será definido posteriormente. Estão incluídas no planejamento da BHTrans avenidas como a Nossa Senhora do Carmo, Afonso Pena, Portugal, Andradas e Abílio Machado. Todas com implantação até 2020.

Soluções

Para o especialista em transporte e trânsito Márcio Aguiar, a segregação de pistas é um “bom paliativo”, pois não resolve a falta de mobilidade na capital. “A instalação de pistas exclusivas vai trazer melhorias, mas em vários pontos da cidade as vias não comportariam a segregação. Então, teremos pontos de afunilamento e congestionamento que permanecerão atrasando as viagens”, afirma.

Para o professor do departamento de engenharia de transporte do Cefet-MG, Guilherme de Castro Leiva, a solução definitiva passa pela descentralização dos serviços e comércio, o que já vem ocorrendo na capital. Assim, diz ele, as pessoas não precisariam se deslocar por grandes distâncias para realizar atividades diárias. Além disso, o professor defende melhorias no transporte público, como ampliação do metrô e linhas do Move.

Enquanto a solução não chega, a diarista Francisca Izabel da Silva, de 55 anos, pega seis ônibus diariamente para trabalhar. Sai de casa às 5h e volta apenas às 17h. “Fico umas quatro horas dentro do ônibus todo dia, somando a ida e a volta. É praticamente outro expediente. Muitas vezes em pé, porque os ônibus estão sempre lotados”, afirma. 

Pesquisa

Além dos 40% que gastam mais de duas horas no trânsito todos os dias, o levantamento recente feito pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC) e Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL-BH) aponta que apenas 13% das pessoas gastam menos de meia hora nos deslocamentos para atividades diárias. “A pesquisa mostra uma realidade das quatro capitais, mas BH puxa a média para cima porque não tem a estrutura de metrô tão consolidada como Rio de Janeiro e São Paulo”, afirma o vice-presidente da CDL-BH, Marcelo de Souza Silva.

Veja onde elas estão atualmente: 

Faixas exclusivas

- Avenida Nossa Senhora do Carmo, entre Rua Valparaíso e Avenida do Contorno, neste sentido;
- Avenida Nossa Senhora do Carmo, entre Rua Outono e Rua Valparaíso, neste sentido;
- Rua Padre Belchior, entre Avenida Amazonas e Rua Curitiba, neste sentido;
- Rua Padre Belchior, entre Rua São Paulo e Rua Curitiba, neste sentido;
- Avenida Augusto de Lima, entre Rua Curitiba e Avenida João Pinheiro, neste sentido;
- Avenida Augusto de Lima, entre Avenida João Pinheiro e Rua São Paulo, neste sentido;
- Avenida João Pinheiro, entre Rua dos Guajajaras e Rua Goiás, neste sentido;
- Avenida Professor Alfredo Balena, entre Rua Padre Rolim e Praça Hugo Werneck, neste sentido;
- Avenida Professor Alfredo Balena, entre Praça Hugo Werneck e Rua Pernambuco, neste sentido;
- Avenida Pedro II em toda sua extensão;
- Avenida Carlos Luz, em toda sua extensão;
- Avenida Cristiano Machado, entre o Anel Rodoviário e a Avenida Vilarinho;
- Rua Goiás, entre Avenida João Pinheiro e Rua dos Guajajaras;
- Avenida Vilarinho, da Estação Venda Nova até a Av. Cristiano Machado;
- Viaduto Leste, do início do túnel até Avenida do Contorno;
- Avenida Antônio Carlos

Faixas preferenciais

- Rua Tupis, entre Paraná e Rio Grande do Sul
- Av. Amazonas
- Av. Tereza Cristina
- Av. dos Andradas
- Rua Araguari
- Rua Niquelina,  entre as  Avenidas Mem de Sá e Contorno;
- Rua Padre Eustáquio, desde a interseção com a Avenida Nossa Senhora de Fátima até a Rua Vila Rica;
- Rua Pará de Minas, em toda sua extensão.

Informações: Hoje em Dia

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960