Em Porto Alegre, Ônibus poderão ser monitorados por GPS

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

O deslocamento dos ônibus da linha T12, que atende a Restinga, poderá ser acompanhado em tempo real a partir de segunda-feira. Os usuários terão a possibilidade de acompanhar, pelo site da prefeitura de Porto Alegre, a localização dos veículos e a previsão de horário que chegarão às paradas.

Em março, deve ser lançado um aplicativo de celular que concentrará essas informações, entre outros serviços. A promessa do diretor técnico da Procempa, Michel Costa, é de que cinco linhas da Carris estejam operando com GPS até o final do mês que vem. Os trajetos estarão disponíveis no Moovit, app que já funciona com dados planejados e passará a utilizar as informações em tempo real. Outras plataformas que desejarem utilizá-las também terão acesso liberado pelo poder público.

Para gerenciar as informações capturadas pelos equipamentos nos ônibus (inicialmente, nos 15 veículos da linha T12), a Procempa conta com uma sala de "big data" (um grande conjunto de dados), onde armazenará e controlará o material referente à mobilidade urbana. É de lá que dois engenheiros de tráfego da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) e dois cientistas de dados da Procempa farão a análise estatística.

— A gestão de dados é prioridade, porque nos ajuda a melhorar o planejamento e a redução de custo. Sabe-se que existe muita fraude em todo o sistema de mobilidade. Quando se tem análise de dados, menores são as chances de elas existirem — analisa Costa.

Outras centrais também receberão os dados: as garagens, para o trabalho operacional; o Centro Integrado de Comando da Cidade de Porto Alegre (Ceic), para traçar estratégias e fazer gestão de crise; a EPTC, para gerenciamento e controle; e a Procempa, para análise das informações.

Motoristas e cobradores não terão só o veículo monitorado. Por um teclado, poderão enviar e receber informações sobre acidentes, por exemplo. Costa quer implantar um sistema de GPS que não dependa de um único fornecedor; por isso, realiza testes. O modelo usado pela Carris no projeto-piloto é do Sistema Plus, mesma empresa que fornece equipamentos para os ônibus do Rio de Janeiro.

Segundo ele, a prefeitura fez um chamamento público para validar modelos de equipamentos nacionais e internacionais (há um modelo espanhol em análise). Depois, será definida a padronização de estilo, que será aplicada a todas as empresas do sistema. O custo para a utilização em cada ônibus é de R$ 99 a R$ 129 por mês.

O CAMINHO DA INFORMAÇÃO

Nas ruas: a informação é capturada pelo equipamento instalado nos ônibus a cada seis segundos e armazenada a cada 30 segundos — é o momento do armazenamento que aparece para os usuários. O motorista pode enviar e receber dados por texto com o equipamento.

Informações: Zero Hora

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960