Em Teresina, Usuários estão sendo prejudicados no sistema de integração do transporte público na zona Sudeste

domingo, 3 de julho de 2016

Após inaugurar os terminais Livramento e do Itararé, a Prefeitura de Teresina iniciou neste sábado (2) a operacionalização do sistema de integração do transporte público na zona Sudeste. Com a alteração, os passageiros de ônibus passarão a utilizar linhas troncais e alimentadoras. Contudo, neste primeiro momento, a sensação é de confusão. Algumas pessoas chegaram a pegar cinco ônibus para chegar ao seu destino, devido à falta de informação. Nas redes sociais, usuários também reclamaram.

Inicialmente, a operacionalização será realizada somente aos fins de semana. De forma prática, no sábado e domingo, os usuários do transporte público que moram na região do Dirceu embarcarão em ônibus até os terminais e, somente de lá, poderão fazer percursos via Centro ou shopping.

Neste período transitório somente três linhas (Redonda, Alto da Ressurreição e Parque Jurema) estão inclusas na operação. O Cidadeverde.com embarcou em um desse ônibus para testar o que mais é prometido pelo sistema de integração: a agilidade de percurso.

Às 9h:49min embarcamos no ônibus 502 (Redonda), na parada final do bairro. Compramos o cartão eletrônico por R$ 10, já com duas passagens inclusas [R$ 2,75 cada], vendido pelo cobrador. De ponto para o Terminal do Livramento, localizado próximo ao balão que dá acesso ao Dirceu, gastamos apenas 10 minutos.

Vendedora pegou 5 ônibus

Enquanto estávamos no ônibus percebemos a surpresa de parte dos usuários diante do novo sistema. A vendedora Geane Oliveira, por exemplo, teve que embarcar em cinco veículos para conseguir fazer o percurso Avenida Frei Serafim - Alto da Ressurreição.  

“Saí de casa, no Planalto Ininga, na zona Leste, 7 horas da manhã. Na Frei Serafim peguei o ônibus Alto da Ressurreição achando que ele ia direto para o bairro, e acabei vindo para o Terminal. Agora tive que voltar para o Terminal em outro ônibus, para só assim, conseguir pegar um ônibus que vá direto para onde vou”, conta Geane.

Chateada, a vendedora acabou gastando R$ 13,75 para pagar as cinco passagens. “Eu só não estou chorando com a situação porque ando com dinheiro”, lamenta Geane Oliveira.

Diferente da vendedora, o pedreiro Dermeval Morais estava ciente das mudanças no transporte público, mas ainda acha antecipado emitir uma opinião sobre o sistema de linhas troncais e alimentadoras.

“Ainda não posso dizer se é bom ou ruim. Teremos que vivenciar a experiência por mais tempo para fazermos uma avaliação. Mas a expectativa é que melhore nosso transporte”, espera Dermeval.

Strans orienta passageiros

Ao chegarmos ao Terminal do Livramento, constatamos a presença da Superintendência Municipal de Trânsito (Strans) e de despachantes das concessionárias responsáveis pelas linhas orientando os passageiros. Eles garantem que prestarão a assistência durante todo fim de semana.

O gerente de Planejamento do órgão municipal, Vinícius Rufino, disse que é normal a estranheza imediata do teresinense, mas conforme for passando o período de transição de sistema, melhor será a adaptação.

“A grande novidade para o usuário é a questão da melhora na freqüência dos ônibus, porque ao invés dele fazer um percurso longo Bairro-Centro, que geralmente durava uma hora e meia, essa trajetória será diminuída”, conta Vinícius.

O gerente da Strans explica,ainda, que as linhas alimentadoras são as que fazem o percurso Bairro-Terminal. Já as troncais, o trajeto Terminal Centro. “Com o tempo iremos ampliar o número de ônibus, conforme o sistema seja expandido e outros terminais da cidade fiquem prontos”,adianta Vinícius.

Seguindo as orientações dos fiscais da Strans e de despachantes, embarcamos no outro ônibus da linha troncal do Redonda para seguirmos para a Praça da Bandeira, no Centro de Teresina. Entramos no veículo por volta de 10h20min e chegamos no destino às 10h36min.

Apesar de ter sido em um sábado, onde geralmente o fluxo de passageiros do transporte público é menor,  o percurso pareceu mais ágil. No Terminal do Livramento já havia ônibus e tivemos que aguardar apenas dez minutos para motorista e cobrador iniciarem a viagem.

A espera no Terminal é confortável. O local é amplo, limpo, tem placas de sinalização e bancos.  Além da boa estrutura, policiais militares fazem a segurança dos passageiros e dos terminais.

O Terminal do Livramento e do Itararé são dois dos oito terminais que a Prefeitura de Teresina está construindo em Teresina.

Informações: Cidade Verde

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960