Faltam elevadores e escadas rolantes nos Terminais Integrados do Recife

quarta-feira, 13 de abril de 2016

De 40 equipamentos de acessibilidade nas estações de metrô e nos terminais de ônibus integrados a elas, 19 não funcionam. Em 11 estações, não há elevadores nem escadas rolantes. Idosos, pessoas com deficiência, pais com filhos de colo e passageiros de muletas precisam encarar longas escadarias para ter acesso às plataformas de metrô e aos pontos de ônibus, por onde circulam todos os dias cerca de 400 mil pernambucanos.

O levantamento foi realizado em um giro de dois dias feito pela reportagem do NETV 1ª Edição, que também encontrou muito lixo nos trilhos e comércio ambulante sem fiscalização dentro dos trens. O Grande Recife informou que, para os terminais mais antigos, estão previstas reformas que contemplam a adequação dos quesitos de acessibilidade.

Na Linha Sul do metrô, que vai da Estação Recife até Cajueiro Seco, e que conta com cinco integrações, são 14 equipamentos de acessibilidade sem funcionar e 18 operando. Apenas em Porta Larga, Shopping, Antônio Falcão e Largo da Paz não havia aparelhos parados. Em oito estações - Cajueiro Seco, Prazeres, Monte dos Guararapes, Aeroporto, Tancredo Neves, Imbiribeira, Joana Bezerra e Recife - há escadas rolantes e/ou elevadores inoperantes. E muita gente insatisfeita.

"Já tenho 72 anos. Você quer o quê, meu filho?", indaga a aposentada Ernanda Freire, para justificar as lágrimas que se tornam inevitáveis após a escadaria inglória da Estação Prazeres. Por lá, escada rolante e elevador estão há meses sem funcionar. Quem garante é a também aposentada Maria José Batista, 81 anos, que, de muletas, só consegue subir as escadas porque é ajudada por uma jovem. "Minha sorte é que sempre aparece um filho de Deus para me ajudar", conta.

Três paradas depois está a Estação Aeroporto, onde o governo inaugurou uma passarela na época da Copa do Mundo, investimento de R$ 26 milhões. Embora escada rolante e elevador estejam operando, a esteira que liga os terminais aéreo e metroviário está parada. "Eu precisava muito, porque tenho problema nas pernas, nos dois joelhos, mas está desse jeito aí", reclama o aposentado Givaldo Silva.

A situação da Linha Centro é ainda pior. Duas estações, Camaragibe e Cosme e Damião, contam com escadas rolantes e elevadores. São, ao todo, oito equipamentos, dos quais cinco estão sem funcionar. Nas 11 estações seguintes - Rodoviária, Curado, Alto do Céu, Coqueiral, Tejipió, Barro, Werneck, Santa Luzia, Mangueira, Ipiranga e Afogado - sequer há aparelhos de acessibilidade, apenas rampas que são motivo de reclamação. "Descer tudo bem, mas subir essas rampas é uma luta", lamenta a cadeirante Lilian Nery, que diz já ter sofrido até um acidente certa vez.

Em Joana Bezerra, uma das estações mais movimentadas, que recebe todo dia em torno de 40 mil passageiros, nenhum equipamento de acessibilidade está funcionando. São duas escadas rolantes e dois elevadores sem operar. "Minha filha foi atropelada, está de muleta e precisa subir essas escadas", esbraveja uma mulher. "Tenho problema de coluna e ninguém toma uma providência", acrescenta uma idosa.

Respostas
Em nota, o Grande Recife informou que "os Terminais Integrados da Região Metropolitana do Recife inaugurados a partir de 2008 foram projetados dentro dos padrões da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT)".  Para os terminais mais antigos, estão previstas reformas que contemplam a adequação desses quesitos.

Sobre a escada rolante e elevador do TI Tancredo Neves, o consórcio apontou "que os mesmos passaram por uma manutenção preventiva na última semana e estão funcionando normalmente".

Quanto às esteiras da Passarela do Aeroporto, afirmou "que não se trata de um equipamento de acessibilidade e sim um dispositivo que traz mais conforto para o usuário. Visto que o caminho do Aeroporto para o TI Aeroporto pela passarela é todo em nível, projetado para cadeirantes e pessoas com mobilidade reduzida. Contudo, informamos que as seis esteiras existentes estão funcionando e passando por uma manutenção preventiva nesta quarta-feira (13)".

Por Wagner Sarmento
Informações: TV Globo Nordeste

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960