Em Campinas, MPT propõe pagamento com cartões para eliminar dupla função em ônibus

terça-feira, 8 de março de 2016

O Ministério Público do Trabalho propôs às empresas do transporte público, em Campinas (SP), a adoção de um sistema em que o usuário possa pagar a tarifa com cartão bancário. A medida está entre as sugestões do órgão para tentar eliminar a dupla função exercida pelos motoristas, desde a saída dos cobradores. A associação das companhias (Transurc) diz que fará avaliação.

Em despacho assinado nesta semana, o procurador Silvio Beltramelli Neto explicou que a medida está entre as ações que serão adotadas em Jundiaí (SP), onde o mesmo problema foi investigado pelo MPT. O novo sistema de cobrança começa a funcionar a partir de 7 de março.

Outras duas sugestões foram feitas às companhias VB Transporte e Turismo, Coletivos Pádova, Consórcio Urbcamp, Onicamp Transporte Coletivo e Consórcio Cidade Campinas. Uma delas é a instituição do Bilhete Único, implantado no município desde 2006, segundo a Transurc.

A outra proposta do MPT trata da situação em que o passageiro está com dinheiro, mas não tem bilhete ou cartão bancário. Segundo Beltramelli Neto, neste caso o usuário deve viajar na parte da frente do ônibus e, na sequência, descer em área cercada do terminal onde haja uma cabine apta a receber o valor da passagem, atualmente em R$ 3,80, e comprar um bilhete se precisar.

"Tais providências, frise-se, têm por escopo expresso a completa eliminação da circulação de moeda no interior dos veículos", informa texto do documento.

A saída dos 1,2 mil cobradores provocou precarização do trabalho dos motoristas e há risco de acidentes, segundo o MPT.

A assessoria de imprensa da Transurc informou que avaliará as propostas, mas não mencionou detalhes. O procurador concedeu prazo de 15 dias para respostas.

Riscos aos usuários
Segundo a assessoria do MPT, o procurador constatou durante diligências que a média de cobranças feitas por viagem é superior à quantidade alegada pelas empresas.

Outro problema verificado foi que parte dos recebimentos ocorreu com o veículo em movimento, o que eleva risco de acidentes.

À época em que as apurações começaram, o Sindicato das Empresas de Transporte da Região Metropolitana (Setcamp) alegou que a maioria dos usuários utiliza o Bilhete Único, portanto, não usa dinheiro nos coletivos.

Orientações
A Emdec, responsável pela fiscalização do sistema de transporte público em Campinas, informou na ocasião que motoristas são orientados a não receber com ônibus em movimento.

A assessoria da Transurc explicou que, dos 1,2 mil cobradores de ônibus contratados no município, 700 foram reaproveitados em novas funções, e os demais desligados.
"Só não foi possível quantidade maior [reaproveitamento] porque parte dos ex-colaboradores decidiu sair das empresas e, por conta disso, optaram por fazer acordos", informa texto.

Informações: G1 Campinas e Região

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960