Obras do BRT em Jundiaí é questionado pelo Ministério Público

segunda-feira, 29 de fevereiro de 2016

Um projeto de transporte de ônibus rápido promete melhorar a vida dos passageiros de Jundiaí (SP). Anunciado em novembro de 2015, ainda falta abrir a licitação para contratar uma empresa que será responsável pela primeira fase do BRT, obra que irá custar mais de R$ 130 milhões. A primeira fase vai ligar os bairros da região da Colônia ao Centro e o Ministério Público já investiga os impactos no trânsito do município.

O “Bus Rapid Transit” (BRT) é um sistema de transporte de passageiros que utiliza os ônibus com a ajuda de uma grande infraestrutura que proporciona viagens mais rápidas, confortáveis e eficientes. Apesar da sigla em inglês, o BRT surgiu em Curitiba (PR) há mais de 40 anos e, graças a ele, a cidade passou a ser referência para o Brasil e o mundo sobre transporte público.

Em Jundiaí, o projeto está próximo de sair do papel, já que o Governo Federal já garantiu R$ 106 milhões. Além desse valor mais R$ 28,5 milhões devem vir da prefeitura. O primeiro trecho do BRT na cidade deve ter pouco mais de quatro quilômetros e vai ligar o terminal no bairro Colônia até a Praça Rui Barbosa, na região central.

A previsão é que as obras comecem até junho desse ano e fiquem pontas em um ano e meio. O Ministério Público abriu um inquérito Civil e a pediu algumas explicações à prefeitura sobre os transtornos que a construção pode causar. Todos os documentos devem ser apresentados em abril.

Normas
Para o BRT ser implantado é preciso que os ônibus transitem sempre nas faixas exclusivas, que ficam à esquerda, próximas ao canteiro central. Em alguns trechos, novas vias podem ser criadas exclusivamente para os ônibus. Atualmente, o trecho entre o terminal Colônia e o Centro é percorrido em aproximadamente 25 minutos. Com o BRT, a viagem deve ser 10 minutos mais rápida.

Além disso, as passagens devem ser pagas ao entrar nas estações, não há cobrança, nem catraca nos ônibus. Atualmente, a praça recebe os ônibus intermunicipais, que chegam de Campo Limpo Paulista, Várzea Paulista e outras cidades da região. Assim que este trecho do BRT for inaugurado, a previsão é que essas linhas passem a desembarcar no terminal da Vila Arens.

Trajetos
Com o investimento, os terminais Colônia e Vila Arens devem ser ampliados e adaptados pra receberem o BRT. Devem ser criados uma estação de transferência no Jardim Pacaembu e um novo terminal na Praça Rui Barbosa. Além disso, mais cinco estações menores, utilizadas para o embarque e desembarque devem ser construídas ao longo dos quatro quilômetros.

Do terminal Colônia, o BRT deve seguir pela Avenida dos Imigrantes, um trecho com quatro paradas. No fim da avenida, um viaduto deve ser construído junto a uma plataforma de embarque e desembarque. A obra, onde deve passar apenas o trem, deve terminar um terreno que terá uma parte desapropriada pela prefeitura.

Mais um viaduto deve ser criado no terreno, que deve passar por cima do terminal Vila Arens e seguir até a rua XV de Novembro. Mais à frente, o terceiro e último viaduto que será construído vai levar o BRT do cruzamento entre a Rua José do Patrocínio e a Avenida Doutor Cavalcanti até a Rua Vigário J.J Rodrigues. De lá, os ônibus seguem até a Praça Rui Barbosa. Nesse trecho, mais duas estações de embarque e desembarque serão construídas. 

Informações: G1 Sorocaba e Jundiaí

Leia também sobre:

Colabore com o Blog Clicando nos anúncios da página

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960