Reorganizar o transporte coletivo de Manaus é desafio para a mobilidade urbana em 2016

domingo, 3 de janeiro de 2016

Com o Plano de Mobilidade concluído, a ideia para 2016 é agora colocar boa parte do papel na prática. Além disso, reorganizar as categorias de transporte como também melhorar boa parte do sistema.No estado obras de implantação da avenida das Flores, na zona Norte, e dos anéis viários Sul e Leste, nas zonas Leste e Oeste, são consideradas as obras estruturantes mais importantes. O Instituto Muncipal de Engenharia e Fiscalização do Trânsito (Manaustrans) promete ampliar o programa de educação para o trânsito.

A Superintendência Municipal de Transportes Urbanos (SMTU) apontou pelo menos 13 pontos a serem focados para o novo ano. Para início de janeiro, o superintendente da SMTU, Pedro Carvalho, informou a regulamentação de todos os carros fretes, como também a construção dos planmobs para cada zona, bairro e comunidade.

“Nessas discussões vamos ter a oportunidade de ouvir os questionamentos e ideia da própria comunidade. Será uma discussão setorial, e vamos falar de tudo, calçadas, ônibus, abrigos, iluminação e outros assuntos que envolve a mobilidade urbana, e nessas reuniãos vamos criar os conselhos das zonas prevista no plano”, disse Carvalho.

O superintendente contou que irá fechar todo o processo de licitação dos mototaxistas, executivos e alternativos.

A SMTU irá realizar o recadastramento dos taxistas para encerrar com proprietário de placas para pessoas de fora e colaborar com as operações.Dar continuidade ao projeto de execução do Bus Rapid Transit (BRT), com a criação do intinerário, estações apropriadas além de 11 terminais de integração também é a meta.

A continuação da recuperação dos abrigos, conclusão do T2 e transformação para estação de conexão, além do mesmo processo se estender para o Terminal 1, também faz parte da iniciativa para 2016.


Pedro Carvalho também garantiu de prioridade, a construção da criação do Terminal 6, e garantiu com este terminal irá diminuir o número de ônibus do lado direito da avenida Constantino Nery. Outra ideia para 2016 é a criação de carteirinhas de passe direcionada para os idosos.

“Para o novo ano queremos também implantar o Centro de Controle de Operações (CCO) da própria SMTU, para termos um controle melhor de todo o procedimento que ocorre nos ônibus, uma forma de acompalharmos o trabalho de mais de perto. Acredito que todos essas ideias realmente tenha uma iniciativa em 2016, e vamos trabalhar pra isso”, disse Pedro Carvalho.

Continuação dos trabalhos

O Instituto Municipal de Engenharia e Fiscalização do Trânsito (Manaustrans), informou que para início de janeiro será efetivada a primeira etapa do estacionamento rotativo Zona Azul. O instituto garantiu o incentivo nas campanhas educacionais.

No setor de Engenharia, o Manaustrans vai implantar intervenções viárias, com recursos próprios, para dar mais fluidez ao tráfego, com atenção especial à construção de alças em rotatórias das zonas Sul, Norte, Leste. Também serão implantadas mudanças de sentido de vias em áreas comerciais.

A Secretaria de Estado de Infraestrutura (Seinfra), prossegue com a intervenção nos trechos 2, 3 e 4 da Avenida das Flores (extensão da avenida Governador José Lindoso, conhecida como avenida das Torres).

Outra obra estruturante em andamento de grande importância para Manaus é a dos anéis viários Sul e Leste. O anel viário sul soma 8,3 quilômetros de vias, interligará a zona oeste à zona norte. Já o anel viário leste terá 17,6 quilômetros de ligação da zona norte com a zona leste da capital.

Com investimentos de R$ 245 milhões, a implantação dos anéis viários, o Sul e o Leste, permitirá a criação de um eixo viário entre o Distrito Industrial e o Aeroporto Internacional Eduardo Gomes, retirando a circulação de carretas do centro da cidade e facilitando o fluxo direto de mercadorias e de insumos entre o Pólo Industrial e o aeroporto.

Bicicleta também é mobilidade

Bicicleta também faz parte da mobilidade urbana. Para 2016, o movimento Pedala Manaus confirmou que irá consolidar a participação nas discussões das políticas voltadas para a mobilidade da bicicleta, desenvolver ações educativas, ações de levantamentos de dados, ações para não ciclistas.

“Vamos discutir junto ao poder público para garantir que no Plano de Mobilidade Urbana tenham metas para a alocação de recursos municipais para obras e campanhas cicloviárias , aumentar o percentual de viagens feitas por bicicleta, implementar o sistema de bicicletas pública, implementar paraciclos e bicicletários, promover a intermodalidade nos meios de transporte e minorar a morte de ciclistas, todas metas amparadas pelas diretrizes da lei nacional de Mobilidade Urbana”, reforçou um dos coordenadores do movimento Paulo Aguiar.

Avaliar os estudos prévios realizados, possibilitando entender o perfil de deslocamento dos ciclistas, demandas reprimidas e origem-destino, permitindo, inclusive, a integração da bicicleta com os demais sistemas de transporte, eliminando as barreiras urbanísticas à locomoção dos ciclistas para garantir principalmente a segurança de quem pedala e incentivar para que cada vez mais pessoas façam uso da bicicleta em seus trajetos, também deve ser feitos no novo ano.

Por Isabelle Valois
Informações: A Critíca

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960