Nova licitação deve viabilizar mais de 20 km de ciclovias em Manaus

segunda-feira, 3 de agosto de 2015

Novas ciclovias devem ser construídas para dar continuidade ao trecho da Avenida Boulevard Álvaro Maia, na Zona Centro-Sul de Manaus, ainda esse ano. A Secretaria Municipal de Infraestrutura (Seminf) informou que uma nova licitação deve ser aberta a partir do mês de agosto. Segundo a Seminf, após o início dos trabalhos, as obras têm previsão para durar 120 dias.

De acordo com a Seminf, o projeto vai aumentar em mais de 20 quilômetros os trechos para uso restrito de bicicletas nas ruas da capital. O projeto é implantar ciclovias nas Zonas Sul, Oeste e Centro-Sul.

Atualmente, a cidade possui uma ciclovia no Boulevard, com 2,3 quilômetros de extensão, além de uma ciclofaixa de 3 quilômetros na Avenida Nathan Xavier Albuquerque, na Zona Norte.

Uma das obras está prevista para iniciar na Marina do Davi, na Ponta Negra, passando pelas Avenidas Coronel Teixeira e Brasil, na Compensa, até chegar a ciclovia do Boulevard. A outra obra deve ligar um trecho da Bola do Mindu até a Avenida das Torres.

Estudo
A construção de ciclovias nas ruas e Manaus é uma reivindicação antiga de grupos de ciclistas. Paulo Aguiar, coordenador do grupo Pedala Manaus, criticou as ciclovias existentes, mas destacou a importância de novas obras para promover o modal na cidade.

"A gente é super a favor da continuidade das obras, elas têm que continuar. Aquele trecho que foi construído, do jeito que está, não liga nada a nada. Ele não é funcional. A prefeitura tem que continuar aquela obra. Só que, desta vez, a gente gostaria de ter acesso aos órgãos decisórios, aos projetos, ter acesso aos cronogramas para não acontecer os mesmos erros que aconteceram com aquele trecho do Boulevard", disse.

Ele defende ainda a construção de ciclovias em pontos onde há demanda de uso de bicicletas. "A prefeitura tem que tomar o cuidado de instalar essas estruturas cicloviárias em ruas ou avenidas que sejam cicláveis e que possuam uma quantidade de pessoas e ciclistas que usem a bicicleta como meio de transporte. Tem que se fazer pesquisa de origem-destino, contagem de bicicleta, levantamento de fluxo para poder identificar a ciclovia, ou a ciclofaixa", afirmou Aguiar.

Conscientização
A promoção de campanhas educativas também foi um dos pontos observados pelo coordenador do Pedala Manaus. Segundo ele, os ciclistas lutam para conquistar espaço em meio aos motoristas nas ruas de Manaus.

"A ciclovia e a ciclofaixa são importantes, mas a campanha educativa de conscientização é fundamental também. Se os motoristas, os pedestres e os próprios ciclistas seguissem o que está na legislação de trânsito, se houvesse respeito, educação, cidadania, a gente não precisaria de ciclovia. Mais importante que a estrutura cicloviária é a convivência pacífica. A prefeitura tem que fazer junto um trabalho educativo", destacou.

Críticas
No fim do mês de janeiro a ciclovia do Boulevard foi inaugurada. Ao G1, ciclistas e especialista criticaram a implantação do espaço no local, que, segundo eles, oferece suposto risco por ser em cima de uma calçada e no meio de uma via com grande fluxo de veículos, além de não permitir a ligação entre outras ruas da cidade.

Para o doutor em engenharia de transportes e professor da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), Geraldo Alves, alguns trechos da obra entregue dificultam o tráfego de usuários de cadeiras de rodas e ciclistas.

"Aquela área, por ter um trânsito intenso, pode não ser uma boa escolha, mas a atitude de pensar na cidade como um local onde há outros tipos de meio de transporte, que não o carro, é muito boa", disse.

O projeto para implantação da ciclovia ligando a Zona Sul e Oeste foi anunciado pela prefeitura em julho de 2013. As obras foram iniciadas em março de 2014 e foram paralisadas em seguida. À época, a Seminf informou que a paralisação nas obras da ciclovia ocorreu por conta de adequações de projeto e definição de novos materiais.

Por Suelen Gonçalves e Leandro Tapajós
Informações: G1 AM

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960