Corredor de ônibus Diadema-Brooklin completa 5 anos

sexta-feira, 14 de agosto de 2015

Todos os dias, o assistente de compras Wallace Lisboa, 27, o técnico em manipulação Reginaldo Santos, 41, e a analista de recursos humanos Leydiane Nogueira, 26, saem da região de Cidade Ademar, zona sul de São Paulo, e utilizam o corredor de ônibus Diadema-Brooklin para irem ao trabalho
Foto: Diogo Marcondes
Os moradores, que já utilizavam veículos de transporte público na avenida Cupecê antes da inauguração das faixas exclusivas de ônibus, em 31 de julho de 2010, concordam que o tempo de viagem melhorou.

“Eu utilizo o ônibus Terminal Diadema – Morumbi (376M), da EMTU, e faço o trajeto em 20 minutos”, diz o assistente Wallace Lisboa, que embarca na parada Públio Pimentel, em Cidade Ademar, e vai até o ponto final, no Brooklin. Neste mesmo percurso, antes do corredor, ele gastava entre 40 e 45 minutos.

Assim como os três moradores de Cidade Ademar, segundo dados divulgados pela SPTrans (São Paulo Transportes) e EMTU (Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos de São Paulo), 340 mil passageiros embarcam e desembarcam por dia nas 24 paradas que são distribuídas pelos 12 km de extensão do corredor.

“Há mais ou menos nove anos utilizo a linha Jardim Miriam – Praça João Mendes (5178-10). O que melhorou consideravelmente foi o tempo do trajeto”, afirma Leydiane. No entanto, a analista chama atenção para a fila de ônibus que se forma em alguns locais do percurso, como a parada Parque do Nabuco, que fica perto das obras de construção do piscinão. “Isso acontece devido ter apenas uma faixa”, acredita.

O técnico Reginaldo Santos também utiliza a linha Jardim Miriam – Praça Dom Gastão e concorda com Leydiane. Apesar da crítica, o morador enumera a rapidez como um dos pontos positivos do corredor, que começou a ser construído em 1986 na gestão do governador Franco Montouro (PMDB), e foi entregue 24 anos depois, na gestão de Alberto Goldman (PSDB), ao custo de R$ 24,5 milhões.

“A localização dos pontos e a opção de ônibus também são outros pontos positivos”, analisa Santos. Entre 6h e 7h da manhã, ele gasta aproximadamente 15 minutos no corredor, da parada Públio Pimentel, em Cidade Ademar, até a parada Vereador José Diniz.

Informações: Folha SP

Leia também sobre:

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960