Terminais de ônibus de Curitiba têm mais 180 vagas para bicicletas

quinta-feira, 16 de julho de 2015

A instalação de paraciclos nos terminais do transporte coletivo, iniciada em março, já foi concluída em 15 dos 20 terminais. São 180 vagas instaladas e a previsão é de que até o fim desse mês sejam, no total, 238 novos espaços para guardar bicicletas.

As novas vagas fazem parte do projeto da Prefeitura de Curitiba de incentivo ao uso da bicicleta, que inclui a ampliação e melhoria da rede de ciclovias, criação de ciclorrotas, implantação de vias calmas, com espaço prioritário para bicicleta ao longo das canaletas, novo plano de ocupação para bicicletários públicos e adoção de um sistema público de locação de bicicletas. No caso dos espaços nos terminais, a intenção é permitir o transporte intermodais.

A novidade tem agradado ciclistas e usuários do transporte coletivo, além de pessoas que utilizam serviços no entorno dos terminais.

“É uma excelente iniciativa, que merece aprovação e incentivo e que precisa ser ampliada para toda a cidade”, afirma o professor universitário André Ricardo Ribeiro. Mesmo sem utilizar a bicicleta em função de seus horários e pontos de deslocamentos, ele considera que toda iniciativa voltada à mobilidade sustentável e ao bem-estar do cidadão é positiva.

A doméstica Maria Regina de França, mãe de quatro filhos e avó de cinco netos, passou a andar de bicicleta no trajeto entre sua casa e o terminal. “Antes eu vinha de carro com o meu marido até aqui e pegava o ônibus para o meu trabalho no Centro, duas vezes por semana. Agora não dependo mais de carona. Venho de casa de bicicleta, ainda dou uma volta a mais para fazer um pouco de exercício, e daqui vou para o Centro de ônibus. Na volta, no horário de pico do trânsito, fica muito mais fácil. Chego no terminal e vou embora na hora”, diz Maria Regina, entusiasmada com o paraciclo no terminal Boqueirão. 

Ela mora na Vila Pantanal e deixa a bicicleta no Terminal Boqueirão. Conta que, na sua casa, todos usam bicicleta. “As crianças já vão aprendendo desde cedo, faz muito bem. E tendo onde deixar a bicicleta, no meio do caminho, fica melhor ainda”, afirma.

No terminal Pinheirinho, Antônio Romildo, que trabalha no mercado do Terminal, transportando compras dos fregueses, atesta a grande procura pelo paraciclo. “Tem dias que fica lotado, até motoristas e cobradores de ônibus estão vindo de bicicleta para entrar no turno de trabalho”, conta Adriano dos Santos, que trabalha com Antônio no mercado.

Além disso, a bicicleta passou a fazer parte dos projetos da cidade. No caso dos terminais de transporte, quando houver reforma e ampliação, contará com implantação de bicicletários, com a criação de espaços internos que não prejudiquem a operação dos ônibus e garantam a segurança de quem transita no terminal.

É o que deve  acontecer nos terminais de transporte dos eixos Leste e Oeste, que serão reformados para receber o novo Ligeirão da cidade. As obras da primeira etapa, de adequação da canaleta no início do eixo Oeste, estão em fase de licitação.

No caso dos paraciclos, eles são instalados de lado de fora do terminal, sendo uma opção para quem quer deixar sua bicicleta a meio do caminho. A localização é definida levando em conta o espaço disponível ao lado dos terminais, que contam com câmeras de segurança e guarda municipal. Diferentemente do bicicletário, onde há um funcionário cuidando das bicicletas, a segurança, no paraciclo, é de responsabilidade do proprietário.

Informações: URBS

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960