Em Manaus, Circulação de ônibus fora do T2 gera reclamação, no primeiro dia de mudança

domingo, 14 de junho de 2015

O primeiro dia de intervenções para a reforma do Terminal da Cachoeirinha (T2), zona sul, foi marcado por muita reclamação por parte dos usuários do transporte. Os passageiros que não tenham o cartão Passa Fácil precisam pagar uma nova passagem para o embarque em outro ônibus. A novidade pegou muitos passageiros de surpresa e até desprevenidos financeiramente.
Foto: Reinaldo Okita
Morador do bairro Compensa, zona oeste, o industriário Charles Ferreira criticou a falta de divulgação sobre o procedimento que os passageiros que pagam a tarifa em dinheiro deveriam adotar. “Não sabia que ia ser desse jeito. Desci no lugar errado, não tem faixa para a gente atravessar e ainda vou ter que desembolsar mais R$3”, afirmou.

O desconhecimento sobre o novo itinerário a ser seguido pelos ônibus não foi uma exclusividade dos usuários, neste primeiro dia de mudanças. Enquanto esteve em um ponto de ônibus próximo a um supermercado, o Portal D24am presenciou até um motorista do transporte perguntar ao fiscal da Superintendência Municipal de Transportes Urbanos (SMTU) sobre o percurso  que deveria seguir.

Aguardando na parada próxima a uma funerária, na Avenida Carvalho Leal, para ir para o bairro Monte Pascoal, zona norte, a estudante Amanda Queiroz, que esperava a linha 550, precisou que o amigo pagasse a passagem dela no cartão Cidadão.

“Isso é uma falta de respeito. Não estava preparada para pagar uma passagem a mais. Estão distribuindo um panfleto, hoje, dizendo que deveríamos ter adquirido o cartão”, reclamou.

O panfleto distribuído pelos fiscais, neste sábado, informa os usuários sobre a reforma do Terminal 2, orçada em R$ 2,1 milhões e orienta que os passageiros que ainda não possuem os cartões Passa Fácil (Estudante, Vale Transporte e Cidadão)e pagam a tarifa em dinheiro, adquiriam o benefício.

Acostumada a vir de Iranduba, todo final de semana, para cuidar dos pais idosos, a estudante Sandra Cristina Ferreira conta que também ficou surpresa ao descobrir que precisaria pagar mais uma passagem, apesar dos pontos estarem atuando como um terminal. “Gasto R$ 7 para vir de Iranduba e agora terei que pagar R$ 6 aqui em Manaus. A sorte é que tinha dinheiro. Senão ia ligar para alguém de Iranduba vir me buscar”, afirmou.

Com o valor de apenas duas passagens no bolso, o vigilante Adenilson Castro não sabia como seguiria viagem para buscar a filha, no Parque da Laranjeira, zona centro-sul, que passaria este final de semana com ele.

Orientado por agentes do Manaustrans, a procurar um fiscal da SMTU para viabilizar sua entrada no ônibus de forma gratuita, o passageiro afirmou que dependia da boa vontade do cobrador da linha para seguir viagem.

“Se eu pagar mais uma passagem fico sem ter como trazer minha filha. Não sabia que a gratuidade não funcionaria”, disse.

Mas a cobrança da tarifa, nas paradas da Avenidas Carvalho Leal e Rua Itacoatiara, que devem na teoria substituir o terminal, em reforma por pelo menos 120 dias, foi apenas uma das causas do descontentamento dos usuários. Sem a implantação de coberturas nos abrigos, muitos usuários já se preocupavam com a ocorrência de chuvas e com o forte calor, nos próximos dias.

“Hoje já choveu e essa parada não vai ser suficiente para abrigar todo mundo. No sábado, o fluxo de pessoas é menor, mas a partir de segunda-feira será pior”, afirmou a moradora do bairro Eduacandos, Rosângela Silva, que aguardava a linha 619 com destino ao bairro Puraquequara.

Com o fluxo intenso de ônibus no perímetro das quatro paradas, a travessia de pedestres também ficou complicada, apesar da presença de agentes de trânsito. Responsáveis por dar fluidez do trânsito, segundo o supervidor do Instituto Municipal de Engenharia e Fiscalização do Trânsito (Manaustrans), Roosevelt Reis, os agentes tiveram dificuldades em auxiliar a passagem dos usuários devido a ausência de faixas de trânsito, próximo as paradas.

“O nosso papel hoje é dar fluidez ao trânsito. Não há local para travessia e mesmo que eu destaque um agente para ficar em cada trecho da via, as pessoas terão dificuldade de se concentrar num só lugar devido a ausência da faixa”, afirmou.

Enquanto a sinalização horizontal não é implantada, em muitos trechos,fiscais da SMTU paravam o trânsito para viabilizar a passagem de idosos e usuárias com crianças.

De acordo com Reis a intenção do Manaustrans é proibir, a partir de segunda-feira, o estacionamento de veículos, no local, para viabilizar a passagem dos usuários pelas calçadas. “As calçadas estão todas obstruídas, por isso vamos proibir o estacionamento e também solicitar a implantação de faixas de pedestres próximos aos pontos de ônibus”, informou.

Informações: d24am.com

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960