São Paulo: Reajuste nas tarifas dos ônibus intermunicipais revolta passageiros

sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

O aumento de 12% nas tarifas dos ônibus intermunicipais, ontem, deixou os usuários do transporte coletivo, na Região, revoltados. Nos pontos de ônibus e nas redes sociais o descontentamento com o reajuste de 12% era unânime. As novas passagens variam de R$2,65 a R$10,60.
Foto: Luiz Torres/DL
“Esse aumento é um absurdo. Não se vê qualidade no transporte. Só se vê aumento. Fui pega de surpresa”, disse Fabiana dos Santos. A atendente mora em Praia Grande, trabalha no Centro de Santos e terá de pagar R$4,30 pelo trajeto. “Hoje não estava com o cartão- transporte. Tive que pedir para ficar devendo os centavos que faltavam para um amigo. Ninguém avisou que iria aumentar”.

O mecânico de manutenção André Luiz Torres também é morador de Praia Grande. Ele trabalha na Avenida Afonso Pena, em Santos, e precisa utilizar duas conduções para chegar até o serviço. “Aumenta e o povo continua sofrendo. Pego dois ônibus. Saio do serviço e venho andando até o Centro para pegar a condução vazia, mas não adianta”, afirma.
Assim como Fabiana, Torres disse que ficou surpreso com o reajuste. “Tinha ouvido falar, mas não era nada certo. Meu chefe vai gastar mais com condução do que com pagamento”, ressalta. O mecânico, que paga duas das quatro passagens que utiliza do próprio bolso, terá que desembolsar mais de R$ 15,00 por dia.

A repercussão do reajuste nas redes sociais também chamou a atenção. Mariana Moraes, estudante de Arquitetura e Urbanismo e moradora do bairro Tancredo Neves, em São Vicente, compartilhou no Facebook a preocupação com o retorno às aulas. “R$ 8,70 por dia para ir para a faculdade? Isso só de transporte. Quem faz esses reajustes não deve ter noção que R$0,55 faz muita diferença no bolso do assalariado no final do mês. Preciso providenciar uma bike urgente e pedir proteção aos santos, para a minha segurança“. Uma amiga da estudante comentou a publicação: “Se no mínimo fosse um transporte de qualidade, seria justo o valor, mas além de tudo ainda é obrigado a ir amassado, passando sufoco no calor. Isso quando o ônibus para”.

A Empresa Metropolitana de Transportes Urbanos (EMTU), órgão ligado ao Governo do Estado, afirma que “o reajuste das tarifas das linhas metropolitanas foi anunciado pelo Governo do Estado no dia 29/12, tendo sido amplamente divulgado pelos veículos de comunicação de todo o Estado desde então. O reajuste leva em conta a variação dos custos de insumos como combustível e mão-de-obra no período, além da distância percorrida pelas linhas”.

O Diário do Litoral não registrou o recebimento de release, no último dia 29 — ou nos dias seguintes (véspera de Ano-Novo) — com informações referentes ao reajuste das tarifas intermunicipais. A nota divulgada na edição do último domingo foi baseada em informações publicadas no Diário Oficial do Estado, no dia 31 de dezembro.

Protesto

O Movimento Passe Livre (MPL) organiza protestos em todo o País contra o reajuste das tarifas do transporte público. Em Praia Grande, o ato está marcado para o próximo domingo, às 16 horas, com saída em frente ao Terminal Tude Bastos.

No evento criado no Facebook, os organizadores ressaltam o aumento da tarifa dos coletivos de Praia Grande — de R$2,90 para R$3,30 — e também dos ônibus intermunicipais. Até o fechamento desta edição, das 4,1 mil pessoas convidadas para a atividade 243 confirmaram presença.

Em junho de 2013, uma série de protestos tomou conta de diversas cidades brasileiras. Os atos tiveram início com o Movimento Passe Livre, em São Paulo, devido ao aumento de R$0,20 nas tarifas no transporte paulistano. As manifestações ganharam força e outras pautas como melhorias nas áreas de Saúde e Educação foram incluídas na lista de reivindicações. 

Relato de uma repórter que usa o transporte público

O ponto de ônibus da Avenida Ulisses Guimarães, no Jardim Rio Branco, em São Vicente, estava movimentado. Uma maioria de trabalhadores aguardava o coletivo que os levaria para seus respectivos trabalhos, em Santos. O papo da terça-feira ensolarada poderia discorrer sobre o intenso calor ou a alta na conta de luz, por exemplo. Mas não. A conversa tinha pauta exclusiva: o aumento das passagens. 

Perguntei à primeira pessoa que vi se o 932 — linha que faz o trajeto Parque das Bandeiras/Centro de Santos via Cubatão — já havia passado. Outras pessoas também aguardavam o mesmo coletivo. Ouço como reposta: “Acabou de passar”. O rapaz de mochila, ao meu lado, estava indignado com a nova tarifa: “É um roubo! Não acredito que tiveram coragem de aumentar de R$ 3,85 para R$ 4,30”.  Apesar de saber — repentinamente e por acaso — que as passagens seriam reajustadas nesta semana, não imaginei que a alta fosse de R$ 0,40. Os demais usuários também não.

Após meia hora de conversa fico sabendo que, mais cedo, trabalhadores, pegos de surpresa com o aumento, retornaram para casa, pois não tinham os R$ 0,40 necessários para completar a passagem. Alguns contaram com a solidariedade de um senhor que ‘passou’ seu cartão transporte cobrando o valor antigo da tarifa. 

Uma hora e meia depois, dois coletivos especiais e muitas reclamações, o 932 — cuja tarifa era de R$3,85 — chega repleto de passageiros que, como eu, também estão atrasados. Durante a viagem o papo continuou. Na cabeça calculo o que poderia comprar com os R$ 0,45 que terei de pagar a mais. Considerando duas viagens em cinco dias, penso que com esse dinheiro poderia comprar um sorvete com três bolas e cobertura de morango na Rua João Pessoa. 

Quarenta minutos depois, tempo médio do percurso, chegaria ao jornal com uma pauta e diversos lados, inclusive o meu.

Por Daniela Origuela

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960