Traçado do VLT que ligará centro de BH a Confins é definido

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

A diretriz básica do traçado do transporte leve sobre trilhos que ligará o hipercentro de Belo Horizonte ao Aeroporto de Confins, na região metropolitana da capital, já foi definido, segundo o governo do Estado. As opções de trajeto foram apresentadas pelas empresas que participam do Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI), assinado em junho deste ano.

Na primeira etapa do PMI, quatro empresas apresentaram propostas e todas elas apontaram o transporte sobre trilhos na modalidade VLT em suas diferentes configurações como a tecnologia a ser utilizada no sistema.

Traçado

Segundo o governo do Estado, o traçado proposto tem início no Terminal Rodoviário Governador Israel Pinheiro (Tergip) e segue pela Via Expressa Leste-Oeste sentido Carlos Prates. Passando pelo bairro Padre Eustáquio, o trajeto alcança a avenida Pedro II seguindo por ela até o cruzamento com o Anel Rodoviário, passando pela avenida Tancredo Neves e chegando próximo à orla da Lagoa da Pampulha.

De lá, continua por um vale até o bairro Pio XII e depois segue acompanhando leito de córregos até a avenida Vilarinho. Da Vilarinho, segue até a altura da avenida Baleares, onde transpõe o relevo e pela alameda José Maria Alkimin chega ao bairro Morro Alto, próximo à  Cidade Administrativa.

A partir deste ponto, as composição segue em direção ao Aeroporto de Confins, acompanhando a rodovia MG-010. De acordo com a Secretaria de Estado de Transporte e Obras Públicas (Setop), existe a intenção de fazer com que a linha faça a ligação, no trajeto de volta, entre o Aeroporto de Confins e o da Pampulha. No entanto, isso só será definido nas próximas fases do PMI.

Processo

Com a definição do traçado e da tecnologia, as empresas interessadas em continuar participando do PMI deverão apresentar estudos complementares de demanda, de engenharia e  infraestrutura, de impacto urbanístico, social e ambiental, além de modelo econômico- financeiro e plano de negócios.

Estas informações, segundo o governo, são indispensáveis para se conhecer os custos da implantação do projeto e posterior lançamento dos editais de concorrência, para contratação de empresas para construção, manutenção e operação do novo sistema de transporte.

Por Bruna Carmona
Informações: O Tempo

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960