São Paulo: Conheça as 10 estações do metrô onde os usuários mais perdem seus pertences

sexta-feira, 28 de março de 2014

Com a correria do dia-a-dia, passageiros do Metrô acabam esquecendo nos trens e estações livros, cadernos, óculos, aparelhos celulares, guarda-chuvas, documentos e, em alguns casos, objetos bastante inusitados como dentadura, muletas e até um colchão de casal.

Nestes primeiros meses de 2014, muita gente já perdeu coisas no Metrô. No ranking das 10 estações com mais pertences esquecidos estão: Sé, Palmeiras-Barra Funda, Jabaquara, República, Corinthians-Itaquera, Tatuapé, Paraíso, Anhangabaú e Tucuruvi. 

Para auxiliar os usuários mais esquecidos a encontrarem seus pertences, existe uma Central de Achados e Perdidos do Metrô, na estação Sé. Criada em 15 de junho de 1975, o serviço já se tornou um símbolo de confiabilidade na capital paulista. Nesses primeiros meses de 2014, foram entregues à Central mais de 11 mil itens e devolvidos - aproximadamente - 3 mil. O total de consultas já chegou a 20 mil, o que representa uma média de 333 consultas por dia.

De tudo o que é recebido, 59% são documentos e 41% são itens diversos. Os objetos mais encontrados nos trens e estações são artigos de papelaria, como livros, cadernos, agendas e canetas.

No ano passado
Durante todo o ano de 2013, foram recebidos 84 mil itens. Destes, foram devolvidos aos seus donos mais de 24 mil. Ou seja, 29% de tudo o que foi perdido foi recuperado por seus proprietários.

Os documentos pessoais foram os itens mais esquecidos, com 20.500 unidades. Os objetos, em geral, somaram 63.400 unidades. Além de pertences, são inúmeros os usuários e empregados que encontram valores em dinheiro e entregam à Central de Achados e Perdidos. Em 2013, esses valores somaram R$ 23.200.

Para aumentar o índice de objetos encontrados, desde 2007, a Central de Achados e Perdidos conta com um sistema informatizado que dá mais agilidade ao serviço, permitindo que o item esquecido seja rastreado a partir de qualquer estação. O Metrô recomenda aos usuários que fiquem atentos às bolsas e objetos que estão sendo transportados e que chequem seus pertences antes do desembarque. É importante também que os objetos tenham algum tipo de identificação. Isso facilitará a localização do proprietário e sua devolução pela Central de Achados e Perdidos.

Informações: Metrô SP

Leia também sobre:

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960