Rodoviários decidem manter greve de ônibus no Grande Recife

quarta-feira, 3 de julho de 2013

Motoristas, cobradores e fiscais de ônibus do Grande Recife decidiram, na noite desta quarta-feira (3), manter a paralisação iniciada na última segunda (1º). Tantos os associados ao Sindicato dos Rodoviários de Pernambuco quantos os representantes da categoria ligados ao Conlutas, movimento dissidente, aprovaram a manutenção da greve por tempo indeterminado em assembleias distintas, que terminaram por volta das 18h.

Na terça (2), o pleno do Tribunal Regional do Trabalho (TRT6) decretou a ilegalidade da paralisação e determinou a volta dos profissionais ao trabalho. Apesar da decisão, os passageiros sofreram para conseguir utilizar o transporte no dia de hoje. Vários coletivos deixaram de circular e alguns motoristas estacionaram os veículos em ruas do Centro da capital.

O presidente do Sindicato dos Rodoviários de Pernambuco, Patrício Magalhães, informou que apresentou ao Governo de Pernambuco hoje uma nova pauta de reivindicação, exigindo reajuste salarial de 20% e tíquete-alimentação no valor de R$ 350. “Entregamos o documento ao secretário de Articulação, Aluísio Lessa, pedindo que o governo articule a negociação entre a classe trabalhadora e a classe empresária para finalizar esse impasse, porque não aceitamos o reajuste definido pelo TRT”, argumentou.
No julgamento do dissídio da categoria, o TRT ainda definiu fixar, por 11 votos a 3, o reajuste de 7% para a categoria, que passa a ter piso salarial de R$ 1.605 (motorista), R$ 1.037 (fiscal) e R$ 738 (cobrador). Os valores anteriores eram R$ 1.500, R$ 970 e R$ 690, respectivamente.

Na pauta entregue ao governo do estado hoje, os rodoviários ainda solicitam o pagamento dos dias parados; nenhuma demissão de trabalhador que aderiu à greve; além do não pagamento da multa de R$ 200 mil estipulada pelo TRT pelo não cumprimento da medida cautelar que previa a circulação de 80% da frota nos horários de pico.

Integrantes da coordenação do Conlutas, dissidente do Sindicato dos Rodoviários, Cláudia Ribeiro afirmou que o movimento também decidiu pela continuação da greve. “Em assembleia, nós também decidimos, por unanimidade, depôr o Patrício [Magalhães] do cargo da presidência porque ele não representa a maioria da categoria”, Cláudia Ribeiro.

A oposição afirmou ter recolhido 600 assinaturas para retirar Patrício Magalhães da presidência do sindicato. O documento será entregue ao Ministério Público do Trabalho (MPT), Procuradoria-Geral do Trabalho e Secretaria Estadual de Articulação.

Outro integrantes do Conlutas, Hélio Cabral está na Delegacia de Santo Amaro, na área central da capital, com dois motoristas presos pela Polícia Militar por terem se recusado a cumprir a determinação do TRT de voltar ao trabalho.

Procurado pela reportagem, o Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros de Pernambucox (Urbana-PE) ainda não se pronunciou sobre o movimento

Veja íntegra da nota do Governo de Pernambuco:
O Governo do Estado, no papel que lhe cabe, acompanhou, desde o primeiro momento, a negociação salarial mantida entre os representantes dos empregados no transporte rodoviário de passageiros e seus empregadores, procurando contribuir, no interesse da sociedade, para o diálogo entre as partes e para que o processo tivesse satisfatória conclusão para todos.

Malogrados os entendimentos e instaurado o dissídio coletivo, restou ao Governo do Estado aguardar o pronunciamento soberano da Justiça Federal do Trabalho, a qual, por meio do TRT da 6a. Região,  definiu os percentuais de reajuste e determinou a volta imediata dos grevistas ao trabalho.

Em vista do exposto, o Governo do Estado, preocupado com o desconforto causado à população, apela aos líderes sindicais para que respeitem a decisão da Justiça e normalizem o funcionamento do transporte coletivo na região metropolitana do Recife, minimizando os prejuízos à economia e o sofrimento dos dois milhões de usuários do sistema.

O Governo do Estado afirma ainda que se coloca à disposição do Poder Judiciário Federal para contribuir no que for necessário para a solução do conflito, a garantia da ordem pública e a preservação dos direitos da população.

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960