Em Fortaleza, Metrofor inicia testes com VLTs

sábado, 24 de março de 2012

Andar pela cidade com conforto, rapidez e segurança sem enfrentar trânsito soa como um sonho distante para quem enfrenta as vias de Fortaleza. No entanto, para alguns usuários, o transporte ferroviário continua sendo a melhor opção para fugir de engarrafamentos e economizar um pouco. Ainda mais com a implantação de Veículos Leves sobre Trilhos (VLTs), que devem substituir todas as antigas locomotivas com carros de passageiros do sistema ferroviário metropolitano.

A utilização do VLT em Fortaleza e Região Metropolitana começou sua fase de teste no início deste mês. Dois veículos transitam na linha oeste, com trajetos de ida e volta entre a Estação João Felipe e Caucaia. Ao todo, os veículos fazem 12 viagens diariamente em horários alternativos. Segundo Antônio Chalita, gerente de controle e tráfego da Companhia Cearense de Transportes Metropolitanos (Metrofor), em breve o VLT também será testado em horários de pico. “A gente vai implantar gradativamente para saber a resposta do trem, do público e dos funcionários”, explica.

Conforme Chalita, os usuários mostraram-se satisfeitos com a novidade. “É um upgrade que a gente fez para a população. O impacto tem sido muito positivo”, conta. Para Chalita, além da melhoria no conforto visual e sonoro, o VLT traz melhor climatização e distribuição de assentos. Ele explica que o veículo é mais leve por não possuir locomotiva, sendo, assim, mais rápido. São quatro carros, dois motores e dois geradores em cada veículo. “O VLT usa diesel hidráulico, que é mais suave do que o diesel elétrico, usado nas locomotivas”.

O equipamento também possui sistema de telecomunicações, de travamento de portas e de alerta de chegada às estações de embarque e desembarque, com sonorização e letreiro luminoso. Outra novidade é o livre trânsito dos usuários entre veículos durante as viagens. Cada um comporta 208 pessoas sentadas e 558 em pé, além de dois lugares para cadeirantes. Segundo Chalita, os operadores de VLT passam por treinamento teórico e acompanhamento de campo. “A gente está em operação assistida, nós operamos e o fornecedor assiste. Caso o equipamento apresente algum problema, eles solucionam”.

Para Chalita, os únicos problemas para a implantação de VLTs são externos. “Vândalos jogam pedras para atingir o trem. Mesmo nos veículos novos, já temos vidros quebrados”. Segundo ele, os pontos mais críticos são o Álvaro Weyne, a favela do Sossego, próximo ao Antônio Bezerra, e a Curva da Vassoura, próximo ao Araturi. Para evitar a depredação, Chalita explica que existe um sistema de segurança. “Em cada veículo ficam quatro seguranças, um em cada carro, além de dois nas estações. Tem também a equipe externa com duas viaturas e duas motos”, informa.

ENTENDA A NOTÍCIA

As antigas locomotivas devem ser substituídas por Veículos Leves sobre Trilhos (VLTs). Os testes iniciaram este mês na linha oeste e os usuários já aprovaram a mudança. Cada veículo comporta quatro carros e um total de 766 passageiros.
Saiba mais

19,5 quilômetros em dez estações

A linha oeste do sistema ferroviário de Fortaleza liga o Centro da Capital ao centro de Caucaia. Ao todo, são 19,5 quilômetros de extensão divididos em dez estações de embarque e desembarque: João Felipe, Álvaro Weyne, Padre Andrade, Antônio Bezerra, São Miguel, Parque Albano, Conjunto Ceará, Jurema, Araturi e Caucaia. Mais de 10 mil usuários transitam pela linha oeste diariamente.
Serviço

Os testes dos Veículos Leves sobre Trilhos (VLTs) são realizados diariamente na linha oeste

Horários

Sentido João Felipe/Caucaia: 10h05min, 10h50min, 11h35min, 12h20min, 13h05min e 13h50min.

Sentido Caucaia/João Felipe:
10h50min, 11h35min, 12h20min, 13h05min, 13h50min e 14h35min

Fonte: O Povo Online

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960