Empresas de transporte público de Todo o Brasil não ouvem a população

domingo, 11 de outubro de 2009


O transporte público na América do Sul ainda precisa se desenvolver muito até chegar num nível ideal. Especialistas que participaram do Workshop Internacional Tendências Regulamentares de Mercado no Transporte de Passageiros na América do Sul, realizado no Centro de Excelência em Transporte (Ceftru) da UnB, qualificam as empresas de transporte pouco profissionais e desinteressadas em oferecer serviços de qualidade aos usuários.
“No Brasil, temos problemas gravíssimos. Existem conflitos entre o governo e as operadoras de trânsito que fazem com que a operação deixe de ser política pública para ser apenas um negócio privado, onde quem mais sofre é o usuário”, alerta Joaquim José Guilherme de Aragão, doutor em Políticas em Transporte do Ceftru.
A consequência é que a população "desaparece" do transporte coletivo, situação vista em Brasília e em outros países. Aragão lembra que o transporte individual (carros e motos) se torna a melhor alternativa para a sociedade. Ao todo, 100 especialistas participam do encontro, que apresenta diagnósticos e aponta soluções para a melhoria do transporte na América do Sul.
Enilson Medeiros dos Santos, engenheiro civil da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), cita o caso da capital do Chile, Santiago, que manteve por 25 anos um sistema de trânsito não regulamentado e que sofreu o impacto de uma grande mudança na gestão de Michele Bachelet. “A cidade dormiu com o caos e acordou com uma organização radical. O resultado foi a revolta da população pelo desrespeito a sua cultura de movimento na cidade”, exemplifica.
Ele acredita que um encontro internacional é importante para a troca de experiências sobre os diferentes aspectos que influenciam a organização do transporte público. Para ele, o usuário não pode ficar dependente de critérios de mercado para ter direito a qualidade.

1 comentários:

Charlison Aguiar disse...

Sou usuário do transporte coletivo de Manaus (Amazonas) e todos os dias vivo a péssima realidade desse sistema.
O problema maior é sem dúvida pagar caro por um meio de transporte que não tem qualidade! Os coletivos sempre estão superlotados em várias partes da cidade, alguns pegam fogo simplesmente e muitos pregam durante o dia.
O clima de Manaus é muito quente e nossos ônibus não possuem condicionadores de ar, apesar de algum tempo atrás terem colocado climatização não sabemos para onde foi.
Além disso sou também estudante e aqui tínhamos o limite de 120 meias passagens para usar o ano todo nos coletivos, mas infelizmente o novo prefeito (Amazonino Mendes-PTB)reduziu para esse limite para 2 meias passagens diárias (60 meias passagens)e 32 nas férias, pior burocratizou o sistema, pois agora estamos proibidos de pagar a meia nos próprios ônibus, porque a meia agora só antecipado, ou seja, voltamos às filas para comprar o crédito e quando não conseguimos comprar devido a demora ou quando é longe de casa o jeito é pagar inteira mesmo.
Houve aumento na tarifa, mesmo com a redução da meia passagem, agora pagamos R$ 2,25 a inteira.

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960