Com climatização dos ônibus de Teresina, passagem pode chegar a R$ 2,60

segunda-feira, 9 de novembro de 2015

A diretora do Centro de Tecnologia da Universidade Federal do Piauí (Ufpi) e especialista em mobilidade urbana, Nícia Leite, informou na quinta-feira (5) que a passagem de ônibus em Teresina poderia aumentar até 4% com a climatização do transporte. Com o aumento, a passagem pode chegar a custar R$ 2,60. 

Segundo ela, o aumento depende dos acordos entre as empresas de ônibus com os governos federal, estadual e municipal, com relação à desoneração de impostos aos empresários em cada esferea. Em alguns locais, como a cidade vizinha de Timon (MA), por exemplo, as empresas conseguiram fazer a mudança sem repassar aumento de custos aos usuários. 

"Acaba ficando mais caro pela manutenção, então os gastos aumentam, mas não obrigatoriamente aumenta a tarifa. Os governos reduziram impostos em muitos locais onde houve a climatização. E em algumas cidades brasileiras em que já houve a mudança, a tarifa aumentou de 3 a 4%. Tem que ver como ficaria em cada local", disse. 

Quanto aos projetos já elaborados por vereadores da Câmara Municipal de Teresina, Nícia destacou que tramita também na Câmara Federal, desde 2013, um projeto de lei que prevê que todos os ônibus do Brasil sejam climatizados. "Dentro dessa lei haverá a desoneração de tributos para que a tarifa não aumente. A empresa pagará menos impostos, como o ICMS e o IPI", informou.  

Os aumentos e a desoneração comentados dizem respeito aos novos ônibus que seriam adquiridos pelas empresas já completamente planejados de fábrica com ar condicionado. Quanto à adaptação dos ônibus que atualmente circulam em Teresina, a especialista destacou que a iniciativa não compensaria financeiramente. "Até funciona, mas não é ideal. Ocusto é maior, somente o combustível aumenta em 50%, o correto seria vir de fábrica", disse. 

Para ela, a climatização dos ônibus da capital piauiense, onde temperaturas chegam a 40° nos últimos meses do ano, é uma questão de saúde pública. A especialista diz que além da população, os trabalhadores do transporte público sofrem ainda mais com a situação. 

"Teresina já deveria ter, é uma questão de saúde pública. Quem trabalha nos ônibus sofre muito. A medicina do trabalho já elaborou artigos que dizem que 40% das pessoas que trabalham nos ônibus passam por estresse e sofrem com problemas pelo excesso de calor. Tem que se pensar na saúde pública dos trabalhadores", disse.  

Nícia destaca que a melhoria do transporte público está diretamente relacionada com a melhoria da mobilidade urbana de Teresina. "Não privilegiar o transporte público é ruim para tudo, para a própria mobilidade. Tem que ter transporte de qualidade para que se retire das ruas os carros de passeio, isso é urgente e necessário", disse. 

Projetos

Um projeto de lei de autoria da vereadora Cida Santiago (PHS) foi apresentado na CMT e rejeitado em votação pelos vereadores. O texto previa a climatização imediata de todos os ônibus da capital. A votação contrária ocorreu sob a justificativa de que o projeto do Plano Diretor do transporte público de Teresina já previa a mudança.

Contudo, no início dessa semana, 17 vereadores apresentaram um projeto que prevê a climatização gradual dos veículos. Segundo eles, a alteração imediata geraria aumento da passagem e prejuízo aos usuários. O projeto deve ir a votação nos próximos 15 dias. 

Por Maria Romero

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960