Tarifa de ônibus vai aumentar 9% em Itajaí

terça-feira, 7 de julho de 2015

Seis meses após o último reajuste nas tarifas do transporte coletivo, em Itajaí, as passagens sofrerão novo aumento a partir da próxima segunda-feira. O prefeito Jandir Bellini autorizou um reajuste de 9%. O valor passará de R$ 3 para R$ 3,27 (na compra antecipada) e de R$ 3,30 para R$ 3,60 (no embarque). Quem não tem vale-transporte e usa o cartão paga hoje cerca de R$ 90 _ esse valor passará para R$ 98,10.
Foto: Marcos Porto / Agencia RBS
A prefeitura informa que o pedido de aumento foi analisado por técnicos do Executivo que consideraram necessário o reajuste da inflação para manter o equilíbrio financeiro da empresa sem prejudicar a qualidade dos serviços prestados aos usuários. O secretário de Urbanismo, Paulo Praun, nega que se trate de um aumento, mas de uma reposição com base na inflação acumulada nos últimos 12 meses. Ele não soube informar o índice considerado.

— Só estamos dando o reajuste com base no combustível, que ficou acima da inflação, e dos preços do óleo e das peças que também subiram. Isso realmente impacta no valor — argumenta.

No entanto, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) acumulado nos últimos 12 meses ficou em 8,47% e o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), em 8,76% no mesmo período. Ambos são calculados pelo IBGE.

— O grande problema está no aumento de custo geral. Se ficarmos muito tempo sem dar reposição, teremos que fazer tudo de uma vez, o que vai deixar o valor muito alto — justifica Praun.

Conforme a prefeitura, os cartões já comprados terão validade na tarifa atual durante 30 dias. Até sexta-feira os usuários poderão recarregar pelo preço atual de R$ 3.

Um dos proprietários da Coletivo Itajaí, Alexandre Rizzi, informou nesta segunda-feira à tarde que não iria se manifestar porque a empresa ainda não havia sido notificada sobre o reajuste pela prefeitura. De acordo com o Executivo, a empresa pleiteava a tarifa de R$ 3,70 desde abril.

Usuários vão apelar para a bicicleta

A diarista Monica Andrade dos Santos, 23 anos, usa o ônibus todos os dias para trabalhar. Como são raras as casas em que ganha o valor do transporte separado, o aumento vai pesar no bolso dela:

— Vai impactar bastante, essa diferença vai sair do meu bolso.

A moradora do bairro Cordeiros também não economizou críticas ao serviço.

— Os ônibus vêm muito lotados e os motoristas não têm respeito pelos idosos, crianças de colo e mulheres grávidas. Se eu pudesse, andava só de bicicleta — queixa-se.

O casal Jeniffer Corrêa, 20, e Cristiano Rossi Graf, 24, costumam usar o transporte coletivo duas vezes por semana, quando vão visitar parentes que moram longe, ou em dias de chuva. Eles também reprovam o novo aumento.

— É um absurdo. Está compensando mais comprar um carro — diz Graf.

Jeniffer reclama do atendimento prestado pela Coletivo Itajaí. Segundo ela, é comum esperar até 40 minutos no terminal da Fazenda por um ônibus que vá em direção ao bairro, onde mora. 

— Umas três vezes que eu estava andando de bicicleta no Centro quase fui atropelada — conta.

O casal disse que vai procurar evitar o transporte coletivo e dar prioridade para a bicicleta para não sofrer com o aumento da tarifa.

SERVIÇO

Veja onde fazer recargas no valor atual de R$ 3 até sexta-feira:
Terminal da Fazenda - das 8h às 18h
Escritório da Coletivo - das 8h às 12h e das 13h30min às 18h
Terri - das 7h45min às 12h e das 13h30min às 17h30min

Informações: O SOL DIÁRIO

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960