Número de cobradores será reduzido em Curitiba

sexta-feira, 31 de maio de 2019

"A função de cobrador do transporte coletivo não será extinta em Curitiba, mas o número de trabalhadores será reduzido até 2023. Isso é o que prevê o acordo fechado no Ministério Público do Trabalho (MPT) entre representantes dos sindicatos dos motoristas e cobradores (Sindimoc), das empresas de ônibus (Setransp) e da Urbs, empresa que gerencia o transporte na capital, para a implantação gradativa da bilhetagem eletrônica no sistema de ônibus da capital.

"Apesar do acordo, um projeto sobre o tema ainda será votado pelos vereadores na Câmara Municipal. Um substitutivo ao projeto original – que previa o fim dessa função com a bilhetagem exclusivamente eletrônica – deve ser discutido e votado pelos parlamentares. Ainda não há data definida para isso ocorrer.

Com o acordo firmado, ficou definido que os trabalhadores passarão por cursos de requalificação e eles serão oferecidos pelas empresas de ônibus. Aos poucos, o número de cobradores será reduzido, mas alguns empregos ainda seguirão existindo em Curitiba. 

A ata da reunião no MPT diz que, após maio de 2023, “continuará a quantidade necessária de cobradores para operação do sistema de transporte coletivo de Curitiba, conforme programação operacional que vier a ser determinado pelo Poder Concedente”.

“A função de cobrador não vai acabar. O sistema não suporta. É preciso ter cobrador nas estações-tubo, em ônibus articulados, como os Interbairros. Os motoristas não têm como cuidar das portas, dos passageiros e ainda do trânsito”, opinou o vereador do PSC e vice-presidente do Sindimoc, Rogério Campos.

Atualmente cerca de 3,5 mil cobradores trabalham no transporte coletivo em Curitiba, segundo dados do Sindimoc. Se considerarmos toda a RMC, o número chega a 6 mil. O acordo assinado no MPT diz respeito apenas à capital. A Coordenação da Região Metropolitana (Comec) informou que a negociação referente ao transporte da RMC ainda será feita pelas 16 empresas que atuam na região.

A estimativa do Sindimoc é de que, depois de maio de 2023, restem entre 900 e 1,2 mil cobradores em Curitiba. A Urbs, porém, afirma que não é possível mensurar esse número neste momento, mas que serão mantidas as vagas necessárias para operar o sistema.

Para o presidente da Urbs, Ogeny Pedro Maia Neto, os pontos acertados no MPT foram importantes para Curitiba, pois garantem que haverá evolução tecnológica no sistema de transporte e ainda atendem à demanda dos trabalhadores por requalificação. “Esses profissionais terão o tempo necessário para a maturação de uma nova profissão. A Urbs deixou claro que a implantação da bilhetagem eletrônica seria gradativa. Agora isso se confirmou com o acordo firmado MPT”, afirmou.

Informações: Gazeta do Povo


Colabore com o Blog Clicando nos anúncios da página

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960