Obras do BRT de Goiânia serão retomadas

terça-feira, 30 de janeiro de 2018

Durante reunião nesta segunda-feira, 29, o ministro das Cidades, Alexandre Baldy (sem partido) anunciou junto ao prefeito de Goiânia, Iris Rezende (PMDB) a retomada das obras do BRT, na capital.

A construção que foi iniciada em 2015 está paralisada desde junho do ano passado. Segundo Baldy, o reinício das obras será autorizado já “nos próximos dias”.

Também participaram da reunião o deputado federal Daniel Vilela (PMDB), o presidente da Caixa Econômica Federal (CEF), Gilberto Occhi, a superintendente da (CEF) em Goiás, Marise Ferandes de Araújo, e auxiliares da Prefeitura e do Ministério.

Os representantes acordaram que o projeto será retomado dentro do programa Avançar, do governo federal, mais ainda não estabeleceram uma data definida para o início do serviço. A retomada das obras será fechada junto ao Ministério Público Federal (MPF).

Recursos

Em coletiva de imprensa, o ministro afirmou que “não faltará recurso do governo federal para atender as obras do BRT de Goiânia, de acordo com os contratos que estão vigentes, para que a população seja servida por esse modal”.

Além disso, destacou que “uma obra parada prejudica a economia, traz dificuldades para a população e para a administração”. Baldy ainda pontuou que os recursos serão liberados de acordo com as medições realizadas e toda a parte burocrática já está sendo viabilizada”, finalizou.

Conforme o prefeito, ainda não foi definido qual trecho da obra será retomado em primeira instância. “Nós vamos avaliar qual a necessidade, todos os aspectos técnicos, para saber por onde começar. Vai ser feito de acordo com a demanda da população, garantindo o cumprimento de um cronograma, que também vai ser discutido. O importante é que o governo federal nos deu todo o respaldo e a segurança para que todo o trabalho seja retomado”, afirmou.

Interrompida

Segundo a gestão municipal, a obra do BRT foi paralisada em meados de junho de 2014 e até o momento, já foram gastos R$ 63 milhões nas obras, orçadas inicialmente em R$ 244 milhões.

Lembrando que antes da última paralisação, a obra já havia sido interrompida por seis meses devido a uma dívida de R$ 11 milhões por parte da CEF ao consórcio formado pelas empresas EPC e WGV.

Na época, os recursos foram retidos após a Controladoria Geral da União (CGU) e o Tribunal de Contas da União (TCU) apontarem que itens e materiais estariam acima e outros abaixo do preço.

Apesar destes impasses, Baldy afirmou após a reunião de hoje, que todos os problemas relacionados à planilha e que tornavam a situação da construção pendente já foram devidamente solucionados.

BRT

O projeto lançado em março de 2015 no governo de Dilma Rousseff (PT), promete atender 148 bairros de Goiânia e Aparecida de Goiânia com 93 ônibus, sendo 28 articulados e 65 convencionais, em quatro linhas.

O corredor ligará as regiões noroeste, no Terminal Recanto do Bosque em Goiânia, e sudoeste, no Terminal de Integração Cruzeiro do Sul, na divisa com Aparecida. Entre as vias que estão entre o trajeto estão a Avenida Rio Verde, Avenida 4ª Radial, Avenida Goiás, Avenida Lúcio Rebelo e Rua Oriente.

Conforme a prefeitura, a expectativa é de que cerca de 120 mil pessoas possam usar o transporte diariamente.

Informações: Diário da Manhã

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960