Em Porto Alegre, EPTC acelera instalação de placas de linhas de ônibus

quinta-feira, 3 de novembro de 2016

Mais de quatro anos depois de um grupo de publicitários iniciar um projeto popular de adesivamento de paradas com informações sobre o itinerário de ônibus, a Prefeitura de Porto Alegre finalmente começou a agilizar o processo de instalação de placas indicativas pela Capital.
Foto: Guilherme Santos/Sul21

Até o momento, 289 paradas já receberam as placas. O mobiliário, regulamentado de acordo com o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), em fundo azul, apresenta decodificadores com o número e nome das linhas que passam naquela parada. Cada um deles sinaliza a região atendida pela linha, sendo estampados nas cores azul (região Norte); vermelho (Sul); verde (Leste) e amarelo (para as linhas transversais, circulares e universitárias/Carris).

A arquiteta Simone Caberlon, da equipe de informação de mobiliário urbano da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), explica que o projeto foi iniciado ainda em 2014, mas foi realizado lentamente em razão da previsão já existente de entrada em vigor do novo sistema após a licitação do transporte coletivo da cidade. A expectativa era que fosse retomado com o início do novo sistema, em fevereiro deste ano. No entanto, como explica Simone, dificuldades financeiras da gestão municipal adiaram para agosto a implantação contínua das placas – cada placa custa, em média, R$ 150.

Com a liberação de recursos, a intenção da EPTC é chegar a 500 das 4 mil paradas existentes até o final deste ano – a sinalização também será colocada nos terminais de ônibus. Entre as principais vias já contempladas estão as avenidas Plínio Brasil Milano, Cristóvão Colombo, Aureliano de Figueiredo Pinto, Érico Veríssimo, 24 de Outubro, Benjamin Constant, Cel. Bordini, Borges de Medeiros, Praia de Belas e Ipiranga.

Não há, porém, previsão de quando chegará a bairros mais afastados do Centro, como Sarandi, no extremo norte da cidade, e Restinga e Belém Novo, no extremo sul. Segundo Simone, o cronograma para o próximo ano já está em fase de elaboração, mas a sua implantação dependerá da nova gestão da Prefeitura.

A primeira iniciativa de informar os usuários do transporte coletivo de Porto Alegre sobre o itinerário dos ônibus não partiu da EPTC. No primeiro semestre de 2012, um grupo de publicitários da empresa Shoot the Shit tomou a iniciativa de colocar 50 adesivos em paradas da cidade para que os próprios usuários indicassem os coletivos que passavam nos locais. Chamado de “Que ônibus passa aqui” e com o custo total de apenas R$ 100, o projeto alimentou a discussão sobre a falta de informação a respeito do transporte público na cidade.

Inicialmente tratado como vandalismo pela Prefeitura e pela EPTC, o projeto posteriormente foi abraçado pela administração municipal.

Em 2013, foi estendido para 30 municípios do País e duas cidades de fora (Cidade do México e Lima, no Peru) e foi premiado pelo jornal britânico The Guardian como a melhor ideia para cidades no desafio The World Cities Day Challenge. Gabriel Gomes, um dos criadores do projeto, disse que a ideia surgiu da premissa de que é possível criar soluções simples para os problemas das cidades. “A gente viu que a sinalização de pontos de ônibus é um problema e não só em Porto Alegre”, diz.

Segundo Gabriel, a última contribuição da empresa com a Prefeitura ocorreu em 2014, quando os publicitários entregaram layouts que serviram de base para o projeto atual.

A arquiteta Simone reconhece que a iniciativa da Shoot The Shit foi importante para colocar em ação projetos que já existiam na EPTC, mas que não recebiam atenção do poder público. “Ele ajudou a colocar essa assunto em pauta e fazer com que isso fosse considerado uma prioridade”, afirma.
Os adesivos originais, no entanto, foram alvo de múltiplas ações de vandalismo. “Infelizmente, aquelas placas acabaram também sendo vandalizadas ao longo do período”, diz.

Agora, com as novas placas de metal colocadas em uma altura mais elevada, ela diz que ficou mais difícil para depredações. “Existe vandalismo ainda, mas reduziu porque essas placas não ficam ao alcance da mão das pessoas. É um pouco mais difícil o acesso. Não é tão fácil de pichar, destruir”, diz.

Por Luís Eduardo Gomes
Informações: Sul21

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960