Tarifa de ônibus em Belém é reajustada para R$ 3,00

quarta-feira, 22 de junho de 2016

O conselho municipal de transporte de Belém aprovou, nesta quarta-feira (22), a proposta do  valor de R$ 3 para a tarifa de ônibus urbano na capital. O valor é o mesmo apresentado na planilha de custo da Secretaria de Mobilidade Urbana de Belém (Semob), e está abaixo da quantia pedida pelos empresários do setor, que haviam apresentando um estudo alegando que a passagem deveria custar R$ 3,25.

A reunião do conselho começou por volta de 15h30, e a tarifa foi aprovada por 9 votos a 4. O conselho, porém, não tem poder para reajustar o preço da passagem: o aumento só pode ser sancionado pelo prefeito de Belém, Zenaldo Coutinho.

Composto por representantes da Semob, sindicato dos rodoviários, taxistas, empresários do setor de transporte, o conselho é uma entidade que representa a sociedade civil para avaliar as propostas de aumento da passagem do ônibus.

Este ano, foram recebidas duas planilhas: a do Setransbel, que apontava que os atuais R$ 2,70 deveriam ser reajustados para R$ 3,25; e a da Semob, que assinalava como valor justo R$ 3. Caso desejasse, o conselho poderia determinar a elaboração de uma terceira tabela - como o valor proposto pelo estudo conduzido pela Semob foi aprovado, não houve necessidade.

Reajuste acima da inflação
A inflação dos últimos 12 meses ficou em 10,61%. As duas propostas, apresentadas pela Semob e Setransel estão bem acima desse percentual. O impacto para o trabalhador, que ganha um salário mínimo, é grande: se for levado em consideração que o trabalhador pega pelo menos dois ônibus por dia, ele vai gastar R$129,60  por mês.

“O salário dos motoristas aumenta com a cobrança, mas quem paga somos nós. E os ônibus como é que ficam?”, questiona o autônomo Felipe Rodrigo.

“Eu acho que já passou do tempo e nós temos que discutir a questão da qualidade do transporte na nossa capital, que merece um transporte de boa qualidade.”, disse o economista Roberto Sena, do Dieese.

“O salário dos motoristas aumenta com a cobrança, mas quem paga somos nós. E os ônibus como é que ficam?”, questiona o autônomo Felipe Santos.

Informações: G1 PA

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960