No Recife, Corredor Leste-Oeste do BRT terá nova licitação

terça-feira, 8 de março de 2016

Verdadeiros “esqueletos”. É nesse estado que estão as estações ainda não concluídas do Corredor Leste-Oeste e que atenderiam aos passageiros do Via Livre, o sistema de Bus Rapid Transit (BRT) que opera na Região Metropolitana. Apenas 15 das 27 projetadas estão em funcionamento. Já faz um ano e meio que as obras foram abandonadas e, como admite o Governo do Estado, não será tão cedo que tudo poderá servir aos usuários.

Quando forem retomados, para o que ainda não há previsão, os serviços devem prosseguir até 2017. A causa do atraso, diz a Secretaria das Cidades (Secid), foi a rescisão de contrato com a construtora Mendes Jr., envolvida na Lava Jato. A previsão é de que uma nova licitação seja aberta até maio. Por enquanto, certo é que o gasto público, estimado em R$ 146 milhões e que, com aditamentos e mudanças contratuais, havia passado para R$ 169 milhões, crescerá ainda mais. 

O processo está na fase de identificação do remanescente do que ficou inacabado ao longo dos 16 km do corredor. O trabalho está sendo feito pela empresa Policonsult, com custo de R$ 350 mil. Só após os resultados será possível ter ideia do quanto será gasto a mais para concluir os serviços, que começaram em dezembro de 2011 e tinham conclusão prevista até a Copa do Mundo de
2014.

Nem todas as estações chegaram a ser iniciadas, como as da avenida Belmino Correia, em Camaragibe. Outras são puro descaso, como as seis da avenida Conde da Boa Vista, no Centro do Recife. Por lá, só estruturas metálicas se deteriorando.

Três ganharam tapumes para evitar depredações. “A tarifa fica mais cara e pouca coisa melhora”, criticou o marceneiro Gilberto Santos, 60. No caso da avenida, os atrasos tomam forma no desalento de ver os BRTs passando por lá sem poder parar.

É o caso das linhas TI Camaragibe (Centro) e TI Caxangá (Centro). A última estação em funcionamento antes da Conde da Boa Vista fica na Praça do Derby, também na área central. A seguinte, só na avenida Guararapes. Quem quer desembarcar na Boa Vista tem que caminhar bastante ou optar pelas linhas convencionais, sem ar condicionado e autorização para usar a faixa exclusiva do Leste-Oeste.

“Tudo já estava sucateado e agora,com as estações fechadas (com tapumes), deve ser sinal de que vai levar mais tempo para se tornar realidade”, opinou a dona de casa Ana Lúcia
Ramos, 48.O servidor público Marinaldo Santos, 39, endossou: “Faltou planejar. O que foi gasto poderia ter melhorado o serviço que já existe”, declarou. 

Em nota, a Secid ressaltou que a rescisão com o consórcio Mendes Jr./Servix “por abandono das obras e quebra de contrato” foi “unilateral” e que houve “aplicação de multa contratual” aos envolvidos. A pasta também esclareceu que a Policonsult já “está concluindo o levantamento do remanescente” das obras. Já sobre os tapumes das estações da Boa Vista, o
Grande Recife Consórcio informou que não houve gastos extras, visto que foram usados materiais disponíveis.

Por Luiz Filipe Freire e Marcílio Albuquerque
Informações: Folha de Pernambuco

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960