Metrô de SP manda trabalhadores remontarem trens canibalizados

domingo, 13 de março de 2016

O Sindicato dos Metroviários de São Paulo denunciou hoje (11) que a Companhia do Metropolitano de São Paulo (Metrô) está exigindo que os trabalhadores do setor de manutenção façam hora extra neste final de semana (12 e 13) para realizar uma “maquiagem” nos trens que estão sofrendo “canibalização” para garantir a manutenção de outras composições da companhia. “Os trens foram colocados em um local mais discreto e querem que os trabalhadores refaçam o salão do trem: recoloquem os painéis, reinstalem as sancas, as lâmpadas, portas e luminárias. Tudo para encobrir o desmonte”, afirmou o diretor-executivo do sindicato Alexandre Roldan.

Segundo Roldan, os trabalhadores – que estão oficialmente proibidos de fazer hora extra por determinação da direção do Metrô, para cortar gastos – teriam de trabalhar todo o fim de semana, pois em breve deve ocorrer uma visita de fiscalização do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo (TCE) e também do Ministério Público do Estado (MPE). “Os metroviários solicitaram que fizéssemos uma assembleia no local e votaram por não aceitar a determinação da empresa”, disse o sindicalista.

A fiscalização do TCE está planejada, justamente devido à denúncia sobre o desmonte dos trens, mas não teve revelada a data em que vai ocorrer. A reportagem não obteve confirmação da visita do MPE.

Para o sindicalista, o Metrô tenta desqualificar a denúncia publicada pela RBA, na última terça-feira (8), de que a empresa está utilizando peças de cinco trens parados no pátio de manutenção de Itaquera, zona leste da capital, para realizar consertos em outras composições que necessitam de revisão, segundo o Sindicato dos Metroviários. Os trens “canibalizados” são as composições H59, K09, K17, K21 e L43.

Os principais itens retirados dos trens são vidros de janelas, portas, fechaduras, lâmpadas, faróis, motores de tração, bancos de passageiros e de operadores, redutores, contrassapatas e até extintores de incêndio. “São 11 trens parados no total, sendo cinco em Itaquera e seis no Jabaquara. E esses acabam sendo 'canibalizados', pois como não há determinadas peças, aproveitam e tiram as peças deles para garantir a operação de outros trens”, relatou o secretário-geral do sindicato, Alex Fernandes.

Na tarde de hoje, os diretores do Metrô paulista admitiram que retiraram peças de cinco trens para garantir a manutenção de outras composições, mas alegaram que é um procedimento planejado, feito apenas em trens novos. “A foto (na reportagem) mostra um trem novo que espera para entrar em teste. Ele forneceu peça para outro trem que estava rodando e teve problema, mas ainda está na garantia. Assim, não tiramos o trem da operação”, disse o diretor de Operações da companhia, Mário Fioratti Filho,

Segundo Fioratti, trata-se de uma “opção”, uma “estratégia de manutenção” que é feita em metrôs “no mundo todo”. “Se temos falha de uma peça em um trem, que está na garantia, mando a peça para o fabricante e retiro uma outra de um trem que esteja esperando a vez para realização de testes. Assim não retiro o trem de circulação. Temos uma fila de trens e utilizamos sempre o último da fila”, afirmou. Também participaram da reunião o presidente do Metrô, Paulo Menezes Figueiredo, e o diretor de Engenharia e Construções, Paulo Sérgio Amalfi Meca.

A afirmação foi questionada por Roldan. “Um trem em fase de testes não fica naquela situação que as fotos demonstraram. Os trens estão sendo depenados porque não temos peças para realizar manutenção adequadamente”, afirmou.

Informações: Rede Brasil Atual

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960