Mercedes-Benz expande operações na América Latina

domingo, 14 de junho de 2015

O Grupo Daimler dá mais um salto marcante em sua expansão na América Latina. A Companhia inaugurou no fim de maio uma nova fábrica de ônibus na Colômbia, localizada na cidade de Funza, região metropolitana de Bogotá, capital do país. O evento contou com a presença do presidente da república, Juan Manuel Santos Calderón, juntamente com autoridades, parceiros e convidados, bem como, funcionários e executivos da Empresa.

“Este é um momento muito importante para a nossa Empresa e para o Grupo Daimler, que deu todo o apoio para a construção da nova planta”, disse Mathias Held, presidente da Daimler Colômbia. “Podemos assim atender às novas necessidades e exigências do mercado colombiano, satisfazendo às mais altas expectativas dos clientes locais”.

“Com um investimento de mais de 5 bilhões de pesos (aproximadamente US$ 2 milhões), temos hoje nossa primeira planta de ônibus com a avançada tecnologia BlueTec 5 da Mercedes-Benz, que oferece benefícios em termos de eficiência e consumo de combustível, reduzindo também as emissões de poluentes”, diz Mathias Held. “Assim, seguimos avançando com o compromisso de oferecer ao mercado veículos para transporte coletivo que atendem às normas vigentes em todas as cidades colombianas e nos demais países da região”.

A Mercedes-Benz do Brasil é parceira da nova fábrica, fornecendo chassis de ônibus em regime CKD (veículo completamente desmontado) para produção final da nova linha de montagem em Funza.

Presença histórica e tradicional na Colômbia

A marca Mercedes-Benz está presente na Colômbia desde 1948. No ano de 1998, a representação local passou a ser uma filial do Grupo Daimler. Desde então, a Daimler Colômbia tem vivenciado uma constante expansão em sua organização, bem como em sua rede de concessionários e distribuidores autorizados. Atualmente, são mais de 15 parceiros de negócio nas principais cidades do país.

Os veículos montados ali alcançaram rápido sucesso no mercado devido a segurança e conforto proporcionados pela tecnologia de ponta e excelência da qualidade Mercedes-Benz, e também ao avançado sistema de controle de emissões, atendendo especialmente às normas ambientais do SITP (Sistema Integrado de Transporte Público) da cidade de Bogotá, o Transmilenio, referência mundial em transporte coletivo.

A Mercedes-Benz tem forte presença no SITP, com mais de 60% de participação nos veículos novos integrados a este sistema. Como consequência, está agora expandindo a montagem de chassis de ônibus com a inauguração da nova planta.

Há mais de 15 anos, a Daimler Colômbia atua no mercado do transporte coletivo urbano de massa em seu país, o que envolve os sistemas de Bogotá, Pereira, Bucaramanga, Medellín e outras importantes cidades. São mais de 3.000 ônibus de alta qualidade e tecnologia de ponta rodando por suas vias, além de um modelo único de serviço de manutenção da Daimler durante 24 horas por dia e 7 dias por semana. Esse serviço monitora o funcionamento de cada um destes veículos, a fim de manter os sistemas de segurança, garantir o ótimo nível de emissões, aumentar a vida útil dos componentes e diminuir os custos operacionais para os clientes.

Capacidade inicial para produção de 4.000 chassis de ônibus por ano

Devido à alta demanda por ônibus de última tecnologia, a Daimler Colômbia decidiu apostar na nova planta, que conta com uma área de 11.000 metros quadrados e que terá uma capacidade instalada de 4.000 unidades por ano em sua fase inicial de operação.

Num primeiro momento, serão montados ali seis modelos de chassis de ônibus, com o intuito de serem novas referências no transporte de passageiros no País, indicados para aplicações como os sistemas integrados de transporte urbano, serviços intermunicipais, serviços especiais e transporte escolar. Esse portfólio atende assim à demanda por veículos de alta qualidade com a melhor tecnologia e com maior segurança nas vias.

O maior fabricante de veículos comerciais da América Latina

Com a inauguração da nova fábrica de chassis de ônibus em Funza, na Colômbia, a presença da Daimler está cada vez mais forte na América do Sul, o que reforça seu posicionamento de maior fabricante de veículos comerciais da América Latina.

A Mercedes-Benz do Brasil é responsável por todos os negócios do Grupo Daimler na América Latina, bem como pela operação de cinco unidades industriais. São três unidades no Brasil (caminhões, chassis de ônibus e agregados são produzidos em São Bernardo do Campo/SP; caminhões em Juiz de Fora/MG; e central de distribuição de peças e pós-vendas em Campinas/SP); uma planta na Argentina (para fabricação de veículos da linha Sprinter, caminhões e chassis de ônibus); e a recém inaugurada unidade na Colômbia (montagem de chassis de ônibus).

A Daimler Latina concentra a responsabilidade pelas atividades comerciais de produtos das marcas Mercedes-Benz, Fuso, Freightliner, Thomas Built Buses, Western Star e Detroit Diesel em 43 países da região, com exceção do Brasil e da Argentina, que já possuem operações próprias de seus negócios; e do México, que integra outra divisão com os Estados Unidos.

READ MORE - Mercedes-Benz expande operações na América Latina

Plano de Mobilidade do Recife fica para 2016

O Plano de Mobilidade do Recife só deve ficar pronto no meio do ano de 2016 e deve dar prioridade ao transporte público de passageiros. Isso quer dizer que o planejamento urbano da cidade não irá incluir novas vias para carros, mas a adaptação do sistema viário para ônibus e outros modais, motorizados ou não. A informação foi dada pelo Instituto Pelópidas Silveira, responsável pelo desenvolvimento urbanístico da capital pernambucana e que iniciou, nesta quinta-feira (11), a elaboração do plano por meio de participação de especialistas e da população.

De acordo com a determinação da Lei Federal 12.587 de 2012, os municípios brasileiros com mais de 20 mil habitantes deviam ter entregue os planos de mobilidade até o dia 30 de abril deste ano, para, assim, poderem pleitear recursos federais na execução de obras. A justificativa da Prefeitura do Recife, quando o prazo se esgotou e o documento não foi finalizado, foi a de que faltava um estudo de fluxo de pessoas na Região Metropolitana. Essa pesquisa, que seria elaborada pelo Grande Recife Consórcio de Transportes através da solicitação do Governo do Estado, iria mostrar como a população se movimenta diariamente dentro do perímetro urbano.

Só que agora a prefeitura decidiu se antecipar a novos atrasos do Grande Recife e vai produzir seu próprio estudo, mais simples, para dar andamento ao projeto. Ao invés de analisar as pessoas em toda a Região Metropolitana e, assim, saber para onde vão e como se locomovem durante o dia, o levantamento irá até pontos de interesse da cidade, a exemplo de universidades e comércio, para saber como é a rotina das pessoas. “Infelizmente, o governo não conseguiu contratar a pesquisa. A gente está saindo na frente, com nova metodologia. Ao invés de ir à casa das pessoas, vai fazer a pesquisa no destino. Ela não pega as pessoas atravessando o Recife, por exemplo, mas é fundamental para dar andamento ao projeto”, disse João Domingos, presidente do Instituto Pelópidas Silveira.

A prefeitura espera que estudos complementares, englobando todas as cidades do Grande Recife, também sejam realizados, por meio das outras 13 gestões municipais e pelo governo do Estado. O último levantamento do tipo foi realizado há mais de 20 anos e não contempla, por exemplo, novos vetores de desenvolvimento da Região Metropolitana, como Suape e Paulista. “O novo plano começa agora, porque o plano que a gestão anterior encaminhou para a Câmara dos Vereadores não atendia as diretrizes da Polícia Nacional de Mobilidade. E um dos insumos principais é a elaboração da pesquisa de origem e destino”, justificou João Domingos.

O novo plano que será elaborado tem duração de 20 anos, como está na lei, mas prevê revisões no decorrer dos anos. Para concluir esse documento, que vai nortear todos os investimentos em mobilidade do Recife, a prefeitura espera realizar mais de dez encontros com profissionais de engenharia e arquitetura, além da sociedade civil. Dentre os temas que devem ser discutidos estão a relação do Recife com seus rios e o plano cicloviário.
Prefeitura do Recife promoveu encontro para discutir Plano de Mobilidade Urbana (Foto: Vitor Tavares / G1)
No primeiro encontro, nesta quinta, estiveram presentes pessoas que vão atuar diretamente na produção do Plano de Mobilidade, como o engenheiro Sideney Schreiner, o mestre em engenharia civil Maurício Pina e o doutor em planejamento e engenharia de transportes Cesar Cavalcanti. Para os profissionais que fizeram parte da mesa, não há dúvidas: a saída para o caos no trânsito é a prioridade no transporte público.  "Com certeza os carros vão perder espaço. É caminho sem volta. Agora o que será sacrificado será analisado ainda", disse João Domingos.

Para Cesar Cavalcanti, não há como buscar melhorias no modelo atual da cidade. Ele citou o exemplo da Avenida Herculano Bandeira, no Pina, que possui cinco faixas, sendo quatro para carros e uma para ônibus. Nas faixas dos veículos individuais, 4 mil pessoas são transportadas no horário de pico; já na faixa de transporte coletivo, esse número sobe para 13 mil pessoas. "Enquanto o foco estiver nos carros, não teremos solução do problema no trânsito", ressaltou.

Por Vitor Tavares
READ MORE - Plano de Mobilidade do Recife fica para 2016

Motoristas e cobradores de ônibus de Fortaleza aprovam estado de greve

Os motoristas e cobradores de ônibus aprovaram o estado de greve, em assembleia realizada na manhã deste sábado, 13, na sede do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários do Estado do Ceará (Sintro), na avenida Tristão Gonçalves, em Fortaleza. Ao todo, 200 trabalhadores do turno da manhã participaram da votação.

A segunda reunião, com trabalhadores dos turnos da tarde e da noite, também resultou no estado de greve. O presidente do Sintro, Domingos Neto, informou que haverá mobilização nos locais de trabalho, para chamar a atenção do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros do Estado do Ceará (Sindiônibus).

"Esperamos que o Sindiônibus traga uma proposta melhor para a categoria. Nosso objetivo não é prejudicar os passageiros, mas uma melhoria à classe", declarou Domingos.

A greve será decretada caso as negociações com o Sindiônibus não avancem. Uma reunião entre os sindicatos está marcada para esta terça-feira, 16, na sede do Ministério do Trabalho no Ceará. 

A categoria reivindica reajuste salarial de 13%, cestas básica no valor de R$ 130 e vale-alimentação de R$ 13. O Sindiônibus oferece reajuste de 8,34% e afirma que a reposição da inflação com base no INPCO está garantida.

Na primeira rodada de negociação, os representantes dos trabalhadores começaram pedindo reajuste de 18% no salário, aumento no vale de R$ 10 para R$ 15 e na cesta básica de R$ 90 para R$ 150, além de 100% do plano de saúde - hoje, é garantido 50%.

Na quinta-feira, 11, uma paralisação deixou o terminal Papicu bloqueada por cerca de duas horas.  O ato, segundo o presidente do Domingo Gomes Neto, era para convocar os trabalhadores para a votação do estado de greve.

Informações: O Povo Online

READ MORE - Motoristas e cobradores de ônibus de Fortaleza aprovam estado de greve

Em Manaus, Circulação de ônibus fora do T2 gera reclamação, no primeiro dia de mudança

O primeiro dia de intervenções para a reforma do Terminal da Cachoeirinha (T2), zona sul, foi marcado por muita reclamação por parte dos usuários do transporte. Os passageiros que não tenham o cartão Passa Fácil precisam pagar uma nova passagem para o embarque em outro ônibus. A novidade pegou muitos passageiros de surpresa e até desprevenidos financeiramente.
Foto: Reinaldo Okita
Morador do bairro Compensa, zona oeste, o industriário Charles Ferreira criticou a falta de divulgação sobre o procedimento que os passageiros que pagam a tarifa em dinheiro deveriam adotar. “Não sabia que ia ser desse jeito. Desci no lugar errado, não tem faixa para a gente atravessar e ainda vou ter que desembolsar mais R$3”, afirmou.

O desconhecimento sobre o novo itinerário a ser seguido pelos ônibus não foi uma exclusividade dos usuários, neste primeiro dia de mudanças. Enquanto esteve em um ponto de ônibus próximo a um supermercado, o Portal D24am presenciou até um motorista do transporte perguntar ao fiscal da Superintendência Municipal de Transportes Urbanos (SMTU) sobre o percurso  que deveria seguir.

Aguardando na parada próxima a uma funerária, na Avenida Carvalho Leal, para ir para o bairro Monte Pascoal, zona norte, a estudante Amanda Queiroz, que esperava a linha 550, precisou que o amigo pagasse a passagem dela no cartão Cidadão.

“Isso é uma falta de respeito. Não estava preparada para pagar uma passagem a mais. Estão distribuindo um panfleto, hoje, dizendo que deveríamos ter adquirido o cartão”, reclamou.

O panfleto distribuído pelos fiscais, neste sábado, informa os usuários sobre a reforma do Terminal 2, orçada em R$ 2,1 milhões e orienta que os passageiros que ainda não possuem os cartões Passa Fácil (Estudante, Vale Transporte e Cidadão)e pagam a tarifa em dinheiro, adquiriam o benefício.

Acostumada a vir de Iranduba, todo final de semana, para cuidar dos pais idosos, a estudante Sandra Cristina Ferreira conta que também ficou surpresa ao descobrir que precisaria pagar mais uma passagem, apesar dos pontos estarem atuando como um terminal. “Gasto R$ 7 para vir de Iranduba e agora terei que pagar R$ 6 aqui em Manaus. A sorte é que tinha dinheiro. Senão ia ligar para alguém de Iranduba vir me buscar”, afirmou.

Com o valor de apenas duas passagens no bolso, o vigilante Adenilson Castro não sabia como seguiria viagem para buscar a filha, no Parque da Laranjeira, zona centro-sul, que passaria este final de semana com ele.

Orientado por agentes do Manaustrans, a procurar um fiscal da SMTU para viabilizar sua entrada no ônibus de forma gratuita, o passageiro afirmou que dependia da boa vontade do cobrador da linha para seguir viagem.

“Se eu pagar mais uma passagem fico sem ter como trazer minha filha. Não sabia que a gratuidade não funcionaria”, disse.

Mas a cobrança da tarifa, nas paradas da Avenidas Carvalho Leal e Rua Itacoatiara, que devem na teoria substituir o terminal, em reforma por pelo menos 120 dias, foi apenas uma das causas do descontentamento dos usuários. Sem a implantação de coberturas nos abrigos, muitos usuários já se preocupavam com a ocorrência de chuvas e com o forte calor, nos próximos dias.

“Hoje já choveu e essa parada não vai ser suficiente para abrigar todo mundo. No sábado, o fluxo de pessoas é menor, mas a partir de segunda-feira será pior”, afirmou a moradora do bairro Eduacandos, Rosângela Silva, que aguardava a linha 619 com destino ao bairro Puraquequara.

Com o fluxo intenso de ônibus no perímetro das quatro paradas, a travessia de pedestres também ficou complicada, apesar da presença de agentes de trânsito. Responsáveis por dar fluidez do trânsito, segundo o supervidor do Instituto Municipal de Engenharia e Fiscalização do Trânsito (Manaustrans), Roosevelt Reis, os agentes tiveram dificuldades em auxiliar a passagem dos usuários devido a ausência de faixas de trânsito, próximo as paradas.

“O nosso papel hoje é dar fluidez ao trânsito. Não há local para travessia e mesmo que eu destaque um agente para ficar em cada trecho da via, as pessoas terão dificuldade de se concentrar num só lugar devido a ausência da faixa”, afirmou.

Enquanto a sinalização horizontal não é implantada, em muitos trechos,fiscais da SMTU paravam o trânsito para viabilizar a passagem de idosos e usuárias com crianças.

De acordo com Reis a intenção do Manaustrans é proibir, a partir de segunda-feira, o estacionamento de veículos, no local, para viabilizar a passagem dos usuários pelas calçadas. “As calçadas estão todas obstruídas, por isso vamos proibir o estacionamento e também solicitar a implantação de faixas de pedestres próximos aos pontos de ônibus”, informou.

Informações: d24am.com

READ MORE - Em Manaus, Circulação de ônibus fora do T2 gera reclamação, no primeiro dia de mudança

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960