Rio de Janeiro é a cidade com mais ciclovias da América Latina

segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

O Rio tem mais faixas para bicicletas do que qualquer país da América Latina. Ao todo, são 405 quilômetros. Até os Jogos Olímpicos e Paralímpicos, serão 450 km. Com tanto espaço para bicicletas, os motoristas precisam ter cada vez mais cuidado e respeito com os ciclistas. E essa relação tem melhorado.

Nos últimos cinco anos, o Rio reduziu em 58% o número de acidentes fatais envolvendo bicicletas, de acordo com dados do Sistema de Informações sobre Mortalidade, do Ministério da Saúde.

Um dos principais fatores para a queda no número de mortes é a divulgação de campanhas sobre a importância do melhor convívio entre motoristas e ciclistas nas pistas, como o programa Rio Capital da Bicicleta, da Secretaria Municipal de Meio Ambiente. A iniciativa desenvolve, em parceria com o Detran-RJ, ações permanentes de educação para o trânsito e incentivo para o uso do meio de transporte. Segundo o secretário Carlos Alberto Vieira Muniz, desde 2014 não há registro de acidentes fatais na cidade.

“O Rio saiu na frente na América Latina – ao lado de Bogotá – na implantação da bicicleta como meio de transporte para curtas distâncias. Atualmente, o carro é um equipamento inviável para grandes cidades. Portanto, a bicicleta terá cada vez mais espaço. Com a criação de ciclovias, bicicletários e a conscientização, fazemos com que a sociedade se interesse cada vez mais.Para se ter uma ideia, em 2010 apenas 1% das mulheres utilizavam o modal. Hoje, são mais de 40%. E nenhuma morte há quase dois anos”, diz.

Além do incentivo ao uso da bicicleta, a secretaria também realiza campanhas com motoristas de ônibus, em escolas e com os próprios ciclistas, para que conheçam também suas obrigações.

Bicicletas como meio de transporte
Rodrigo Araújo, 26, auxiliar administrativo, é morador da Rocinha e vê a ligação da ciclovia entre a Barra e a Zona Sul como uma das principais obras da cidade. “Centenas de pessoas que moram aqui utilizam a bicicleta como o principal meio de transporte. Ano que vem, vamos poder ir trabalhar nos bairro do entorno de bike. Sem gastar dinheiro e de forma segura”, acredita. A previsão é que a construção da ciclovia entre Leblon e Barra da Tijuca fique pronta no próximo ano. Atualmente, são registradas mais de 1,5 milhão de viagens por dia na cidade do Rio, o que corresponde a cerca de 5% dos deslocamentos da capital.

Incentivos sustentáveis geram oportunidades
Com a demanda dos ciclistas, novas oportunidades de negócios surgiram. Esse foi o pensamento de Frederico Lima e seus outros dois irmãos, que abriram, há nove meses, a Bike Rio Café. O estabelecimento, que fica no Centro, oferece serviço de bicicletário, área para banho, café, almoço, conserto e manutenção e armário para roupas. “Com mais ciclistas e ciclovias, inovamos e abrimos o espaço. Hoje tenho demandas de diferentes regiões da cidade, como Zona Norte e Zona Sul. Tenho certeza que outras estruturas como essas serão lançadas, o que irá beneficiar o mercado. Vivemos um outro momento. E não terá volta”, conclui.

“Cicloculturalização” nas ruas
Para o presidente da Comissão de Segurança no Ciclismo do Rio de Janeiro, Raphael Pazos, a diminuição registrada na pesquisa do Ministério da Saúde indica um novo momento para quem utiliza o modal. "Há cerca de cinco anos, vejo o que chamo de “cicloculturalização” da população do Rio para o uso da bicicleta. A cada quilômetro de ciclovia ou ciclofaixa construído, o governo diz para a sociedade: Vá de bicicleta! Com isso, é possível ver um aumento considerável de pessoas que utilizam o modal para transporte, turismo, lazer e negócio. Com mais ciclistas nas ruas, maior entendimento dos direitos e deveres de cada um no trânsito”, afirma.

Ele acredita, também, que diferentes ações beneficiam quem está em cima das magrelas. “Há poucos meses, o estado do Rio conseguiu avançar na legislação no que diz respeito a esse meio de transporte. Agora é possível obter dados sobre roubos e furtos de bicicletas no Rio, o principal problema enfrentado pelos ciclistas. Mas, como disse, há uma mudança perceptível para melhor”, conclui.

O QUE CADA UM DEVE FAZER

CICLISTAS
- Apenas ultrapasse em 
local seguro
- Use os braços para sinalizar
- Não pedale na contramão
- Dê preferência aos pedestres
- Fique na faixa da direita

MOTORISTAS

- Mantenha distância de 
1,5m dos ciclistas
- Dê preferência aos ciclistas
e aos pedestres
- Cuidado com os cruzamentos
- Respeite a sinalização

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960