Metrô do Recife em estado de greve, sistema transporta mais de 400 mil pessoas por dia

sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

Os metroviários de Pernambuco decretaram estado de greve por tempo indeterminado. A decisão foi tomada em assembleia da categoria realizada na noite desta quarta-feira pelo Sindicato dos Metroviários de Pernambuco (Sindimetro-PE). A mobilização, no entanto, ainda não interfere no funcionamento do metrô no Recife, que opera normalmente nesta quinta-feira.

De acordo com o sindicato, o estado de greve seria um alerta para que a CBTU/Metrorec fique atenta às reivindicações da categoria, que reclama da infraestrutura e dos problemas relativos ao planejamento de operação do sistema para 2016. Nesta quinta-feira, um documento será enviado à presidência da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU/Metrorec) solicitando uma nova reunião para debater os problemas do metrô, como a possibilidade de paralisação do sistema por falta de verba.

Esta semana, a direção da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) manifestou oficialmente preocupação com a situação finaceira da companhia. No cargo há dois meses, o presidente da companhia, Marco Antônio Fireman, revelou que a receita operacional da companhia está comprometida em 90% e admitiu que a situação pode forçar uma paralisação dos sistemas por "incapacidade financeira". "Transportamos mais de 600 mil pessoas por dia, oferecendo um serviço essencial, o transporte de pessoas, em sua maioria de baixa renda, com uma tarifa social. É o único transporte social do Brasil, subsidiado em quase sua totalidade pelo Governo Federal. Precisamos mostrar o valor que a Companhia representa para as cidades onde opera e reverter essa situação o mais rápido possível”, apelou Marco Fireman.

De acordo com a companhia, o Grande Recife Consórcio de Transporte tem, desde 2013, uma dívida com a CBTU no valor total de R$ 48 milhões referentes à falta de repasse das passagens que têm integração entre ônibus e metrô. O débito significa uma média acumulada de R,3 milhões por mês ou 16% da receita que deixam de ser recebidos.

Em nota, a CBTU acrescentou que tem uma dívida histórica com a Fundação Rede Ferroviária de Seguridade Social (Refer) no valor aproximado de R$ 2,6 bi. O débito estaria em análise pela Procuradoria Geral da União (PGU), com  possibilidade de acordo por parte da União. Entretanto, a ação cautelar movida pela Refer contra a CBTU garante uma penhora no valor de R,5 milhões mensais, comprometendo 54% da receita líquida operacional da empresa.

Esses dois casos, somados a outras penhoras no valor de R,8 milhões mensais (20% da receita), comprometem quase toda a receita operacional da CBTU. Sobram apenas 10% da receita para a Companhia cumprir com as suas obrigações e operar os seus sistemas. Atualmente, a CBTU opera os sistemas de transporte de passageiros nas regiões metropolitanas de Belo Horizonte, Recife, Maceió, João Pessoa e Natal, como agente do Governo Federal.

Informações: Diário de Pernambuco

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960