Empresas de ônibus querem aumentar tarifa para R$ 3,60 em Cuiabá

domingo, 27 de dezembro de 2015

Assim como ocorreu no ano passado, a Associação Mato-grossense dos Transportadores Urbanos (AMTU) aguarda a publicação da nova planilha de custos da tarifa do transporte coletivo, em Cuiabá. Embora frise que o novo estudo não significa aumento do preço da passagem, o presidente da AMTU, Ricardo Caixeta, considera que atualmente valor ideal a ser cobrado seria de R$ 3,60. Atualmente, o usuário paga R$ 3,10. 

Conforme Caixeta, a solicitação para análise da planilha foi feita entre o fim de outubro e início de novembro passado. “Hoje, o transporte coletivo está sob a responsabilidade da Arsec (Agência Municipal de Regulação de Serviços Públicos Delegados da capital), que deve publicar a planilha nos próximos dias dando transparência e publicidade à população”, destacou Caixeta, comentando que tem verificado diariamente os jornais para certificar se a divulgação já foi feita ou não. 

Caixeta explica que o estudo faz uma análise das condições atuais ou operacionais do sistema. Entre outros itens, a planilha traz custos variáveis, como combustível, quilômetro rodado, peças e acessórios, despesas fixas, como remuneração de pessoal e manutenção, gratuidade e passageiros transportados. 

Além do aumento do combustível, o item passageiro é que mais pode influenciar num possível aumento da tarifa pelos próximos 12 meses. “Caiu muito o número de passageiros e isso pressiona (para cima) a tarifa”, informou. Essa queda representa 350 mil usuários a menos, em média, por mês. 

O reajuste da tarifa é previsto em contrato e ocorre anualmente. O último aumento aconteceu 26 de janeiro deste ano, quando o preço subiu de R$ 2,80 para R$ 3,10. Porém, segundo Caixeta, a data base para que isso ocorra é agora neste mês de dezembro. 

Procurada pela reportagem do Diário, a assessoria de imprensa da Arsec informou que, segundo a lei 374, o Executivo tem que adotar medidas administrativas para que os atuais contratos de concessão e de permissão do serviço público do transporte de passageiros sejam regulados pela Agência. “E até o momento não recebemos esse documento”, garantiu. 

Por sua vez, o secretário de Mobilidade Urbana (Semob), Thiago França, afirma que a atribuição já foi repassada à Arsec. “Já foi repassada sim à Arsec”, resumiu. A indefinição sobre a tarifa também se deve à falta de uma decisão definitiva quanto à implantação ou não do Veículo Leve Sobre Trilhos (VLT), o que também pode influenciar no valor da tarifa. 

Fonte: Diário de Cuiabá

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960