Descumprimento de horário é a principal queixa de usuários de ônibus em Salvador

segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

Com a bolsa no ombro e os livros da faculdade nas mãos, a estudante Ana Vitória Sena, 22 anos, observava os ônibus que passavam pela Avenida Afrânio Peixoto (Suburbana). Há 40 minutos, ela esperava pelo Mirante de Periperi – Ondina, e nada. O carro deveria ter passado há 20 minutos, só que não. O motorista queimou - deixou de cumprir o horário previsto - e ela chegou atrasada na aula.

De acordo com dados da Secretaria Municipal da Mobilidade (Semob), desde abril, mais de 14 mil autos de infração foram emitidos por queima de horário na cidade. O número equivale a 66% do total de penalidades registradas pelo Centro de Controle Operacional (CCO) nos sete primeiros meses de atuação, quando foram contadas 21.316 notificações para os consórcios Plataforma, OTTrans e Salvador Norte, responsáveis por operar os ônibus do sistema de transporte urbano.

Segundo o titular da Semob, secretário Fábio Mota, depois de receber a notificação, os consórcios têm até 30 dias para recorrer. Ele afirma ainda que em aproximadamente 60% dos casos de queima de horário, as queixas foram justificadas. “Depois que é feita a notificação, a empresa apresenta uma justificativa que é avaliada por uma comissão da própria secretaria. A maioria desses registros aconteceu no período das chuvas, quando diversas vias alagaram e o trânsito estava complicado” , comentou. Ainda conforme o secretário, “as multas são aplicadas quando os argumentos apresentados pelas empresas não são plausíveis”.

Inexpressivo
Para o diretor do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Salvador (Setps) Jorge Castro, os números de autos de infração não são tão expressivos. “Foram 18 mil notificações nos primeiros seis meses. Eu tenho, diariamente, 2.400 ônibus nas ruas fazendo oito viagens cada, portanto, esse número de autuações pode parecer elevado, mas não é tão expressivo”, avaliou. Para Castro,  “é preciso analisar caso por caso” e, de acordo com os casos que tem analisado, “na maioria das vezes, o funcionário está com razão”.

Para os passageiros, no entanto, a razão está com eles. “Não podemos nos programar para fazer nada porque nunca sabemos a que horas o carro vai passar, por mais que a secretaria tente determinar esses horários”, declarou, indignado, o auxiliar administrativo Diogo Moreira.

Sobrecarga 
Atualmente, existem cerca de 600 linhas de ônibus em Salvador e, em média, 1,3 milhão de passageiros utilizam o sistema de transporte público todos os dias. Segundo Mota, a falta de pontualidade sobrecarrega o sistema.

“A quantidade e o horário das viagens são feitas em cima de pesquisas com base na demanda. Quando um ônibus deixa de sair ou sai no horário diferente do programado, a viagem seguinte fica sobrecarregada, o que resulta em ônibus cheios ou dois veículos de uma mesma linha circulando no mesmo horário”, explicou o secretário.

Segundo usuários do sistema da Cidade Baixa, esse cenário faz parte da rotina para quem utiliza o transporte na região. A auxiliar de serviços gerais Joseane Batista, 33, trabalha há três anos no Bonfim e contou que costuma aguardar, em média, uma hora por um coletivo. “Demora muito e, quanto passa, está lotado. Na semana passada, esperei quase uma hora e então veio um Paripe, mas estava tão lotado que era impossível de entrar mais alguém. Aguardei mais uns 30 minutos esperando o próximo ônibus. Às vezes, demora e, quando passa, vem três de uma só vez”, contou Joseane.

Quem passa por esses apertos pode denunciar os casos na Semob, através do telefone 156, do WhatsApp (71) 99977-5135 ou do aplicativo CittaMobi – onde o usuário também tem informações sobre o horário dos veículos de cada linha.

Classificação  
Na lista da Semob, o segundo colocado em número de infrações foi o déficit de frota. Desde maio, foram 1.512 ocorrências. São situações em que os passageiros notaram a falta de veículos em algumas linhas. No entanto, o secretário chamou a atenção para evitar confusão com os números.

“Não existe déficit de frota em Salvador. A quantidade de ônibus é suficiente. O que precisamos é de organização. Quando o passageiro reclama de déficit, na verdade, são situações provocadas pela desorganização nos horários, quando um ônibus deixa de sair ou não sai no horário devido”, afirmou Mota.

Nas três posições seguintes da tabela estão ações relacionadas com a parada dos veículos nos pontos de ônibus: foram 1.171 ocorrências dos rodoviários que não param em alguns pontos (3º lugar), 1.088 que deixam de atender à solicitação de parada (4º) e outros 1.046 que pararam afastados do meio-fio (5º).

Segurança
Houve outros 332 casos em que motoristas estavam trafegando com as portas do coletivo abertas. Mais do que uma questão ilegal, essa prática põe em risco a vida dos passageiros. No mês passado, um homem sofreu um traumatismo craniano depois de cair de um coletivo na Avenida Princesa Isabel, na Barra. Na época, o motorista admitiu para a Polícia Civil que estava trafegando com as portas abertas.

Recusar passageiros também foi recorrente nos registros do centro de controle. Foram 111 situações nos últimos meses, além de outras 185 ocorrências em que o rodoviário alterou o itinerário do veículo no meio do percurso. O CCO foi instalado em maio deste ano, na sede da Semob, em Amaralina. O centro monitora, em tempo real, através de GPS, toda a frota de transporte coletivo. Agentes de trânsito e denúncias também ajudam na fiscalização.

Motoristas indicam trânsito como maior responsável pelas 'queimas'
Motoristas e cobradores comentaram as acusações de queima de horário e apontaram o trânsito intenso como o principal responsável pelos atrasos. Eles contaram que, algumas vezes, é preciso abrir mão de alguns direitos para cumprir os horários. “O fiscal exige que a gente faça quatro viagens, mas o trânsito não ajuda. Às vezes, chegamos no final de linha e temos que sair de imediato. Não querem deixar nem a gente ir ao banheiro ou beber uma água”, contou a cobradora Tatiane Nogueira. Para os rodoviários, é necessário rever o horário dos ônibus, diminuindo a quantidade de viagens. 

Questionados sobre as acusações de ignorar os pedidos de parada, eles apontaram o comportamento dos passageiros como um fator que atrapalha o bom serviço. “Acontece muito de o ônibus estar parado no ponto e o passageiro não se manifestar. Quando estamos arrastando, ele corre e sinaliza com a mão. Algumas vezes dá para parar, mas em outras tem carro no fundo. Se parar, a gente bate”, contou o motorista Roberto Santos, 43. 

Outras queixas são as situações em que os passageiros pedem para o motorista parar fora do ponto ou insistem para descer pela porta do meio do veículo, quando o correto é usar a porta do fundo. “Tudo isso atrapalha e atrasa a viagem, além das obras na cidade. Hoje (dia da entrevista) foram cerca de 50 minutos parado apenas na região da Estação Pirajá”, afirmou Roberto, que faz a linha Estação Pirajá-Barra 3.

Os pesos e valores das multas aplicadas 
Grupo A Infrações de natureza leve, punidas com multa de valor correspondente a 10 (dez) vezes o valor da tarifa em vigor no sistema: R$ 30

Grupo B  Infrações de natureza média, punidas com multa de valor correspondente a 30 (trinta) vezes o valor da tarifa em vigor no STCO: R$ 60

Grupo C  Infrações de natureza grave, punidas com multas de valor correspondente a 100 (cem) vezes o valor da tarifa em vigor no STCO: R$ 300

Grupo D Infração de natureza gravíssima, punida com multa de valor correspondente a 200 (duzentas) vezes o valor da tarifa em vigor: R$ 600

Observação: no dia 2, as tarifas serão reajustadas em 10%

Por Gil Santos

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960