Curitiba investe em novas tecnologias para melhorar a mobilidade urbana

quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

A Prefeitura de Curitiba implantou em 2015 duas novas tecnologias para melhorar e modernizar o trânsito da cidade: o semáforo especial para pessoas com mobilidade reduzida e os no-breaks.
A Prefeitura de Curitiba implantou em 2015 duas novas tecnologias para melhorar e modernizar o trânsito da cidade: o semáforo especial para pessoas com mobilidade reduzida e os no-breaks. Foto:Cesar Brustolin/SMCS

Ambos os projetos foram testados em 2014, após a Secretaria Municipal de Trânsito (Setran) publicar portarias convidando empresas a apresentar novidades tecnológicas para o trânsito de Curitiba. Uma comissão especial formada por representantes da Setran e da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e da Universidade Positivo avaliaram as propostas e solicitaram testes de algumas, sem custos para o munícipio.

Reconhecido internacionalmente em novembro deste ano com o Prince Michael International Awards (PMIRSA), o mais importante prêmio em segurança viária no mundo, entregue pela Federação Mundial de Automobilismo (FIA), o projeto dos semáforos inteligentes para pessoas com dificuldade de mobilidade foi implantado na capital paranaense a partir de abril, após o teste-piloto realizado no ano passado.

O protótipo de equipamento foi idealizado por técnicos da Setran e profissionais da UFPR. O sistema funciona através de uma botoeira especial acoplada ao semáforo, que é acionada pelos cartões da Urbanização de Curitiba (Urbs). Ao identificar o cartão, o semáforo abre por alguns segundos a mais do que o comum, permitindo uma travessia mais segura dos pedestres. O tempo de abertura pode ser até 50% maior do que o tempo de semáforo normal.

“Esses semáforos inteligentes possibilitam que o pedestre tenha mais segurança nas travessias, principalmente dos idosos, que são as maiores vítimas de acidentes fatais com pedestres nas ruas de Curitiba, segundo levantamento do projeto Vida no Trânsito. É uma tecnologia local que demonstra a capacidade de inteligência e inovação de profissionais da cidade de Curitiba”, diz o prefeito Gustavo Fruet.

Atualmente, os equipamentos podem ser utilizados por 160 mil idosos, 13,2 mil pessoas com deficiência e 6,2 mil aposentados por invalidez que possuem um cartão de isento habilitado da Urbs. Foram implantados 120 equipamentos em 31 locais da cidade que apresentam maior risco de acidentes para pessoas com mobilidade reduzida, como cruzamentos próximos a unidades de saúde, hospitais e terminais de ônibus.

Os equipamentos foram adquiridos através de licitação (modalidade pregão), com investimento de R$ 348 mil. A Setran já está realizando estudos técnicos para novos locais de implantação dos semáforos inteligentes.

No-breaks

A Prefeitura de Curitiba finalizou em novembro a implantação de no-breaks em 30 cruzamentos da cidade. O equipamento evita o desligamento de semáforos por falta de energia. Os estabilizadores são acionados imediatamente após o corte de energia podem funcionar por até 6 horas sem interrupções, mantendo em plena atividade os semáforos ligados a eles. A escolha dos locais de instalação dos no-breaks teve como prioridade a melhor fluidez do trânsito para o transporte coletivo.

“A instalação dos no-breaks é de fundamental importância para o trânsito de Curitiba. Os cruzamentos que receberam os equipamentos não dependerão do deslocamento de equipes e não perderão o sincronismo e a comunicação com a central de controle quando houver falta de energia”, afirma a secretária municipal de Trânsito, Luiza Simonelli.

A tecnologia testada em 2014 foi aprovada por uma comissão da Setran e os equipamentos foram adquiridos através de licitação (modelo pregão) – também estão incluídos no pacote cinco no-breaks móveis, que poderão ser utilizados em situações de emergência na cidade, nos locais onde não há instalação dos equipamentos. O investimento da Prefeitura foi de R$ 161,83 mil.

Os no-breaks também vão permitir uma maior agilidade no trabalho dos agentes de trânsito na cidade. A Setran atende em média dez chamadas diárias relacionadas à queda de energia, entre serviços programados e eventuais. Em muitas dessas situações, é necessário o envio de dois a cinco agentes de trânsito para atuar em um cruzamento com semáforo apagado, dependendo do movimento e quantidade de fluxos de trânsito a serem controlados. Com o módulo móvel, o tempo de atendimento e permanência dos agentes poderá ser reduzido.

Não será necessária a atuação de agentes nos cruzamentos com no-breaks fixos, liberando o efetivo para atuação em outras áreas em casos de grande queda de energia na cidade.

Informações: Prefeitura de Curitiba

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960