Em SP, Multas para quem invade faixa de ônibus sobem 271%

terça-feira, 13 de outubro de 2015

Entre 2013, primeiro ano da gestão do prefeito Fernando Haddad (PT),  e 2015, explodiram as multas por dirigir sobre a faixa exclusiva de ônibus em São Paulo. De acordo com dados da Lei de Acesso à Informação, só nos seis primeiros meses deste ano foram mais de 838 mil autuações para motoristas por infrações desse tipo. No mesmo período de 2013 foram 225 mil punições a condutores infratores – ou seja, um crescimento de 271%.

A diferença para 2014 também é grande: 527 mil anotações de janeiro a junho, segundo a CET (Companhia de Engenharia de Tráfego).

Já os números mensais mostram, em média, 37,6 mil multas anotadas pelos agentes de trânsito em 2013. Em 2015, esse número saltou para 139,7 mil. Como as multas aplicadas nesse período foram no valor antigo (veja mais ao lado), pelo menos R$ 4,46 milhões foram arrecadados pela Prefeitura só nesse tipo de infração.

De acordo com o especialista em trânsito Valmir Fernandes, do Ceat (Centro de Estudos Avançados de Trânsito), existem duas explicações para a alta. “Houve um aumento na fiscalização, com os agentes da SPTrans também anotando infrações dos motoristas.”

A segunda hipótese é a cultural falta de respeito no trânsito. “O que existe é o desrespeito à legislação. Acho que boa parte dos motoristas cometem muitas infrações porque não acreditam na fiscalização. Fala-se muito da indústria da multa, mas os motoristas também colaboram bastante.”

Na visão de quem usa a faixa todos os dias legalmente, seria possível a convivência entre ônibus e carros. Essa é a opinião do motorista  de ônibus Mauro Marques Mareco, de 56 anos. “Falta educação no trânsito. Acho que as pessoas deveriam fazer o possível para colaborar no trânsito. Deveríamos orientar as pessoas já na escola.”

PEGADINHA/ Há casos, porém, nos quais o motorista é surpreendido por falhas de sinalização. “Principalmente nos bairros, a via ficou mais afunilada. Aí o carro invade mesmo a faixa de ônibus”, disse Mauro, saindo em defesa dos colegas que estão nos carros.

Na Avenida São Miguel, por exemplo, na Zona Leste, a faixa exclusiva funciona  entre 17h e 20h. Porém, a operação muda logo adiante e, sem avisar o motorista com antecedência, passa a funcionar das 6h às 20h. Alguns metros depois, a faixa termina. Ontem, a reportagem flagrou pelo menos dois automóveis trafegando por ali no horário restrito.

Já na Avenida Cruzeiro do Sul, em Santana, Zona Norte, também falta sinalização para indicar a existência de uma faixa dupla bem em frente ao terminal de ônibus do bairro. Tanto os motoristas que acessam lateralmente a avenida, quanto os que já estavam nela,  se deparam com duas faixas exclusivas, sem aviso prévio.

Nesses casos, segundo Fernandes, a aplicação de multas é ilegal. “Todas as faixas de devem ser sinalizadas, explicando o horário em que funcionam”, disse. “O Código de Trânsito diz que, quando falta sinalização, não se pode multar.”

MOTORISTAS DE ÔNIBUS RECLAMAM DE DESRESPEITO DOS MOTORISTAS/ É unânime: na opinião dos motoristas de ônibus, atrapalha - e muito - a presença do carro nas faixas exclusivas.

O condutor André Júnior, de 42 anos, acredita que  tudo uma questão de segurança. Ele diz já ter até se envolvido em um acidente com um carro que estava onde não deveria. “Às vezes você está na faixa ou no corredor, e o carro está parado ao lado. De repente ele sai, sem aviso. Para isso terminar em colisão é rapidinho”, afirmou.

Já o motorista José Ferreira, 63, reclama da pressa com que os carros andam hoje na capital paulista. “Na hora da pressa, os carros invadem mesmo, o que passa na cabeça eles fazem. Se você buzina, te respondem com algum gesto (mal educado). E tem hora que atrapalha muito, porque você poderia já estar em outro ponto”, lamentou.

Quem se sentir prejudicado tem direito a entrar com recurso. “Já que foi feita a autuação, deve-se fazer um recurso explicando que no local há defeito de sinalização e, se possível, incluir fotos comprovando isso”, explicou o especialista.

RESPOSTA DA CET

De acordo com a CET, o maior número de fiscais atuando nas ruas foi o principal responsável pelo considerável aumento das multas. “Entre os fatores que explicam o crescimento no número de autuações, além do descumprimento do Código de Trânsito Brasileiro por parte dos motoristas, está o rigor da fiscalização, em especial quanto à invasão de faixas exclusivas e corredores de ônibus”, afirmou em nota. “Para a fiscalização, há 1.850 agentes da CET, 690 da SPTrans, além de 4.200 Guardas Civis Municipais. No início da atual gestão, eram 467 locais fiscalizados por radar, atualmente são 890 localidades. Os equipamentos podem monitorar, de acordo com a característica do local, a velocidade, desrespeito a semáforo, rodízio, restrição a circulação de caminhões e veículos de fretamento”, completou. A CET explicou ainda que, com as faixas , aumentou as velocidades dos coletivos e caiu o índice de congestionamento em toda a cidade de São Paulo.

Por Caio Colagrande 

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960