Atrasos e mudanças nos trajetos de ônibus motivam dez reclamações por dia em São Paulo

segunda-feira, 5 de outubro de 2015

Cerca de 3,5 milhões de pessoas disputam espaço diariamente para utilizar o transporte público na capital paulista, seja em ônibus da SPTrans ou nas composições do Metrô e da CPTM.
Rogerio Cavalheiro/Futura Press
E se a lotação em si já causa atrasos durante os embarques e desembarques nos pouco menos de 15 mil ônibus que circulam em toda a cidade, o dia a dia de quem depende desse tipo de transporte fica ainda mais difícil quando o motorista resolve alterar o itinerário programado ou desrespeita os horários previstos para as viagens.

Essas situações motivaram ao menos dez reclamações por dia à SPTtrans de janeiro a agosto deste ano. Foram 2.472 passageiros se queixando do mesmo problema em apenas oito meses.

Além da lotação, usuários de ônibus em SP convivem com atrasos e itinerários alterados
E o número poderia ser ainda maior, pois muitos dos prejudicados resolvem não formalizar a queixa. A estudante Julia Petterssen mudou-se neste ano para a região do Morumbi, na zona sul de São Paulo, e precisa exercitar a paciência diariamente devido aos atrasos do micro-ônibus da única linha que passa pela sua casa. 

"Os funcionários dessa linha não parecem comprometidos. Às vezes eles encerram a viagem antes de chegar ao ponto final. Já aconteceu de, ao passar pela garagem na avenida Eliseu de Almeida, o motorista mandar os passageiros descerem e pegar outro ônibus", relata Julia, que apesar da indignação, nunca fez uma queixa à SPTrans.

"Fora que demora demais para ele passar, no mínimo uma hora. Se tiver sorte, talvez consiga em quarenta minutos", completa a estudante. Pelo cronograma de partidas da SPTrans, a linha 8026-10 Jardim Ingá/Butantã, utilizada por Julia, deveria ter intervalos de 20 minutos entre um veículo e outro.

Há também relatos de motoristas que, antes de iniciar a última viagem da noite, questionam o destino dos passageiros que já embarcaram no coletivo. Sabendo até onde precisarão dirigir, os motoristas fazem a viagem com as luzes internas do ônibus apagadas para não precisar pegar novos passageiros durante o trajeto. Ao deixar o último usuário em seu destino, eles retornam à garagem sem concluir o itinerário da linha.

A SPTrans informou, em nota, que a metodologia adotada para fiscalizar o trabalho de motoristas e cobradores foi alterada neste ano, visando garantir o cumprimento dos horários determinados para as partidas.

Os índices demonstram que, de fato, as reclamações diminuíram nos últimos anos. O pico foi atingido em 2013, quando 7.375 passageiros expressaram insatisfação com os atrasos ou mudanças nas rotas. No ano passado, esse número caiu para 5.822.

A campeã de queixas entre as empresas é a Via Sul, que atua na zona Sudeste da cidade, atendendo aos bairros Cursino, Ipiranga, Sacomã, São Lucas, São Mateus, Sapopemba e Vila Prudente. Foram 266 reclamações de motoristas da empresa descumprindo horários e/ou itinerários neste ano – média superior a uma queixa por dia.

As empresas que não cumprem com as exigências contratuais, o que inclui a qualidade e regularidade dos serviços prestados, estão sujeitas a sanções. No primeiro semestre de 2013, por exemplo, foram aplicados R$ 30 milhões em multas para as operadoras do sistema, segundo a SPTrans.

Por Nicolas Iory
Informações: iG São Paulo 

Leia também sobre:

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960