Em Salvador, Trafegar pela faixa de ônibus dá multa na Paulo VI

quinta-feira, 24 de setembro de 2015

Elas estão nas principais avenidas de Salvador como Paralela, ACM, Juracy Magalhães, além da Paulo VI, e tem o objetivo tornar mais rápido o tempo de deslocamentos dos ônibus em meio ao trânsito cada vez mais carregado da cidade. Por conta disso, os motoristas de outros veículos que forem flagrados dirigindo pelas faixas exclusivas estão cometendo, desde o começo do mês de agosto, uma infração gravíssima, perdendo sete pontos na carteira e pagando uma multa de quase R$ 200, após alteração no Código de Trânsito Brasileiro (CTB).
Foto: Romildo de Jesus

De acordo com a Superintendência de Trânsito e Transporte do Salvador (Transalvador), até setembro deste ano foram aplicadas 9.873 multas por este tipo de infração, mais de 90% delas na Avenida Paulo VI, no sentido orla. Ao longo do ano de 2014, o órgão de trânsito registrou 5.125 multas. Um aumento de aproximadamente 92%.

No entanto, apesar de serem vistas por toda a cidade, em apenas uma das faixas, de fato, está proibido qualquer tipo de circulação de veículos que não sejam os coletivos: a própria Paulo VI – vale salientar que nas vias exclusivas, como as Vasco da Gama e da Paralela, o trânsito de veículos também é vedado. Nas demais – que até possuem sinalização horizontal deficiente, como nos casos da Avenida Bonocô e na região do Dique do Tororó – não há qualquer tipo de problema para que outros veículos possam trafegar. “Nesses locais, até já foi retirada a sinalização vertical”, disse o superintendente da Transalvador, Fabrizzio Muller.

“Estamos fazendo mais estudos para implementar mais faixas na cidade. Mas nosso intuito, é de que não haja impactos negativos no trânsito. A nossa expectativa, contudo, é de melhorar a qualidade do transporte público no município”, salientou. Ainda segundo ele, alguns testes até chegaram a ser feitos na faixa exclusiva da Avenida ACM. Mas, o grande fluxo de ônibus que passam pelo local todos os dias acabou gerando um grande congestionamento e, por isso, a fiscalização acabou suspensa. “Se o motorista passar por esta faixa, hoje em dia, não receberá punição”, garantiu Muller.

MOTORISTAS
Para que os motoristas que precisam utilizar as faixas de ônibus para tentar ganhar tempo em meio ao tráfego de veículos da capital baiana, o estresse é sem contínuo, já que muitos condutores de veículos menores simplesmente não respeitam a sinalização existente, insistindo no jeitinho para se livrar dos engarrafamentos.

“Muitos deles não respeitam e usam a faixa como rota de fuga. Acho, também, que falta uma maior fiscalização”, contou o motorista de ônibus, Adson da Silva, que há três anos, se envolveu em uma colisão com um carro de menor porte que invadiu a faixa para realizar uma conversão à direita. “Ele sabia que estava errado, mas reclamou bastante querendo jogar a culpa em mim. Foi uma dor de cabeça para resolver o problema depois”, acrescentou.

Como sugestões diante de uma jornada de trabalho cada vez mais estressante, eles acreditam que inspeções constantes, além da colocação de mais câmeras em faixas como essas ajudariam. “Por outro lado, que os motoristas tenham um bom senso maior e que os órgãos responsáveis façam mais campanhas educativas para todos”, falou, Silva. “Nosso trânsito é muito desorganizado e acho que falta uma maior sinalização. Acredito que se apenas os ônibus andassem nas faixas, seria muito melhor pra gente”, disse o também motorista, Gilmar Alves.

Investimento em transporte público é o caminho
Para o engenheiro Elmo Felzemburg, especialista em trânsito, as faixas exclusivas podem até funcionar em curto prazo, mas destaca que só investimentos em educação no trânsito e, principalmente em um sistema de transporte de massa, podem ajudar a melhorar a mobilidade na capital baiana. “Eu considero que essas faixas seriam mais paliativas. Em alguns pontos, pode até haver a melhora no fluxo de veículos, mas, em outros, o que vai acontecer é o congestionamento devido a quantidade de ônibus que passam pelo local”, comentou.

Ainda de acordo com ele, apesar de funcionar em alguns lugares do Brasil, as faixas exclusivas, em Salvador, tem uma dificuldade para entrar em operação. “Muitos motoristas de carros menores, aqui, não entendem que essas faixas podem trazer melhorias no fluxo do tráfego. O problema é que uma faixa apenas não comporta, por exemplo, uma grande quantidade de veículos, sem contar as questões operacionais. Acho que tem que ser feito um planejamento mais completo neste sentido para que, de fato, dê certo”, analisou.

Informações: Tribuna da Bahia

0 comentários:

Seja Mais Um a Curtir o Blog Meu Transporte

 
 
 

O Brasil está pagando um preço alto pela falta de mobilidade

Hibribus (ônibus híbrido-elétrico) de Curitiba é elogiado por especialistas

Exemplo: Nova York ganhou 450 quilômetros de ciclovias em 04 anos

Brasil tem mais de cinco mil vagões de trem sem uso parados em galpões

Ônibus em corredores exclusivos é tão bom quanto o metrô

Os ônibus elétricos do Recife começaram a circular em junho de 1960